Cadê meu bagulho?


BATALHA CAMPAL Estamos diante de uma crise institucional?
Ricardo Boechat - ISTOÉ
Por duas vezes, em apenas uma semana, já marcada pelo choque das delações da Odebrecht sobre vestais do Executivo, as togas do STF rodaram como as baianas na Sapucaí e, como estas, atraíram todos os holofotes. Em ambas, as coincidências foram muitas; e deverão crescer, diante da enorme possibilidade de destino comum após a apreciação do mérito da última delas pelo Pleno do Tribunal.
As polêmicas liminares dos ministros Marco Aurélio Mello e Luiz Fux foram idênticas na forma (decisões monocráticas), na dimensão (impondo-se a outro Poder), no apoio popular (quem de boa índole não quer Renan Calheiros no ostracismo e a implementação das Dez Medidas Contra a Corrupção?), na repercussão política (a tal “crise institucional” vem sendo comparada ao fim do mundo) e no impacto sobre a Corte (obrigada a malabarismos oratórios para fazer crer que legal e justo são valores idênticos).
Outros eventos provam a natureza univitelina dos episódios. Por exemplo: o ministro Gilmar Mendes, que fora dos autos padece de incontinência verbal mais própria a salões de beleza, atacou pela imprensa de forma pouco protocolar, para dizer o mínimo, as decisões daqueles seus pares na Corte. A Mello, chamou de maluco; a Fux, de surtado. Não, não… me desculpem. Não foram essas suas palavras exatas. Mas, em se tratando do referido autor e de tal estilo, certamente Sua Excelência não se ofenderá com a livre interpretação das críticas que, de público, quis fazer. Mas a mais significativa identidade entre os dois casos se dará no seu destino: ambos resultarão em nada. Vejam só: no primeiro evento, Renan deixou a linha sucessória do Planalto, como se a hipótese de sua unção à cadeira de Temer, noves fora salamaleques, figurasse no horizonte real do país. Na mesma “sentença”, reforçando a profusão de bolhas de sabão, o imbatível cacique alagoano foi solenemente mantido no comando do Congresso – mas por efêmera quinzena, já que seu mandato na função expira antes do Natal.
No segundo evento, mesmo que não seja cassada, a liminar de Fux devolveu à origem projeto que a Câmara já havia votado e sacramentado. Ora, recebendo de volta o filho feio, bastará aos deputados, caso desejem, engavetar a matéria por milênios, deixando que, como tantas outras, morra de mofo. Enfim, há algo de alucinógeno em todo esse carnaval das mais altas autoridades do país. O chato é perceber que a onda deve ser boa, pois duradoura, mas inacessível aos morais que pagam pela festa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo