PSDB racha sobre permanecer no governo Temer


Igor Gielow - Folha de S.Paulo
O PSDB rachou sobre sua permanência no governo de Michel Temer (PMDB). Se a sigla começou a quinta (18) com um pé e meio fora da gestão que apoiou desde o primeiro minuto, o fim do dia viu sua nova direção segurar os principais ministros do partido nos cargos.
Numa confusão que faz jus à fama de agremiação em cima do muro, o PSDB ainda espera uma avaliação mais precisa do áudio no qual Temer aparece numa conversa sobre obstrução à Justiça com Joesley Batista para definir sua posição final.
A divisão do partido se deu ao longo do dia. Grosso modo, a bancada tucana na Câmara, os chamados "cabeças pretas" por não terem ou disfarçarem cabelos grisalhos associados aos caciques, defendia a entrega de cargos, a defesa da renúncia de Temer e consequente eleição indireta para presidente.
A tese parecia vitoriosa ao longo do dia, até que Temer fez o pronunciamento em que foi enfático na defesa do que conversara com Joesley.
A divulgação do áudio selou a dúvida tucana: apesar de o presidente e o empresário estarem conversando sobre crimes, a anuência explícita do peemedebista a um cala-boca a ao ex-deputado Eduardo Cunha na cadeia não se configura cristalina.
Com isso, Tasso levou três de seus quatro ministros (Bruno Araújo, das Cidades, o chanceler Aloysio Nunes Ferreira e Antonio Imbassahy, da Secretaria-Geral) ao gabinete de Temer.
Saíram convencidos a ficar, por ora, ainda que Temer vá ser investigado pelo Supremo Tribunal Federal. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo

Nova Farmácia Básica do Centro é entregue à população patoense