Eduardo Paes depõe na PF sobre CPI dos Correios


Eduardo Paes presta depoimento na PF em inquérito sobre CPI dos Correios
O senador Aécio Neves é investigado no mesmo caso
Jornal do Brasil
Assim como o senador tucano Aécio Neves, o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes também prestou depoimento na Polícia Federal sem que houvesse alarde. O prefeito depôs na semana do Natal, na sede da PF, em Brasília. As informações são do colunista Lauro Jardim.
O depoimento diz respeito ao inquérito a que responde no Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de ter participado da maquiagem de dados do Banco Rural na CPMI dos Correios, em 2005.
Em dezembro, o senador Aécio Neves também foi discretamente à sede da Polícia Federal em Brasília para prestar depoimento no mesmo inquérito. O tucano foi acusado pelo ex-senador Delcídio do Amaral de tentar interferir nos trabalhos da CPI que investigava denúncias do mensalão.
As investigações são baseadas em um dos depoimentos do ex-senador Delcídio do Amaral, em colaboração com a Justiça. De acordo com Delcídio, em 2005, durante os trabalhos da CPMI dos Correios, o senador Aécio Neves, então governador de Minas Gerais, “enviou emissários” para barrar quebras de sigilo de pessoas e empresas investigadas, entre elas o Banco Rural.
Durante as investigações feitas pela CPI dos Correios, Delcídio identificou algumas "maquiagens" em alguns “dados comprometedores” fornecidos pelo Banco Rural. Eram dados que, segundo ele, prejudicariam o ex-governador e o ex-vice-governador de Minas Gerais, Aécio Neves e Clésio Andrade – além da Assembleia Legislativa de Minas Gerais e do publicitário Marcus Valério, pivô do mensalão, entre outros.
Tanto Paes quanto Aécio negam a acusação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo