terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Renan: denúncia é "vingança" e PGR faz "política"


O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou, hoje, que a PGR (Procuradoria-Geral da República) faz "política" – ele foi denunciado pela PGR na Operação Lava Jato ontem.
"Essa denúncia terá o mesmo destino das outras, será arquivada, porque eu nunca cometi crime", disse o presidente do Senado.
Ele criticou ainda a citação a seu nome na delação do ex-executivo da Odebrecht Claudio Melo Filho.
"Existem delações e delações. Você ter o nome citado porque alguém interpretou que alguém falaria em seu nome, isso é um absurdo. Isso só serve para alimentar noticiário e para permitir um prejulgamento das pessoas", disse Renan.
"O Ministério Público infelizmente passou a fazer política. Só política. Quando você faz política, você perde a condição de ser o fiscal da lei", afirmou o presidente do Senado.
Renan conversou com jornalistas ao chegar no Senado na manhã desta terça-feira.
Na véspera, o senador foi denunciado ao STF (Supremo Tribunal Federal), pela Procuradoria-Geral da República, sob a acusação de ter recebido propina de uma empreiteira. O Supremo ainda não decidiu se recebe a denúncia e abre processo contra Renan.
O senador é réu no Supremo pelo crime de peculato, em uma primeira denúncia da Procuradoria que o acusa de ter desviado recursos do Senado para pagar a pensão de uma filha. Renan nega irregularidades nos dois casos.
Nesta terça-feira, o senador criticou as denúncias da Procuradoria contra ele e afirmou que elas são motivadas por "vingança".
"Estou absolutamente tranquilo", disse.
"Essas outras denúncias são, como aquelas denúncias, apressadas, feitas nas coxas, que demonstram o caráter político do Ministério Público apenas, de vingança, porque o Senado rejeitou três nomes que hoje compõem a força-tarefa [da Lava Jato] para o Conselho [Nacional do Ministério Público]", afirmou Renan.

Nenhum comentário:

Postar um comentário