Cássio aprova Reformas de Temer e desdenha de Lula


 Cássio aprova Reformas de Temer e desdenha de Lula
Em entrevista ao jornal Correio Braziliense o Senador Cássio Cunha Lima (PSDB), que está no comando do Senado, em substituição ao presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), que teve um Acidente Isquêmico Transitório (AIT), no último dia 27, disse acreditar na aprovação das Reformas propostas pelo presidente Michel Temer (PMDB) como a da Terceirização, Trabalhista e Previdenciária. Ele aproveitou para desdenhar da força política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Nordeste. Sobre o candidato tucano para o posto em 2018, Cunha Lima se recusa a colocar o prefeito de São Paulo, João Doria, como candidato.

Aliado do governo, o senador afirma que o Senado trabalhará para manter o texto aprovado pela Câmara na reforma trabalhista e, se for necessário algum ajuste, eles se articulações para que seja por meio de veto para o projeto não voltar aos deputados. Ao diminuir a importância política que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem no país, o senador não acredita que ele tenha condições de se eleger a Presidência em 2018, e atribui o sucesso do petista nas pesquisas à memória recente do eleitor.

“Vejamos que, mesmo no auge da popularidade, as eleições foram para o segundo turno, tanto dele quanto a da Dilma. É claro que haverá consequência eleitoral em tudo que está acontecendo. Mas imaginar que alguém com o perfil do Lula terá menos que 25%, 30% dos votos é ingenuidade. Ele é um ator político importante nesse processo. Daí a ter condições de ganhar são outros quinhentos”, afirmou Cássio.

Já sobre Doria, o tucano paraibano desdenhou do colega, que tem a previsão de receber titulo de cidadão campinense, aprovado pela base de Cássio em Campina Grande. “O Doria não é candidato. Ele tem dito, insistentemente, que o candidato dele é Geraldo Alckmin. E o partido tem outras opções além do Alckmin, tem Aécio Neves, Tasso Jereissati, Antonio Anastasia, José Serra”, afirmou.

Quando perguntado se o desempenho do governo vai influenciar na eleição. Diante da rejeição de Temer, e se é complicado estar na base? Cássio respondeu:

“Esse é um risco que o PSDB tinha de correr em nome do Brasil. Se as coisas estão ruins, estariam muito pior se a Dilma continuasse na presidência. Eu sempre achei que o melhor caminho para o país eram eleições. Era o TSE fazer o julgamento. Hoje, está provado que essa chapa, comandada pela Dilma, tinha tudo para ser cassada, só que o TSE não conseguiu julgar em tempo hábil. O impeachment veio e qual a nossa responsabilidade agora? Dar sustentação ao governo, com preço político alto. Nós estamos no fundo do poço, o desemprego não para de crescer”, disse Cássio sobre Temer destacando também que o Governo errou em colocar tantas reformas ao mesmo tempo.

“Sob o olhar da tática política, talvez ele tenha salgado um pouco o prato e cabe ao Congresso modular um pouco. Tanto é que já se fala na Câmara só votar a reforma da Previdência quando o Senado terminar a trabalhista, para dar um intervalo. Você vai ter problema na interlocução e a gente está tendo uma derrota de comunicação fragorosa. Os deputados estão precisando desse gesto de solidariedade. Somos uma só base de governo e ela precisa ser monolítica nesse momento para dizer: um por todos e todos por um, não vamos deixar vocês se afogarem sozinhos”, afirmou Cunha Lima.

Redação com Correio Braziliense 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo