Lula Cabral é favorito na disputa pelo Cabo


Folha de Pernambuco
A menos de um mês para a eleição, o deputado estadual e ex-prefeito Lula Cabral (PSB) lidera a corrida eleitoral no Cabo de Santo Agostinho, na Região Metropolitana do Recife, com 51% das intenções de votos, de acordo com a primeira pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), em parceria com a Folha de Pernambuco. O segundo colocado, deputado federal Betinho Gomes (PSDB), tem 29%, enquanto o professor Gleydson Goes (PSOL) aparece em terceiro lugar, com 1%. A pesquisa, que tem margem de erro de cinco pontos percentuais, mostra que 12% da população não votaria em nenhum candidato; o mesmo percentual dos que votariam em branco ou nulo, e 7% não souberam ou não responderam. No Cabo, não haverá segundo turno.
Na análise espontânea, quando os nomes dos candidatos não são apresentados aos entrevistados, o quadro é parecido: Lula Cabral aparece como o mais citado, por 46% dos entrevistados, enquanto Betinho Gomes soma 24%. Goes mantém o mesmo 1%. Nesta modalidade, 11% da população não votariam em nenhum candidato, e idêntico número votaria em branco ou nulo. Entre os eleitores, 18% não souberam dizer em quem votar ou não quiseram responder.
Conhecidos
Tanto o tucano quanto o socialista possuem baixos índices de desconhecimento, apenas 2% e 1%, respectivamente. Já o psolista é des­conhecido por 70% da população cabense. Cabral já foi prefeito do Cabo entre 2004 e 2012. Betinho Gomes, por sua vez, é filho do ex-prefeito do Cabo e atual prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Elias Gomes (PSBD). Os dois já disputaram o pleito de 2008, com vitória do socialista, que, segundo a pesquisa, desfruta de boa avaliação quanto a sua administração à frente à Prefeitura do Cabo: 58% dos entrevistados avaliaram a gestão de Cabral como ótima ou boa, 28% co­mo regular e 11% como ruim ou péssima. Três por cento da população não soube ou não respondeu.
Rejeição
Entre os candidatos apresentados, Gomes é o que apresenta maior índice de rejeição, com 44%. Gleydson vem em segundo, com 39%, e Cabral tem 32%. Ao deixar a Prefeitura do Cabo, Cabral ajudou a eleger o sucessor, o atual prefeito Vado da Farmácia (Sem partido), contra Betinho Gomes. Entretanto, Cabral e Vado romperam nos primeiros meses de administração do atual gestor.
Gestão Vado
O prefeito Vado da Farmácia, que não disputará a reeleição, é avaliado como ruim ou péssimo por 76% da população, enquanto 17% consideram a gestão dele como regular e apenas 5% como ótima ou boa. Um por cento não soube ou não respondeu. Diante desta questão, os dados mostram um desejo de mudança dos cabenses: 68% dos entrevistados preferem votar em quem “mu­de totalmente a forma de administrar” o município; 27% optam por um candidato “que mude um pouco a forma de administrar, dando continuidade a algumas coisas e mudando outras” e apenas 2% querem que o futuro prefeito “dê continuidade à forma como o Cabo vem sendo administrado”.
A pesquisa foi realizada entre os dias 2 e 3 de setembro de 2016, com 400 entrevistados, e foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE/PE) sob o protocolo PE-06243/2016, com um intervalo de confiança de 95,45%.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo

Nova Farmácia Básica do Centro é entregue à população patoense