O ano se vai, a crise não


Diferença entre os anos de chumbo e os atuais é que aqueles eram mil vezes piores, mas era possível saber o que iria acontecer mais cedo ou mais tarde
Zuenir Ventura – O Globo
Nessa mesma época do ano passado, eu começava uma crônica fazendo ironia: “Quem sabe saindo de cena por uns tempos eu não ajude a resolver a crise política? Se ninguém se considera responsável por ela — nem Dilma, nem Temer, nem Renan, muito menos Cunha — vai ver que o culpado sou eu. Por isso, vou tirar umas semanas de recesso, junto com o do Congresso”.
De fato tirei (como vou tirar agora) e, quando voltei, tudo continuava do mesmo jeito ou pior. Hoje, estou temendo a repetição, porque, ao contrário do provérbio escatológico português, nem as moscas mudaram, a não ser uma ou outra. A m... é a mesma.
Continuamos nos perguntando se estamos vivendo a nossa pior crise. Não sei, mas com certeza é a mais completa e abrangente, pois atinge ao mesmo tempo a política (desmoralizada), a economia (rebaixada), o meio ambiente (enlameado) e a ética (ultrajada pela inversão total de valores).
Escrevi então: “Com o país rachado, o ódio vicejando, com uma presidente impopular tentando se livrar do impeachment, com o vice conspirando e também sob suspeita de pedaladas, com o presidente da Câmara lutando para não ir para a cadeia, com o seu colega do Senado sendo investigado, com a população desencantada a sensação para nós, pobres mortais diante do deprimente espetáculo, é de total confusão”.
Não parece que foi hoje? Só falta acrescentar o bate-boca público entre juízes do STF.
Para quem gosta de comparar, a diferença entre os anos de chumbo e os atuais é que aqueles eram mil vezes piores, mas era possível saber o que iria acontecer mais cedo ou mais tarde.
Não havia dúvida de que um dia a ditadura ia acabar. Agora, não dá para prever o que acontecerá quando o Natal passar, o carnaval chegar, a euforia acabar, e Câmara e Senado caírem de novo na real, ou na fantasia.
De sua parte, o prefeito Marcelo Crivella já tratou de prevenir dizendo que Deus vai ajudá-lo a “fazer o impossível”. Assim, se não fizer, a responsabilidade não será dele, mas da falta de ajuda.
Andamos falando mal de 2016 e dizendo que ele já vai tarde. O problema é que a crise não vai, parece permanente. A um ano ruim sucede um pior, e isso nos deixa inseguros em relação a 2017.
Pelo jeito, o futuro da política no Brasil pertence à Lava-Jato. Ninguém está livre dela, não há personagens acima de qualquer suspeita, e a fila da Odebrecht está longe de terminar. É triste, mas inevitável.
Até o ano que vem, com desculpas pelo pessimismo. A culpa é de 2016, de tantas perdas — Ferreira Gullar, dom Paulo Evaristo Arns, Villas-Bôas — para só falar dos que acabam de nos deixar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo

Nova Farmácia Básica do Centro é entregue à população patoense