Julgamento de Eduardo da Fonte é adiado no STF


A Segunda Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) adiou, hoje, o julgamento do recebimento da denúncia contra o deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE) por crime de corrupção passiva. O advogado do parlamentar, Hamilton Carvalhido, passou mal durante a sessão.
Caso o STF decida receber a denúncia, Eduardo da Fonte será o terceiro congressista no exercício do mandato a responder a uma ação penal perante o STF no âmbito da Operação Lava Jato. Antes dele, viraram réus a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o deputado Nelson Meurer (PP-PR).
"Presidente, eu não vou ter condição. Eu não estou me sentindo bem. Vou precisar da sua ajuda", disse Carvalhido, com a fala pausada, quase se desequilibrando, ao se dirigir ao ministro Celso de Mello, que presidiu a sessão.
"Fica então suspenso esse julgamento que será retomado em momento oportuno com a sustentação oral do eminente ministro Hamilton Carvalhido", disse Celso de Mello. Ex-ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Carvalhido foi levado ao ambulatório do STF.
Até a publicação deste texto, a reportagem não havia obtido mais informações sobre o estado de saúde do advogado.
Denúncia
Em junho deste ano, a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou ao STF a denúncia contra o Eduardo da Fonte. O deputado é acusado de intermediar o pagamento de R$ 10 milhões de propina ao então senador Sérgio Guerra (PSDB-PE), morto em 2014, com a finalidade de esvaziar uma comissão parlamentar de inquérito instalada no Senado que investigava contratos da Petrobras.
De acordo com a PGR, a propina de Eduardo Fonte era abastecida pelo dinheiro desviado da diretoria de abastecimento da Petrobras, chefiada na época por Paulo Roberto Costa, hoje um dos delatores da Operação Lava Jato.
A investigação contra Eduardo da Fonte é embasada nos depoimentos de Costa e do doleiro Alberto Youssef, acusado de integrar o núcleo financeiro da organização criminosa que atuava na estatal.
Eduardo da Fonte também é alvo de uma outra denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O parlamentar é acusado pelo recebimento de propina para beneficiar a UTC Engenharia. O ex-executivo da Petrobras Djalma Rodrigues de Souza também foi denunciado no caso. Por Magno Martins

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo