PSDB racha sobre permanecer no governo Temer


Igor Gielow - Folha de S.Paulo
O PSDB rachou sobre sua permanência no governo de Michel Temer (PMDB). Se a sigla começou a quinta (18) com um pé e meio fora da gestão que apoiou desde o primeiro minuto, o fim do dia viu sua nova direção segurar os principais ministros do partido nos cargos.
Numa confusão que faz jus à fama de agremiação em cima do muro, o PSDB ainda espera uma avaliação mais precisa do áudio no qual Temer aparece numa conversa sobre obstrução à Justiça com Joesley Batista para definir sua posição final.
A divisão do partido se deu ao longo do dia. Grosso modo, a bancada tucana na Câmara, os chamados "cabeças pretas" por não terem ou disfarçarem cabelos grisalhos associados aos caciques, defendia a entrega de cargos, a defesa da renúncia de Temer e consequente eleição indireta para presidente.
A tese parecia vitoriosa ao longo do dia, até que Temer fez o pronunciamento em que foi enfático na defesa do que conversara com Joesley.
A divulgação do áudio selou a dúvida tucana: apesar de o presidente e o empresário estarem conversando sobre crimes, a anuência explícita do peemedebista a um cala-boca a ao ex-deputado Eduardo Cunha na cadeia não se configura cristalina.
Com isso, Tasso levou três de seus quatro ministros (Bruno Araújo, das Cidades, o chanceler Aloysio Nunes Ferreira e Antonio Imbassahy, da Secretaria-Geral) ao gabinete de Temer.
Saíram convencidos a ficar, por ora, ainda que Temer vá ser investigado pelo Supremo Tribunal Federal. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo