quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

São José do Egito: Governo do Estado recupera Barragem São José II

barragem-sao-jose-II
Barragem São José II, antes e depois da recuperação.
Segundo assessoria, o pedido foi feito ainda quando Evandro Valadares não era prefeito.
O principal manancial que hoje ajuda a abastecer São José do Egito, foi totalmente recuperado pela secretaria de desenvolvimento econômico do estado.
A obra durou aproximadamente seis meses e foi concluída no inicio do ano, o valor total do investimento na recuperação da barragem foi de R$ 153.941,87.
Na tarde dessa Quarta (17), representando o governo do estado, o engenheiro civil Bruno de Melo Silva, encontrou-se com o prefeito Evandro Valadares em seu gabinete, para mostrar o resultado final da obra.
WhatsApp Image 2017-01-18 at 16.37.57

Dinaldinho nomeia esposa de vereador que votou em Nabor Wanderley e causa estranheza

Mais Patos
O vereador presidente municipal do PSB em Patos Diogo Medeiros, emplacou sua esposa Samira Medeiros no comando da Secretária Executiva de Políticas Públicas Para a Mulher do município de Patos.
Alguns analistas políticos de Patos estranharam a referida nomeação, já que Diogo é do partido do governador Ricardo Coutinho PSB, que por sua vez, é inimigo político aqui na Paraíba do PSDB, justamente partido de Dinaldinho, prefeito de Patos.
Outro fato que chamou atenção, foi que o partido de Diogo apoiou aqui em Patos, Nabor Wanderley (PMDB), inclusive indicando o nome de vice prefeito na Chapa Majoritária do Partido, no caso o advogado José Lacerda.
Somado a tudo isso, ainda tem o fato do médico Érico Djan, ter sido ameaçado de expulsão pelo próprio PSB Patoense, por ter assumido votar em Dinaldinho na campanha passada.

PC do B em Olinda explica ‘calote’ de Luciana Santos em jornalistas profissionais, após campanha


Veja a ‘Nota de esclarecimento’, enviada pelo PC do B de Olinda Sobre a matéria intitulada

“Calote de Luciana Santos em jornalistas profissionais, após campanha em Olinda”, publicada no Blog de Jamildo no dia 17/01/2017.

O PCdoB/Olinda presta os seguintes esclarecimentos:

A campanha da Deputada Federal Luciana Santos cumpriu rigorosamente com o disposto na legislação eleitoral.

Todas receitas e despesas da campanha foram devidamente registradas, contabilizadas, divulgadas e encaminhadas à Justiça Eleitoral.

Pró-reitor da UPE visita São José do Egito

WhatsApp Image 2017-01-18 at 10.41.21Professor Renato Medeiros foi conferir de perto espaço onde vai funcionar cursos superiores na cidade.
Na tarde de Terça (17), o prefeito Evandro Valadares recebeu o Pró-reitor da Universidade de Pernambuco (UPE), prof. Renato Medeiros de Morais, no Centro de Inclusão Digital. O local servirá de polo para cursos de nível superior em São José do Egito.
A avaliação do pró-reitor foi positiva, com algumas ressalvas, é preciso fazer algumas melhorias no prédio. O prefeito já determinou os reparos necessários, que mais breve possível o local esteja apto a receber os cursos que serão ofertados no berço dos poetas.

A previsão é que ainda esse ano comece a funcionar o polo da Universidade de Pernambuco em São José do Egito que deverá atender toda região.

PCdoB decide apoiar Maia para presidência da Câmara


Um dos principais aliados da ex-presidente Dilma Rousseff durante o processo de impeachment no Congresso, o PCdoB decidiu apoiar oficialmente a candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara. A decisão foi tomada ontem, após uma reunião da bancada – formada por 12 deputados – e será comunicada hoje, ao PT e PDT pelo líder Daniel Almeida (BA).
Sem o apoio formal dos partidos de oposição, o PDT lançou nesta terça-feira a candidatura do deputado André Figueiredo (CE). Mesmo sem chance de vitória e com dificuldade de unificar o campo oposicionista, o PDT insiste na candidatura para marcar posição e reforçar a pré-candidatura de Ciro Gomes ao Palácio do Planalto em 2018.
Dividido, o PT ainda discute qual será sua posição oficial. Com 57 deputados e a segunda maior bancada na Casa, o partido tem direito a um lugar na Mesa Diretora.
Por Magno Martins

PSDB faz exigências para apoiar Eunício Oliveira

Gabriel Garcia

Na reestruturação de forças no Congresso, o PSDB enumera uma lista de condições para apoiar a candidatura para presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE):
1) Garantia da vice-presidência do Senado ao partido. Deve assumir o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), atual líder da bancada tucana.
2) Presidência da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), uma das mais importantes do Senado. Os principais projetos de interesse do país passam pela comissão. Tasso Jereissati (PSDB-CE) é o mais cotado para assumir o comando do colegiado.
3) Presidência da Comissão Mista de Orçamento (CMO). O senador Ataídes Oliveira (PSDB-MT) reivindica a presidência da comissão, que garante enorme visibilidade ao parlamentar.
Os tucanos não querem vender barato o apoio a Eunício Oliveira.

Quem ocupará o lugar de Michel?


Carlos Chagas
Vamos que, apenas por exercício especulativo, o Tribunal Superior Eleitoral decida mesmo considerar nulo o resultado do segundo turno das eleições presidenciais de 2014. O mandato de Dilma já foi cassado, restaria o de Michel Temer. Ainda outro dia ele se declarou pronto para acatar a decisão. Pela Constituição, o TSE convocaria novas eleições, desde o primeiro dia deste ano realizadas pelo Congresso. Uma segunda hipótese seria considerar eleito o segundo colocado naquele ano: Aécio Neves.
Havendo nova eleição, dificilmente o Congresso deixaria de indicar o novo presidente. É provável que seja Rodrigo Maia, se conseguir eleger-se para a presidência da Câmara. O diabo é se ele fizer parte da lista da Odbrecht. Ou qualquer outro deputado ou senador. Nessa hipótese, se não for obrigatória a eleição de um parlamentar, Fernando Henrique Cardoso e Nelson Jobim serão candidatos. Se for, haverá que buscar um deputado ou um senador de ficha limpa. Claro que será encontrado alguém.
Mas quem? O PMDB é o maior partido nacional, capaz de selecionar um de seus líderes. Não vai ser fácil, porém, porque todo o seu selecionado joga no time da Odbrecht. Senão, na Camargo Corrêa ou outra empreiteira qualquer. O perigo é que no PSDB, os riscos são os mesmos. Aécio Neves, Geraldo Alckmin, José Serra? Muito possível que também façam parte das listas. Haverá que buscar um tucano sem mácula, mas onde?
O nó vai sendo dado, sem que ninguém se arrisque a sugerir um hipotético candidato a governar durante 2017 e 2018. Por conta disso há quem pretenda deixar as coisas como estão, permanecendo Michel Temer até o final do mandato.

Posse de vereadores presos é espelho do país


Josias de Souza
Costuma-se dizer que há muitos corruptos em Brasília. Mas as pessoas esquecem que eles são enviados pelos eleitores dos seus Estados. Já chegam à Capital prontos. O que aconteceu nesta quarta-feira em Foz do Iguaçu, no Paraná, ajuda a entender o que se passa em Brasília e no Brasil.
Cinco vereadores reeleitos em outubro do ano passado e presos desde dezembro por suspeita de corrupção tomaram posse na Câmara municipal. Chegaram escoltados pela política, prestaram juramento e, depois de empossados, voltaram para a cadeia. Tudo isso sob vaias de manifestantes, pedidos de renúncia dos vereadores-presidiários e gritos de “vergonha”.
Você pode pensar: bom, isso aconteceu no Paraná, na fronteira com o Paraguai. Está muito distante de mim. Engano. Isso acontece no país inteiro. A política apodreceu. E você, que é eleitor, não pode nem se eximir de culpa. Depois de examinar o comportamento dos políticos, que, em tese, deveriam representar o que há de melhor na sociedade é inevitável concluir que o brasileiro parou de evoluir.
Não é à toa que falamos tanto sobre ladrões, assaltastes e facções criminosas. Sem esses personagens, o Brasil de hoje perderia o que tem de mais vital. O país ficaria sem enredo. Nesse contexto apodrecido, ou você reage ou não deve perguntar o que seu país pode fazer por você. Pague o IPTU e o IPVA, que vencem agora, no início do ano, pague todos outros tributos e vê se não chateia.

Câmara: Fundo Partidário e amigos pagam campanha


O Estado de S.Paulo - Igor Gadelha
Os principais candidatos a presidente da Câmara estão viajando aos Estados para pedir votos em jatinhos particulares emprestados por amigos ou pagos com recursos do Fundo Partidário, que é abastecido com dinheiro público. Eles não revelam, porém, os custos dessas viagens, que devem se intensificar nas próximas duas semanas, que antecedem a eleição na Casa, marcada para 2 de fevereiro.
Sem poder usar o avião da Força Aérea Brasileira (FAB) a que tem direito como presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), candidato à reeleição, já viajou a nove Estados e pretende visitar outros quatro até o fim desta semana em jatinho alugado por seu partido. Segundo o presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), os recursos para pagar a aeronave vêm do Fundo Partidário. “Fiz a devida consulta ao departamento jurídico e disseram que não havia problema”, disse Agripino ao Estado.
A Lei dos Partidos Políticos prevê que os recursos do fundo devem ser usados para bancar campanhas para eleições em que há voto popular. Não especifica, porém, nenhuma proibição nem permissão ao uso para campanhas do Legislativo. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou não ter jurisprudência sobre o tema.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Mendonção faria hoje 81 anos


Se vivo fosse, o ex-deputado federal José Mendonça Bezerra (DEM), a “Baraúna do Agreste” no batismo político, faria, hoje, 81 anos. Mas Deus se encarregou de encurtar sua missão na terra e o chamou em 24 de abril de 2011, aos 75 anos. Foi de repente, mais que de repente, como diria o poeta. Quinze dias antes, no restaurante Bargaço, em Boa Viagem, tive o privilégio de beber da sua sabedoria num papo molhado com vinho francês branco, uma das bebidas da sua preferência para embalar e emocionar o papo.
Mendonção foi um dos políticos mais sagazes que conheci. Não era de exposição midiática. Os bastidores eram o seu mundo. Articulador nato, levou Jarbas Vasconcelos, um dos então mitos da esquerda pernambucana, a fazer a travessia para o campo da direita e nesta aliança conquistar o Governo do Estado, derrotando o ex-governador Miguel Arraes por uma frente superior a 1 milhão de votos. Foi de Arraes a célebre frase de que Jarbas havia entrado no caminho da perdição.
O velho mito se referia à aliança de Jarbas com Marco Maciel, Roberto Magalhães, Joaquim Francisco e Gustavo Krause, costurada, pacientemente, por Mendonção. A marca Grupo Mendonça nasceu no Estado quando o velho cacique fez do seu filho, o hoje ministro da Educação, Mendonça Filho, seu sucessor, elegendo, também, o genro Augusto Coutinho, primeiro deputado estadual, depois federal, além do prefeito de Belo Jardim, sua terra natal, João Mendonça.
Embora polêmico, criticado também pela sua faceta truculenta, porque jogava duro com inimigos e adversários, Mendonção era um político extremamente carismático, bem relacionado, audacioso e amigo dos amigos. Quando dócil, era um grande sedutor, tão sedutor que conquistou o duro coração de Jarbas, visto por muitos como carrancudo e de poucas palavras no trato.
Fora da política, o velho era um "Bon vivant", gostava de receber amigos na sua fazenda, em Belo Jardim, ou na sua casa de praia, no litoral sul pernambucano. De gosto refinado, não podia ver aberta uma porta de avião que o levasse para cruzeiros pelo mundo afora. O que mais atraia nele, entretanto, era a aguçada memória e o seu talento para contar causos do folclore político.
Mendonção, por fim, tinha mais virtudes do que defeitos. Entre as virtudes, a de ser um político de lado, que nunca mudou de partido e nunca deixou de assumir sua postura conservadora de direita. Morreu sem realizar um velho sonho: de encerrar a sua carreira política como prefeito de sua terra, onde foi sepultado com honras de grande chefe de Estado.
Por Magno Martins

Ex-deputado do PMDB sobre crise: “A sombra de Ricardo só serve para ele”


O ex-deputado Vituriano de Abreu (PMDB) avaliou a crise interna do PMDB e fez críticas a uma possível composição com o governador Ricardo Coutinho (PSB). “Toda Paraíba sabe que a sombra do governador não serve pra ninguém , exceto ele mesmo”, frisou.
Em nota divulgada, Vituriano atacou também o senador Raimundo Lira, que lidera um grupo no partido que defende a união com o PSB.
“Esse senador já ascendeu à vida pública duas vezes nas costas dos outros( Humberto Lucena e Vitalzinho) , nas duas eu estava presente carreando-lhe votos”, avaliou.
Veja a nota:
Ao chegar hoje à minha residência, deparei-me com um telegrama , oriundo do presidente do partido na Paraíba , senador Maranhão , convocando-me para uma reunião na sede do referido partido , dia 20, sexta-feira .
Durante toda semana eu já vinha ouvindo, lendo e vendo diversas discussões sobre algumas discórdias entre os líderes .
Praticamente as justificativas são as mesmas do ano passado , na hora da definição onde se aproximavam as eleições municipais .
Para o grupo do senador maranhão melhor seria acompanhar Luciano Cartaxo , para o outro grupo devia ser melhor acompanhar o governador por conta da maquina estadias que era mais forte . 
A princípio tudo isto era e é normal numa política . 
Contudo , nunca se buscou perguntar aos eleitores se eles gostam disto . Até porque quase ninguém explica corretamente as intensôes verdadeiras .
Exemplificando esta situação : 
O grupo ” Lira ” foge da liderança de Cassio e espera tangência do governador para o seu surgimento novamente na política . Aliais ,esse senador já ascendeu à vida pública duas vezes nas costas dos outros( Humberto Lucena e Vitalzinho) , nas duas eu estava presente carreando-lhe votos. 
Outra coisa ; em nada adiantou seu grupo , que se repete agora , esperar pela influência de Ricardo , porque perderam justamente nas cidades que temiam . Não acho que houve melhora ! 
Toda Paraíba sabe que a sombra do governador não serve pra ninguém , exceto ele mesmo . 
Será tem algum gozo se ter alguns minutos de glória e depois desgostos ?
Ainda vejo mais solidez para o futuro do partido , ao qual faço parte como membro da executiva , apostarmos no fado e experiência do senador Maranhão.
Dentre tantos motivos, há um muito importante: 
A inclusão ao grupo do grupo de Luciano, de Romulo Gouveia, de Cassio e, principalmente: do governo federal.
Os que enxergam uma luz para o partido progridir com Ricardo, não é a minha visão.
Posso até estar errado, porém vou acreditar na minha intuição.
MaisPB

Padaria Comunitária volta a funcionar em São José do Egito

PadariaComunitaria-SJEA secretaria de ação social reabriu a padaria comunitária na capital dos poetas na tarde dessa Segunda Feira (16), os serviços estavam paralisados no local a pelo menos 3 anos.
Durante esse mês de Janeiro, 50 famílias serão atendidas com recebimento de sopa e pão, pelo menos três dias por semana.
Além da secretária de Ação Social Izabelle Valadares, que acompanhou de perto a entrega, o prefeito Evandro Valadares chegou de surpresa para avaliar a qualidade dos alimentos oferecidos ao povo.

“Muito boa a sopa e o pão também, nota 10.” Contou Dona Maria do Carmo.

Veneziano comenta coerência do grupo majoritário do PMDB que não quer aproximação com PSDB e PSD


PB Agora

Em entrevista a mídia paraibana na manhã de ontem (17) o Deputado Federal Veneziano Vital do Rêgo (PMDB) comentou que o grupo majoritário dentro do PMDB que apoia o Governador Ricardo Coutinho (PSB) mantém sua coerência em apoiar o socialista, pois esse apoio vem de 2014 quando o PMDB decidiu por defender o projeto do PSB ao Governo do Estado.
O peemedebista atribuiu que o Governador também mantém sua coerência, pois em 2014 no segundo turno apoio também a chapa Dilma/Temer e que nos anos de 2015 e 2016 sempre manteve um diálogo respeitoso com o Governo Federal. E desde que Temer assumiu, ele (Ricardo) manteve relações constitucionais que são necessárias para o Estado. “E essa relação tem sido construída, tanto é que a pouco mais de dois meses o presidente Temer recebeu o Governador Ricardo na sua residência oficial ao lado do Senador Raimundo Lira para tratar de questões que aludem o Estado da Paraíba. E é desta forma que ele está mantendo as relações constitucionais”, afirmou Veneziano. Ainda sobre coerência, Vené lembrou que na Paraíba em 2014, no segundo turno o PMDB decidiu por apoiar o projeto do PSB. “Então nós não estamos absolutamente fora daquilo que foi decidido. Se há de identificar alguém que tenha mudado de posicionamento não fomos nós. Então na próxima sexta-feira diante da reunião da executiva irei defender é o direito democrático da maioria”, disse Veneziano.
O deputado peemedebista comemorou a convocação de uma reunião da Executiva Estadual do PMDB para o próximo dia 20, em João Pessoa, para discutir a unidade do partido no estado. O peemedebista atribuiu à decisão do senador e presidente estadual do partido, José Maranhão, como resultado da reunião realizada entre ele, os deputados Hugo Motta e André Amaral (federal) e Nabor Wanderley (estadual), além do senador Raimundo Lira.

“Tanto surtiu efeito que a Executiva marcou a reunião. Acho que foi importante a Executiva entender essa necessidade e, no dia 20, a gente senta e debate todos esses pontos que são nossa preocupação”, frisou. O deputado avaliou todo o PMDB tem o direito de dizer o pensa para o partido identificamos que todos são importantes. “Falta diálogo e socializar este diálogo é fundamental”.

Na avaliação do parlamentar, “o encontro na casa de Lira define um novo momento para o PMDB”. “O senador Lira nos recebeu no sentido de acolher as preocupações de todos nós. Queremos reunir todo o partido em torno de uma tarefa árdua de recompor a legenda. Estamos sintonizados com esse mesmo sentimento”, disse. Entre as críticas, a de que o partido descreveu de forma preocupante e precisa, desse modo, retomar suas diretrizes.

Alckmin fortalece nome de Cássio para vice-presidência no Senado


Senador Cássio Cunha Lima (foto: Bruno Lira)
O senador Cássio Cunha Lima (PSDB) se reuniu na noite dessa terça-feira (17) com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), para agradecer pelo empréstimo das bombas, que irão adiantar a chegada das águas do São Francisco na Paraíba, e conversar sobre a eleição da nova Mesa Diretora do Senado Federal.
Em contato com o Portal MaisPB, na manhã desta quarta-feira (18), Cássio afirmou que apresentou o interesse em disputar a vice-presidência da Casa e teve a concordância de Alckmin para entrar na disputa representando o PSDB.
Durante o encontro, o senador paraibano e o governador de São Paulo também fizeram uma avaliação da conjuntura nacional.
Wallison Bezerra – MaisPB

Estados não resolvem sozinhos 'emergência nacional', diz Jungmann

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, falou com exclusividade ao Blog.

Assista no vídeo abaixo o que o ministro afirmou sobre a crise nos presídios:


Leia abaixo a transcrição da entrevista do ministro Raul Jungmann ao Blog:

Blog do Camarotti: Ministro, qual foi o objetivo dessa decisão de colocar as Forças Armadas para essa vistoria, varredura dentro dos presídios?
Raul Jungmann: Bom, a ideia aqui é apoiar os governos estaduais e, ao mesmo tempo, contribuir para frear essa aspiral de violência que está ocorrendo dentro do sistema prisional do país. Nós estamos, além das Forças Armadas, que vão realizar a vistoria, a varredura e retirar as armas e explosivos e retirar tudo aquilo que tem contribuído para esta carnificina dentro do sistema prosional, o governo federal, através de determinação do presidente Temer, está oferecendo recursos para compra para todo sistema prisional de bloqueadores de celular, de raio x e de scanners. Então, feita a limpeza dos presídios e penitenciárias, retirando todos esses objetos que contribuem para esta situação e também tirando os celulares, que é um meio de comunicação que existe atualmente do crime no interior dos presídios com as gangues lá fora e, colocando essa ferramentas à disposição dos governos, nós estaremos dando uma contribuição que nós repitamos importante para reduzir não apenas essa violência no interior do sistema, mas também para cortar essa relação dos chefes que estão presostêm  com suas quadrilhas que estão fora das prisões e penitenciárias. Essa é a razão dessa determinação do presidente Temer e que as Forças Armadas vão cumprir, como sempre, com a competência, logística e planejamento que elas desenvolveram ao longo do tempo.


Blog: No momento da varredura das Forças Armadas nos presídios, caso haja uma rebelião, como se evitaria um novo Carandiru?
Jungmann: Em primeiro lugar, quem vai lidar com os presos serão as polícias militares, os agentes penitenciários e, em alguns casos, a Força Nacional. O que as Forças Armadas vão cuidar é de fazer uma limpeza completa nas instalações, deixando elas limpas e, daí em diante, a responsabilidade para que elas assim permaneçam vai ficar na mão dos governos estaduais e dos sistemas prisionais dos estados e para isso estamos colocando um conjunto de ferramentas: o scanner, o raio x, o bloqueador para que de fato não voltem a entrar esses instrumentos ou substância que contribuem para a insegurança e o descontrole dos presídios brasileiros.


Blog: Risco de confronto não haveria?
Jungmann: Eu diria que todo planejamento será feito e será bem feito para evitar isso. Além do mais, quando um governador solicitar ao presidente da República que as Forças Armadas façam essa limpeza nas penitenciárias, o instrumento legal será o GLO. Ou seja, um decreto de Garantia da Lei e da Ordem. Nesse decreto, que observa o mandamento constitucional, o controle do planejamento e a execução ficam nas mãos das Forças Armadas, que contarão com o apoio e o suporte das polícias Civil e Militar, do sistema penitenciário e seus agentes, e também, quando necessário, da Força Nacional de Segurança. Isso significa que vai se reduzir ao mínimo a possibilidade de qualquer tipo de confronto.


Blog: Essa decisão do presidente Michel Temer de colocar as Forças Armadas é uma resposta, é um sinal de que essa é uma grave crise de segurança não só dos estados, mas do país como um todo?
Jungmann: Eu não diria que o país ou a nação está em crise mas, de fato, é uma emergência nacional que nós estamos vivendo e, em particular, dado que o crime se nacionalizou no Brasil, o PCC e Comando Vermelho estão em praticamente em todos os estados, e que eles também começam a disputar mercado na área internacional, é evidente que os governos estaduais sozinhos não poderiam resolver essa emergência. Daí, a decisão do presidente, que é uma decisão corajosa, de empregar a força do Estado, o prestígio, a capacidade que têm as Forças Armadas para darem apoio aos estados e também para cortar essa aspiral de violência e tragédias que tem ocorrido no interior do sistema.


Blog: Como foi recebida pelas Forças Armadas essa decisão do presidente Michel Temer?
Jungmann: As Forças Armadas já vêm, através de, por exemplo, decretos de Garantia da Lei e da Ordem, só citando os mais recentes, em Natal, nós entramos quando havia uma situação de rebelião e de ameaça à ordem pública. No caso também de São Luis, a mesma coisa: o desafio dos criminosos à ordem e à segurança e nós também fomos lá, no caso as Forças Armadas. Mais recentemente, em Pernambuco, onde uma greve das polícias colocava em risco a segurança, a propriedade e as pessoas. Em todos esses casos, as forças estavam contribuindo  para restaurar ou manter a segurança e a ordem pública, então, elas encaram isso como missão. E missão para as Forças Armadas aqui é sempre dito e sempre respondido o seguinte: missão dada, missão cumprida! E assim vai ser feito.

Temer recebe oito governadores nesta quarta para discutir crise nos presídios

O presidente Michel Temer, durante entrevista à agência Reuters nesta semana, no Palácio do Planalto (Foto: Adriano Machado/Reuters)O presidente Michel Temer, durante entrevista à agência Reuters nesta semana, no Palácio do Planalto (Foto: Adriano Machado/Reuters)
O presidente Michel Temer, durante entrevista à agência Reuters nesta semana, no Palácio do Planalto (Foto: Adriano Machado/Reuters)
Diante da crise nos presídios, o presidente Michel Temer receberá nesta quarta-feira (18) em Brasília oito governadores de estados das regiões Norte e Centro-Oeste para discutir o caos nas penitenciárias. Rebeliões e disputas entre facções ao longo das últimas semanas resultaram em massacres, com a morte de mais de 120 pessoas.
Segundo a Secretaria de Comunicação Social, Temer se reunirá no Palácio do Planalto com os governadores Tião Viana (AC), José Melo (AM), Pedro Taques (MT), Reinaldo Azambuja (MS), Simão Jatene (PA), Confúcio Moura (RO), Suely Campos (RR) e Marcelo Miranda (TO).
Esses estados estão entre os que pediram ajuda ao governo federal para restabelecer a ordem nas penitenciárias.
Há cerca de duas semanas, uma rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus (AM), resultou na morte de 56 presos e, há pouco mais de dez dias, outro motim, na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Roraima, deixou 31 mortos.
Além desses massacres, somente nesta semana, 26 presos morreram após uma rebelião na Penitenciária de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte; nove pessoas ficaram feridas durante motim no Presídio Antônio Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves (MG); e 28 detentos fugiram da Penitenciária Estadual de Piraquara I, em Curitiba (PR).
Em razão desse cenário de crise no sistema penitenciário do país, o porta-voz do governo federal, Alexandre Parola, anunciou nesta terça (17) que o presidente Michel Temer decidiu colocar as Forças Armadas à disposição dos governadores de todo o país para operações específicas em presídios 
O caos nas penitenciárias também levou a Procuradoria Geral da República (PGR) a abrir quatro processos para investigar os sistemas carcerários dos estados de Amazonas, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Rondônia. Dependendo da avaliação, o órgão informou que pode até pedir intervenção federal ao STF.

Plano Nacional de Segurança

Há cerca de dez dias, o governo federal lançou o Plano Nacional de Segurança, com medidas para combater o crime no país.
Entre as ações, foram anunciadas a implementação de centros de inteligência integrados das polícias nas capitais; a criação de forças-tarefa no Ministério Público para investigações de homicídios; e o fortalecimento do combate ao tráfico de armas e drogas nas fronteiras.
Inicialmente, estava previsto para esta quarta um evento no Palácio do Planalto no qual o presidente Michel Temer e governadores de todo o país assinariam o plano de segurança. Nesta terça, porém, o Ministério da Justiça cancelou o ato e informou que a decisão havia sido tomada "a pedido de vários governadores".
Segundo apurou o G1, contudo, o ministério distribuiu convites para o evento mesmo sem a confirmação oficial da Presidência de que o ato iria acontecer.
Algumas horas antes de o Ministério da Justiça cancelar a cerimônia, o titular da pasta, Alexandre de Moraes, havia recebido no gabinete dele secretários de Segurança Pública para discutir pontos do plano que dependem de implementação em conjunto com os governos estaduais 

PMDB aumenta sua força no governo Paulo Câmara

Se dúvida ainda havia em relação a este assunto, ela dissipou-se na semana passada depois que o deputado Jarbas Vasconcelos admitiu publicamente que deseja ser candidato a senador em 2018 na chapa a ser encabeçada pelo governador Paulo Câmara: o PMDB passou a ser o principal parceiro do Governo do Estado, deixando em plano secundário o próprio PSB e descartando uma nova aliança com o PSDB e o DEM, aliás já rechaçada por antecipação pelos ministros Bruno Araújo e Mendonça Filho. Hoje, o principal conselheiro do governador é Jarbas Vasconcelos, que emplacou o presidente regional do PMDB, Raul Henry, inicialmente como vice e, agora, como secretário de Desenvolvimento Econômico. E, de quebra, o peemedebista histórico Bruno Lisboa na Secretaria de Habitação. Tudo isso leva a crer que o partido ficará mesmo com duas vagas na chapa majoritária de 2018, contrariando uma parte da cúpula do PSB. Fogo Cruzado