Vitoriosos nas urnas em 145 cidades estão com registro indeferido no país

Situação indefinida
Um levantamento feito pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aponta que 145 candidatos mais votados para prefeito estão com o registro indeferido e não sabem se serão empossados no dia 1º de janeiro. A definição de quem será o prefeito dessas cidades depende da Justiça Eleitoral.

Além desses municípios, em que não há possibilidade de 2º turno, outros quatro com mais de 200 mil eleitores também estão com a situação indefinida: Belford Roxo (RJ), Montes Claros (MG), Nova Iguaçu (RJ) e Taubaté (SP). Nesses casos, os inderefidos aguardam para saber se disputarão o segundo turno. Leia mais

O número é maior que o registrado em 2012, quando 122 cidades ficaram com a situação indefinida após o término do 1º turno. Leia mais

Os 146 candidatos que venceram, mas aparecem com os votos zerados, concorreram com seus registros de candidatura indeferidos, recorrendo, à espera de julgamento na Justiça Eleitoral. São, ao todo, 1.571.121 votos invalidados desses prefeitos.

Apenas cinco dos recursos chegaram ao TSE: de Itatinga e Quatá, em São Paulo, Aiuaba, no Ceará, Dom Pedro, no Maranhão, e Calçoene, no Amapá.


Os candidatos com registros indeferidos e que apresentaram recurso puderam realizar todos os atos de campanha. O nome e o número também constaram das urnas eletrônicas no dia de votação. Os votos, no entanto, só serão computados se a Justiça Eleitoral deferir o registro da candidatura.


São Paulo e Minas Gerais são os estados com o maior número de candidatos mais votados a prefeito com registro indeferido: 24 cada um. Em seguida aparece o Paraná, com 17 candidatos nessa situação. Bahia tem 12 e o Rio de Janeiro, 10.


Só quatro estados não têm nenhuma cidade nessa situação: Acre, Alagoas, Mato Grosso do Sul e Paraíba.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo