Queda da cúpula política do Rio põe fim ao projeto nacional de Cabral


A prisão de Sérgio Cabral (PMDB) explicita que os escândalos de corrupção atingiram a cúpula da política do Rio de Janeiro. A prisão do ex-governador acontece um dia depois de Anthony Garotinho (PR) ter sido preso por ordem da Justiça eleitoral sob acusação de fraude na eleição do município de Campos (RJ) e pouco tempo depois da prisão do-ex-todo poderoso da Câmara Eduardo Cunha (PMDB).

Havia em torno de Sérgio Cabral um projeto de poder político nacional. Os planos tinham sido colocados em prática já na primeira eleição de Cabral ao governo do Rio, em 2006.

Fica claro agora com as investigações da Operação Lava Jato e de seus filhotes que esse projeto foi montado a partir da relação muito promíscua do poder público com a iniciativa privada.

O exemplo mais claro dessa relação foi evidenciado com a proximidade de Cabral com o empreiteiro Fernando Cavendish, da Delta Construções. 

O projeto de poder político de Cabral começa a ser atingido em 2012, com a CPI do Cachoeira, que investigou empreendimentos da empresa de Cavendish. As investigações parlamentares foram abafadas no Congresso Nacional por pressão do Palácio do Planalto no momento em que começaram a se aproximar de Cabral.

Desde então, o ex-governador começou a sofrer um intenso desgaste político, acentuado em 2014, quando ele teve de renunciar ao comando do Palácio da Guanabara sem ter condições de disputar nenhum mandato político.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo