Complicações à vista


Carlos Chagas
Eunício Oliveira no Senado e Rodrigo Maia na Câmara aparecem como favoritos para as presidências das duas casas, com decisão prevista para fevereiro. Entre os senadores, não há problema. O PMDB tem maioria e o representante do Ceará conta com o apoio do palácio do Planalto. No caso dos deputados, é diferente. O atual presidente da Câmara não pode permanecer, conforme o regimento interno, ainda que conte com a simpatia do presidente Michel Temer e de boa parte dos deputados. Seria preciso mudar o regimento para permitir a reeleição. O problema é que se Rodrigo Maia for beneficiado com a mudança, por que não estender a permanência para o Senado? Nesse caso, Renan Calheiros exigiria reciprocidade. Continuando a presidir o Senado, ficaria livre de pelo menos a metade de seus problemas.
As decisões só serão tomadas em fevereiro e surgiu um obstáculo: o PSDB. Os tucanos contam com a presidência da Câmara, mesmo sem dispor de um nome de consenso. Se for para engolir Rodrigo Maia, vão botar água no chope de Eunício Oliveira. A equação ficará mais conturbada se entrarem nela as preliminares da sucessão presidencial de 2018. Onde estiver Geraldo Alckmin não estará Aécio Neves, e vice versa. Os dois candidatos presidenciais pretendem fechar o ano com um futuro presidente da Câmara definido, mas dificilmente será o mesmo. Mais provável é que um mineiro e um paulista busquem a indicação, vencendo aquele que dispuser de maior apoio no PMDB.
Em suma, complicações à vista para o tucanato e para o presidente Michel Temer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo