terça-feira, 19 de junho de 2018

Marília anuncia Silvio como pré-candidato ao Senado


Blog da Folha
Um dos maiores defensores da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) durante o processo de impeachment, o deputado federal Silvio Costa (Avante) fechou uma aliança com a vereadora do Recife e pré-candidata ao Governo do Estado Marília Arraes (PT) e será pré-candidato a senador em sua chapa. O anúncio ocorre na manhã de hoje, em coletiva de imprensa, no Recife Praia Hotel.
Para os apoiadores da pré-candidatura de Marília, essa aliança minimiza as críticas com relação ao isolamento da vereadora dentro do partido - isso porque, para os que defendem uma aliança com o PSB, o PT não pode ficar no isolamento e a união com os socialistas significa ter mais chances na disputa eleitoral de outubro deste ano. E o anúncio do apoio de Silvio Costa dá certa robustez para a pré-candidatura dela. 
Até então sem palanque, o deputado federal e pré-candidato ao Senado, que articula apoios pelo Interior, havia afirmado que está construindo a sua candidatura e que não descartaria a possibilidade de lançar-se de forma avulsa à Casa Alta. “Existe a possibilidade real de ser candidato sem coligação ou com partidos pequenos, sem candidato a governador”, declarou Costa. A aliança com Marília, por outro lado, pode ser a maneira encontrada para viabilizar essa chapa.
Apesar das articulações, ainda não é certo que Marília Arraes vai se candidatar ao Governo do Estado, pois o seu futuro depende do diretório nacional da sigla, que baterá o martelo no mês de julho. A união com o deputado federal traz o Avante para a chapa, o que dá uma certa força para a petista pleitear a chance de se candidatar ao Palácio do Campo das Princesas com a nacional. Enquanto isso, a vereadora se articula e aguarda uma posição do partido, que ainda negocia com o PSB. 
Ir para o palanque de Marília Arraes distancia cada vez mais o deputado federal Silvio Costa do senador Armando Monteiro Neto (PTB), com quem manteve uma relação muito próxima de aliado. “Minha relação pessoal com Armando é inabalável. Mas podemos estar em campos políticos diferentes”, ponderou nesta segunda. 
O petebista é pré-candidato a governador na chapa das oposições, que virá com o nome do deputado federal Mendonça Filho (DEM) para o Senado em uma das vagas. A outra estaria sendo cotada para ter o deputado estadual André Ferreira (PSC) ou o deputado federal Daniel Coelho (PPS), como tem sido ventilado nessa semana. A vice, por sua vez, deve ficar com o PSDB.

Diretor da Maranata reúne Armando e Mendonça em festa


Foi bastante prestigiada a festa em comemoração aos 35 anos de André Carvalho, diretor da rádio Maranata FM, emissora líder em audiência entre os evangélicos pernambucanos. O evento realizado ontem, no restaurante Sal & Brasa, no Recife, reuniu várias autoridades politicas, como o senador e pré-candidato a governador Armando Monteiro, o deputado federal e pré-candidato a senador Mendonça Filho, o ex-deputado Salatiel Carvalho, os prefeitos Anderson Ferreira (Jaboatão dos Guararapes), Rildo Reis (Amaraji), Célia Sales (Ipojuca) e seu esposo Romero Sales, o deputado federal Daniel Coelho, o deputado estadual Joel da Harpa, o ex-prefeito Elias Gomes, além de vereadores de vários municípios e líderes religiosos.
Durante a festa o pré-candidato a governador Armando Monteiro destacou a importância da eleição de André para a renovação política no país. “É fundamental que jovens lideranças, como André Carvalho, possam se engajar na vida pública, imbuídos de espírito público e compromisso, para que a gente possa regenerar a política brasileira e fazer a boa política”, disse Armando.
Filho do ex-deputado federal Salatiel Carvalho, André busca reconquistar a cadeira que já foi ocupada por seu pai na Câmara Federal. Para isto, tem arregimentado apoios importantes, principalmente de líderes religiosos que acreditam que a sua eleição é importante para defender as pautas cristãs no Congresso Nacional. Por Magno Martins

Foi uma atitude elegante da parte de Jarbas, diz Humberto

Por Douglas Fernandes 
Em meio à indefinição que ronda as conversas entre PT e PSB sobre uma aliança, o senador Humberto Costa (PT) disse ao Blog de Jamildo que a declaração do deputado federal Jarbas Vasconcelos (MDB) de que não teria “nenhuma dificuldade” para o petista foi “uma atitude elegante” por parte do antigo adversário. Apesar do afago ao possível companheiro de chapa para o Senado no palanque do governador Paulo Câmara (PSB), o senador evitou falar que faria o mesmo pelo emedebista porque não discutira em cima de “hipótese”.
“Eu acho que foi uma atitude educada, elegante da parte dele, mas eu não tenho como fazer essa discussão, esse debate porque o PT não tomou posição de fazer aliança pelo menos por enquanto. Isso seria discutir uma hipótese. Eu realmente não quero discutir hipótese”, disse o senador, que defende uma aliança com o PSB. 

O parlamentar ressaltou que “até o presente momento a posição que tem sido levada pelo partido é a de ter candidatura própria”, mas que as conversas com os socialistas têm avançado. Na sigla, a vereadora Marília Arraes trabalha intensamente a sua pré-candidatura ao Palácio das Princesas e, inclusive, já escolheu o coordenador da equipe que produzirá seu programa de governo. É o advogado Cláudio Ferreira, que foi secretário de Assuntos Jurídicos da Prefeitura do Recife na gestão do ex-prefeito João da Costa (PT), que defende o retorno do PT à Frente Popular.
“Nesse momento há um debate diretamente conduzido pela direção nacional sobre a possibilidade de uma aliança com o PSB. Mas não há nada de concreto em relação a isso. Então seria de certa forma temerário da minha parte opinar sobre formação de chapa, composição de aliança”, disse Humberto.

O parlamentar garantiria a segunda vaga ao Senado caso petistas e socialistas fechem um acordo. Já Jarbas tem sua candidatura à Casa Alta como prioritária no Palácio. “Se houver a aliança, se esse tema for colocado, aí eu emito uma opinião. Mas agora não é politicamente bom me posicionar sobre essa questão”, afirmou.
Apesar de afirmar que não tem acompanhado de perto as conversas entre a direção nacional do PT e do PSB, o parlamentar discorda da avaliação do ex-prefeito de Belo Horizonte Márcio Lacerda (PSB), considerado uma peças chaves para um aliança ou não com os petistas, de que os socialistas estariam mais próximos de uma aliança com o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT).
“Eu acredito que ele (Márcio Lacerda) não está certo porque as conversas do PT com o PSB têm avançado. Mas vamos aguardar aí eu acho que em breve vamos ter uma solução definitiva para essa questão”, afirmou.
Questionado ainda sobre sua relação com Jarbas, Humberto disse que qualquer declaração poderia gerar uma discussão indesejada. “Qualquer coisa que eu disser vai abrir uma discussão que não interessa para ninguém”, afirmou.

Senador Raimundo Lira desiste da reeleição

Por meio de uma carta divulgada aos paraibanos, ele alega que a morte do deputado federal Rômulo Gouveia, que pertencia ao seu partido, o levou a tomar essa decisão. Lira é um grande amigo dos senadores pernambucanos Armando Monteiro (PTB), Humberto Costa (PT) e Fernando Bezerra (MDB).
“Informo às paraibanas e paraibanos que, de forma definitiva, estou abrindo mão da minha atual condição de pré-candidato ao Senado Federal”, diz a carta do senador.
Confira a íntegra da carta:
Aos paraibanos e paraibanas
O prematuro e surpreendente falecimento do meu querido amigo, o Deputado Rômulo Gouveia, cuja vida foi inteiramente dedicada à atividade política, sempre servindo às pessoas, a Campina Grande e ao nosso Estado, me fez parar neste momento de dor e sofrimento, e entender que deveria fazer uma reflexão.
Uma profunda reflexão a respeito dos constantes e continuados apelos da minha família, sempre no sentido de abandonar a atividade política, atualmente objeto de grande desgaste junto à opinião pública na Paraíba e igualmente no Brasil. Pesou, sobretudo, a vontade contida da minha querida companheira e esposa Gitana.
Agradeço, com o mais sincero sentimento do meu coração, à minha Mulher, Filhos e Familiares, a todas as Paraibanas e aos Paraibanos que manifestaram apoio ao meu trabalho como Congressista, a todos os Agentes Políticos, especialmente aos mais de cem Prefeitos e Prefeitas que me prestaram apoio, aos meus amigos Deputados, que comigo conviveram e desbravaram os caminhos árduos da labuta política, à Imprensa Paraibana, predominante profissional e honesta, e, por fim, aos meus colaboradores e assessores, dedicados, esforçados e corretos.
Brasília, 18 de junho de 2018.

Gleisi tem alguma chance de escapar hoje no STF


Dentro do Supremo, as chances de a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, ser absolvida hoje no STF são consideradas maiores do que as do deputado Nelson Meurer, condenado mês passado.
No caso de Gleisi, existe a avaliação de ministros de que as provas contra ela se resumem a acusação de delator, enquanto que contra Meurer eram várias outras evidências
Gleisi é acusada de receber caixa dois para campanha e o caso, dizem, deveria migrar para o TSE.(Coluna do Estadão -Andreza Matais)

Roberto Freire vice de Marina?


Coluna do Estadão - Andreza Matais
Uma ala do PPS se animou com a ideia de Roberto Freire ser vice de Marina Silva. Só torcem o nariz para Bazileu Margarido, braço direito da presidenciável. O diálogo com ele é considerado difícil.
Enquanto isso, estava tudo caminhando bem, mas a última polêmica do presidenciável Ciro Gomes (PDT) fez com que caciques do DEM passassem o dia ontem reavaliando a ideia de apoiá-lo. A cúpula do partido já fala em abrir conversas com o candidato do Podemos, Alvaro Dias.
A avaliação de líderes do Centro é de que Alvaro Dias tem chance de crescer entre o eleitorado caso os cinco partidos do Centro se unam em torno dele. Isso porque as legendas aumentariam o tempo de exposição dele na TV.
Em entrevista, ontem, Ciro comparou o vereador de São Paulo Fernando Holiday (DEM) a um “capitãozinho do mato”. Apesar disso, o presidente do DEM, ACM Neto, não desmarcou jantar com Ciro hoje, em Brasília.

Governador Paulo Câmara faz aceno a Lula


Rosália Rangel - Trecho de reportagem publicada na edição desta terça-feira no DIARIO DE PERNAMBUCO
No primeiro dia do encontro de vereadores do PSB, ontem, em Gravatá, o governador Paulo Câmara (PSB)  aproveitou o momento para elogiar as gestões do ex-presidente Lula (PT) e, ao mesmo tempo, criticar a forma de governar do presidente Michel Temer (MDB). O socialista justificou as palavras favoráveis ao petista, destacando que sob o comando do ex-presidente, o Brasil cresceu e gerou emprego.
“Lula teve um olhar para todos as regiões, para os estados e foi um grande parceiro de Pernambuco”, destacou o governador.
Paulo Câmara, que articula uma aliança com o PT para eleições deste ano, citou como exemplo do trabalho realizado por Lula em prol do estado projetos de abastecimento de água, o desenvolvimento industrial e a interiorização das universidades.
“Então, temos que reconhecer e falar sempre disso. Temos que nos se inspirar em boas ações para construir um futuro melhor”, afirmou o socialista, em entrevista após discursar na abertura do evento, que será encerrado hoje.
Ele, no entanto, fez questão de ressaltar que quando falou para os vereadores também fez críticas ao que não está dando certo.
“Falei da forma de administrar do governo federal porque tem feito mal ao país, aos estados e aos municípios, que estão cada vez mais sufocados. A pauta que o governo federal insiste (para o Brasil) não é uma pauta do povo. A privatização do Rio São Francisco e da Chesf era uma agenda que eles estavam querendo colocar de todo jeito e o povo foi muito feliz, que  junto com seus parlamentares, evitou isso”, frisou o governador.
[...]

Ex-prefeitos declaram apoio a Armando e Mendonça


Os pré-candidatos a governador e senador pela Frente das Oposições, Armando Monteiro (PTB) e Mendonça Filho (DEM), respectivamente, receberam o apoio do ex-prefeito de Jaqueira, Amadeu Henrique (PSDB), e dos ex-prefeitos de Maraial, Armando Rodrigues (PSD) e José Ademir Rodrigues (PSB), e todo seu grupo político. O anúncio foi feito durante reunião com o petebista, no Recife, hoje.
O ex-prefeito Amadeu Henrique esteve acompanhado da ex-candidata a prefeita de Jaqueira em 2016, Ridete Pellegrino (PSD), o vereador Armando Barros (PSD) e os ex-vereadores José Antônio (PSD) e Adalto Júnior (PSD) que, na ocasião, também declararam apoio aos pré-candidatos a governador e senador. O grupo político garantiu que vai se engajar na campanha para eleger os candidatos.
Para Amadeu Henrique, Armando é a esperança para Jaqueira e toda a Mata Sul do estado. "O atual governo não tem dado o suporte necessário para as cidades da região, em especial Jaqueira. São muitas as obras que foram prometidas e não foram entregues, a exemplo da Barragem de Igarapeba. Entendemos que Armando é a solução para resgatar o desenvolvimento que Pernambuco tanto precisa, e em especial ao nosso município", justificou o ex-prefeito. "Vamos cair em campo, fazer o corpo a corpo com o povo e pedir votos para a nossa chapa", completou.
Armando Monteiro destacou a importância do apoio na região e disse que, caso eleito, a Zona da Mata será priorizada. "Recebo com satisfação o apoio do ex-prefeito Amadeu e sua esposa Ridete e seu grupo político, bem como dos ex-prefeitos Armando e José Ademir. Isso é uma demonstração clara de que há um forte sentimento de mudança na Zona da Mata, assim como em todo Pernambuco. Em nosso governo, vamos dar atenção especial à região e buscar alternativas para melhorar a vida da população", afirmou.Por Magno Martins

PT joga duro: fora Ciro, e Paulo só com apoio a Lula


O PT promete jogar duro para 1) impedir uma aliança entre o PSB e Ciro Gomes e 2) amarrar a sigla ao seu projeto. A ordem é não ceder a acertos só nos estados.
A joia da coroa dos pessebistas –o apoio do PT à reeleição do governador Paulo Câmara (PSB-PE)– só será entregue se a discussão envolver uma coligação em torno de Lula, hoje preso.
Numa tentativa de fazer o fundo eleitoral cobrir as despesas da campanha, o presidente do PSB, Carlos Siqueira, vai se reunir com dirigentes estaduais do partido para pedir que eles sómantenham na disputa os nomes considerados viáveis.99(Daniela Lima - Painel -FSP) Por Magno Martins

domingo, 17 de junho de 2018

Armando: vou restabelecer a autoridade de Pernambuco













Segundo o adversário de Paulo Câmara, o estado perdeu seu espaço, sua voz e sua força. O prefeito do município, Clebel de Souza (MDB), também fez duras críticas ao governo
Do Diario de Pernambuco
O senador Armando Monteiro Neto (PTB) prometeu, neste sábado (16), "reestabelecer a "autoridade em Pernambuco" caso vença as eleições para governador do estado. Ele fez o discurso ao encerrar uma série de compromissos no Sertão que durou três dias. Estava ao lado do pré-candidato a senador pela Frente das Oposições, Mendonça Filho (DEM). Ambos participaram de um ato considerado de peso no município de Salgueiro. 

Após intensa agenda de encontros em Petrolina com segmentos da sociedade, o evento na “Encruzilhada do Sertão” serviu para fazer uma avaliação da situação econômica e social de Pernambuco, ouvir lideranças da região e coletar sugestões e propostas para o futuro programa de governo. Na ocasião, Armando foi aclamado futuro governador por todas as forças políticas presentes.

“Esse é um momento de resgate de Pernambuco e a primeira coisa que eu vou fazer é restabelecer a autoridade em Pernambuco. Autoridade para que Pernambuco possa voltar a ter voz no cenário nacional. Precisamos que Pernambuco restabeleça seu espaço, sua voz e sua força”, informou Armando.

Mendonça Filho ressaltou que, nos três últimos dias pelo Sertão, em todos os encontros a palavra que mais ouviu foi decepção em relação à atual gestão. “A descrença com o governo é grande. É preciso falar e não deixar se enganar. Quem governa Pernambuco são os pernambucanos e temos que mostrar isso elegendo Armando Monteiro governador. Daqui até outubro é a luta que temos que travar”, conclamou.

Anfitrião do encontro, o prefeito Clebel Cordeiro (MDB) lembrou que foi uma das primeiras lideranças a apoiar o grupo liderado por Armando e que, por isso, vem sendo retaliado pelo atual governo do Estado. “O governador quando soube do meu apoio cortou tudo que o povo de Salgueiro tem direito. O que ele quer de nós? Qual a resposta que ele terá daqui? Tchau governador. Esse grupo tem compromisso com a minha cidade. Acabaram os quatro anos de atraso”, cravou. “Nós precisamos do grupo político liderado por Armando e Mendonça em Salgueiro. Salgueiro hoje  dá o pontapé inicial para buscarmos esta vitória no Sertão.”

Para o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), que acompanhou os pré-candidatos pelo Sertão, Pernambuco andou para trás nos últimos anos e Armando é o nome certo para assumir os destinos do Estado. “Não tem ninguém mais preparado para assumir esse nosso grande estado do que Armando Monteiro. Por isso, peço a vocês para sair daqui e trabalhar para eleger Armando e Mendonça. Vamos trabalhar, com a alavanca no canto, farol aceso e alto”, afirmou. O presidente do PS, Sileno Guedes, não deu retorno ao Diario até o encerramento deste plantão.
Com informações da assessoria

sexta-feira, 15 de junho de 2018

‘Quero ser candidato para ajudar o povo’, diz Datena

Por Victor Tavares 

Estadão Conteúdo – Depois do apresentador Luciano Huck e do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal. (STF) Joaquim Barbosa, um novo outsider poderá entrar na disputa nas eleições deste ano. Desta vez, é o apresentador José Luiz Datena, da rádio e TV Bandeirantes quem se apresenta.
Recém-filiado ao DEM, Datena reforçou seu desejo de concorrer a uma vaga no Senado, provavelmente na chapa do ex-prefeito João Doria (PSDB), pré-candidato ao Palácio dos Bandeirantes, mas disse que avalia também o lançamento de uma candidatura à Presidência, como revelou o site BR18, do Grupo Estado, dedicado a análises e notícias sobre as eleições e a política. A participação como vice na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB), pré-candidato à Presidência, é outra opção que está no radar do apresentador.
Em 2016, Datena chegou a pensar em disputar a Prefeitura de São Paulo. Agora, nestas eleições, cogitou se lançar ao Senado, voltou atrás, e nos últimos dias passou a pensar em participar da disputa, inclusive com voos mais altos.
Nesta quarta-feira, 13, Datena se encontrou em Brasília com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, pré-candidato do DEM à Presidência, para discutir a questão. Ambos afirmaram que a conversa se concentrou na candidatura de Datena ao Senado em São Paulo.
Nos bastidores, porém, o que se diz é que Maia ficou de avaliar melhor as alternativas e consultar os partidos aliados do chamado Centrão. Enquanto isso, Datena se comprometeu a conversar sobre o assunto com Johnny Saad, presidente do Grupo Bandeirantes de Comunicação. A ideia é os dois voltarem a falar para tomar uma decisão final nos próximos dez dias.
“Eu me proponho a ser candidato ao Senado. Agora, se pintar a possibilidade de ser candidato à Presidência da República, talvez eu tente ajudar o meu País. Quero ser candidato para ajudar o povo”, afirmou Datena. “É mais uma decisão do partido do que minha. Depende das articulações, dos resultados das pesquisas.”
Sua candidatura presidencial passou a ser ventilada diante da falta de um candidato com força para enfrentar Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT) nas eleições presidenciais. Como a candidatura de Alckmin ainda não decolou, cresceu a preocupação no Centrão com os rumos da campanha. 
A percepção é de que o empresário Josué Gomes, do PR – cuja candidatura também tem sido analisada pelo grupo, com possível apoio do DEM -, acabaria sendo “outro Flávio Rocha”, que também luta sem sucesso até agora para ganhar apoio do eleitorado à sua primeira candidatura à Presidência.
Por ser uma figura conhecida dos eleitores, alguns analistas acreditam que Datena possa alcançar de largada 7% ou 8% das intenções de voto e passar Alckmin, que aparece com 5% a 6%, nas pesquisas. “Quem sabe um outsider não possa fazer alguma coisa?”, pergunta Datena. “Só aparece outsider porque quem está aí não está satisfazendo.”
Passe
Segundo o cientista político Marco Antonio Teixeira, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o DEM está tentando apenas valorizar o passe do partido ao ventilar o nome de Datena para a corrida presidencial. “Um dos cálculos do DEM é permanecer no governo, apesar de se vender como alguém que está distante”, afirmou.
Datena, que já foi filiado ao PT entre 1992 e 2015, e ao Partido Republicano Progressista (PRP) de setembro de 2017 a março de 2018, antes de ingressar no DEM, disse que tem “uma vontade muito grande” de ajudar o País. Ideologicamente, o apresentador se considera “mais para o centro” e um defensor da liberdade e da democracia. “No Brasil, não há liberdade para nada”, disse.
Curiosamente, ao falar sobre o ditador Kim Jong-un, Datena defendeu a Coreia do Norte e afirmou que o país não teve outra opção a não ser se fechar para o mundo diante das agressões perpetradas pelo “imperialismo americano”. “Meu programa, que trata de segurança e criminalidade, é de direita. Eu, não”, declarou.
Ao mesmo tempo, ele criticou o comunismo e seus timoneiros, como Lênin, Stálin e Mao Tsé-Tung, que deixaram milhões de mortos na União Soviética, na China e em outros países. “O problema do Brasil não é de direita, de esquerda ou de centro, mas do sistema político”, avalia o apresentador.
Datena parece consciente de que o próximo presidente “vai ter uma bucha” para administrar. “Nem sei se ele vai conseguir terminar o mandato, porque terá que fazer muitas reformas impopulares.”
“A democracia não sobrevive sem consenso político, qualquer que seja o presidente eleito”. Para ele, porém, isso não parece ser o suficiente para afastá-lo da empreitada. “Eu já ganhei muito dinheiro, sou famoso, posso arriscar. Arrisquei a vida toda.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Se Marília for preterida ou atropelada, segue na oposição, prevê Armando


Por Amanda Miranda 

Pré-candidato ao governo contra Paulo Câmara (PSB), o senador Armando Monteiro Neto (PTB) quer, segundo informações de bastidores, evitar uma aliança entre os socialistas e o PT. Questionado sobre a possibilidade de a vereadora do Recife Marília Arraes ser limada pelos petistas para apoiar o governador, respondeu: “como respeito muito a vereadora e sei que ela é uma pessoa de convicções muito firmes, se ela vier a ser preterida ou atropelada por qualquer razão, tenho certeza que ela vai continuar coerentemente fazendo discurso de oposição”.
“A vereadora Marília tem meu respeito. Ela fez uma caminhada sempre acentuando e frisando que se situa na oposição em Pernambuco e tem discurso muito crítico em relação à administração em Pernambuco, mais ainda, ao sistema de forças ao qual o governador está vinculado”, disse ainda.

PT lançou no fim de semana passado uma resolução colocando como prioridade a formação de uma aliança nacional com o PSB e o PCdoB. Se o apoio for confirmado, a configuração deverá ser repetida nos palanques estaduais, o que poderia inviabilizar a candidatura de Marília Arraes ao governo. Hoje, o partido está dividido no Estado entre o grupo da vereadora, contrário ao apoio a Paulo Câmara, e os que defendem a aliança, como o senador Humberto Costa.
A análise no meio político é de que, com Marília candidata, os votos poderiam se dividir e forçar um segundo turno, que poderia beneficiar Armando.

Armando Monteiro está em Petrolina, no Sertão pernambucano, para as primeiras agendas de pré-campanha oficialmente como pré-candidato da frente de oposição intitulada Pernambuco Vai Mudar.
O petebista e o deputado federal Mendonça Filho (DEM), escolhido para uma das vagas ao Senado, abrem essa fase pelo reduto eleitoral do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB). O emedebista é uma das lideranças do grupo, que buscava viabilizar a candidatura ao governo e, por causa de um imbróglio judicial envolvendo o comando do seu partido, não conseguiu.

Armando e Mendonça ouvem demandas de produtores


No primeiro dia de visita ao Sertão pernambucano, os pré-candidatos a governador Armando Monteiro (PTB) e a senador Mendonça Filho (DEM) ouviram demandas de produtores e exportadores para ampliar a produção da fruticultura do Vale do São Francisco. A reunião ocorreu na Valexport e reuniu cerca de 50 empresários. Armando relevou a intenção de abrir um canal permanente de diálogo com o setor, de forma institucionalizada, para discutir os pleitos e projetos. A visita foi acompanhada pelo senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), o prefeito Miguel Coelho, o deputado federal Fernando Filho (DEM), entre outras lideranças da região.
“Me coloco à disposição do setor para o diálogo. Um verdadeiro governante tem que está conectado com todos os setores e com as demandas dos pernambucanos. Precisamos eleger as prioridades com clareza e trabalhar juntos. Pernambuco ficou andando de lado e só não parou por conta dos que continuaram produzindo. Mas está faltando governo. Está faltando governo na saúde, na infraestrutura, na segurança”, disse Armando Monteiro.
De acordo com o diretor da Valexport, Caio Coelho, os produtores reivindicam a manutenção de incentivos fiscais, entre eles o ICMS, como estratégia para preservar as exportações do setor. A entidade também pleiteia que o governo do Estado e a Prefeitura de Petrolina estabeleçam parceira para manutenção das estradas, como forma para melhorar o escoamento da produção. Os produtores também buscam redução das tarifas portuárias no Complexo de Suape, a aquisição de insumos para combater a mosca da fruta, entre outras ações.
Mendonça Filho afirmou que coloca sua disponibilidade como deputado federal e como pré-candidato a senador para continuar trabalhando pelo desenvolvimento do Vale do São Francisco. “Infelizmente, a gente não tem Estado para atender a saúde pública. A gente não tem a manutenção da nossa infraestrutura. Nossas estradas estão em calamidade e faltam recursos para manter nossas rodovias. E quanto a violência, um cidadão não pode ter tranquilidade dentro da sua própria casa por conta da insegurança”, colocou o democrata.
Para Jailson Lira, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, os produtores do Vale do São Francisco vivem desafios na atividade econômica sem apoio do governo do Estado. “Precisamos de apoio do Estado para chegar aos mercados internos e externos. Os incentivos que o governo dá está aquém das nossas necessidades. É preciso ter no Estado pessoas que se interessem e ajudem o setor. O Estado não tem nos olhado tão bem como deveria”, cobrou o dirigente. A Valexport é uma entidade que representa produtores e exportadores e gera cerca de 50 mil empregos no Vale do São Francisco. Somente na uva, ela é responsável por 99% da exportação da fruta no Brasil. Por Magno Martins

Lula confunde prisão com estúdio de campanha


Josias de Souza
Quando Lula era um mero investigado, o PT já dizia que ele seria candidato à Presidência. Depois de condenado, o partido reiterou a candidatura. Agora mesmo é que a coisa vai ou racha, diziam os petistas. Consumada a prisão, o PT acha que a postulação de Lula tem que ir em frente, mesmo rachada. O partido dá de ombros para o fato de que seu hipotético candidato virou um ficha-suja inelegível.
Em recursos apresentados no STJ e no STF, a defesa de Lula pede que ele seja posto em liberdade. Alega, entre outras razões, que Lula lidera as pesquisas e tem o direito de fazer campanha. Sustenta que seria “gravíssimo” cercear os direitos políticos de um corrupto condenado em segunda instância.
A satisfação dos desejos do PT depende da desmoralização da Justiça penal. Farejando o cheiro de queimado, o ministro Felix Fischer, do STJ, já rejeitou pedido de suspensão dos efeitos da condenação de Lula. Mas o partido pede à juíza Carolina Lebbos, de Curitiba, que autorize Lula a gravar vídeos de campanha na prisão. Se a moda pega, brotarão centenas de candidatos nas cadeias brasileiras. O PT tem todo direito de viver no mundo da Lua. O que não seria aceitável é que a Justiça aceitasse fazer o papel de boba.

PSDB quer lançar Datena ao Senado na próxima semana


Tucanos trabalham para convencer o apresentador José Luiz Datena (DEM-SP) a anunciar candidatura ao Senado na chapa de João Doria (PSDB) já na semana que vem. A vaga de vice-governador também está reservada para o Democratas.
O PSDB quer lançar Datena o quanto antes para minimizar as chances de reviravolta. O apresentador já acenou à política em outras ocasiões e, depois, mudou de ideia.
A executiva do PDT decidiu lançar a candidatura de Ciro Gomes no dia 20 julho, apresentando 12 macro propostas como coluna vertebral da campanha.
direção do PDT também decidiu que vai priorizar alianças com os partidos que se alinhem a esses compromissos. O gesto enfatiza aceno ao PSB e PC do B.  (Painel - FSP) Por Magno Martins

PT racha aliança com o PSB. Pernambuco, joia da coroa


Parte dos dirigentes acha que a legenda deve endurecer; outros querem selar já um acordo
Mônica Bergamo - Folha de S.Paulo
O PT está dividido sobre como negociar eventual aliança com o PSB. Uma parte dos dirigentes acha que a legenda deve endurecer para que os socialistas apoiem o candidato petista à Presidência em troca de uma aliança com eles em Pernambuco, estado que já governam e que é a joia da coroa do partido.  Outro grupo, capitaneado por lideranças como Fernando Pimentel, governador de Minas Gerais, e o senador Humberto Costa, do PT de Pernambuco, quer selar já uma aliança com trocas apenas regionais. Na principal delas, os socialistas apoiam a reeleição do petista em Minas Gerais e o PT apoia a campanha do atual governador, Paulo Câmara (PSB-PE), em Pernambuco
Um dos argumentos dos que querem endurecer é a força de Lula em Pernambuco, que tornaria o PSB dependente do apoio do PT no Estado: segundo pesquisa do Datamétrica divulgada nesta semana pelo Diário de Pernambuco, Lula mantém 59% das intenções de voto, contra 3% de Ciro Gomes —a outra opção dos socialistas para a campanha presidencial.
O PT oferece ainda um cardápio vasto ao PSB nas negociações: a cabeça de chapa em estados como Amapá, Amazonas, Paraíba e Espírito Santo, além de Pernambuco. E também o cargo de vice na campanha presidencial.  

Governador rebate ataque da oposição


Do Diario de Pernambuco – Rosália Rangel
O governador Paulo Câmara (PSB) rebateu ontem, pela primeira vez, as críticas da coligação Pernambuco vai Mudar, que tem o senador Amando Monteiro Neto (PTB) como pré-candidato ao governo do Estado, à sua administração. O governador afirmou que a oposição está fazendo ataques sem consistência porque, segundo ele, o que “falta do outro lado”, a gestão estadual tem, que são os serviços prestados a Pernambuco e experiência.
“Eles estão junto com o presidente Temer. Estamos convictos de que queremos outro caminho e que Pernambuco quer seguir outro caminho”, reagiu Câmara. Ele disse, ainda, que Pernambuco não concorda com a forma como Brasil vem sendo administrado por Temer nem com as alianças que a oposição, liderada por Armando e Mendonça Filho, está fazendo no Estado. “Eles entendem que o melhor para o Brasil é o governo Temer e nós entendemos o contrário”.
Questionado sobre aliança com o PT, o governador ponderou que não existe impasse entre os dois partidos, mas a certeza de que o Brasil do jeito que está sendo governado não interessa mais ao país.“A forma que ele (Temer) olha o Brasil, sem olhar que o povo precisa, que os programas sociais não podem acabar, que há desigualdade social, que há desequilíbrio regional, está muito claro e a população não quer mais isso”. 
O governador ponderou também que as conversas com o PT estão acontecendo, mas se não chegar a um entendimento com os petistas, a Frente Popular terá a oportunidade de apresentar as propostas e o trabalho feito por Pernambuco. Câmara falou sobre o assunto em Ouricuri, no Sertão, onde cumpriu agenda administrativa. Ele também passou pelos municípios de Araripina, Bodocó e Exu.

Mago: Marun prevê Temer perseguido e preso


Marun prevê que Temer será vitima de perseguição e teme hipótese de prisão
Josias de Souza
Instalado numa quina do quarto andar do Palácio do Planalto, o ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) tornou-se a face mais visível do primeiro escalão do governo. Onde houver uma encrenca, lá estará o rosto redondo do deputado sul-mato-grossense. Oficialmente, é coordenador político do governo. Na prática, atua como general sem farda da tropa do presidente.
Em entrevista ao blog, Marun manifestou em voz alta inquietações sobre o futuro penal de Michel Temer — tema que auxiliares e aliados do presidente costumam abordar apenas longe dos refletores, aos sussurros.
·Marun prevê que, a partir de 1º de janeiro, depois que deixar a poltrona de presidente da República, Temer será submetido a “uma grande perseguição”. O repórter indagou: Acha que Temer pode ser preso? E o ministro: “Hoje em dia qualquer um pode ser preso, principalmente no império das prisões preventivas. O meu receio é que o devido processo legal não seja observado.” Marun não é um neófito na matéria. Como deputado, foi general da tropa de Eduardo Cunha, que escorregou da presidência da Câmara para a cadeia, onde se encontra desde 2016.
Há no freezer duas denúncias criminais contra Temer. Correm no Supremo mais dois inquéritos por corrupção estrelados pelo presidente. Marun desqualifica as acusações. Parece mais preocupado com os tiros que magistrados de primeira instância e procuradores irão disparar quando tiverem acesso ao paiol. “Eu tenho esse receio porque nós temos no Brasil duas categorias profissionais, talvez as únicas, que não têm nenhuma responsabilidade sobre os seus atos: juiz e promotor.” O governo resistiria a uma terceira denúncia da Procuradoria? Se vier, será “soterrada” no Legislativo, disse Marun.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

NOVOS TEMPOS, NOVOS RUMOS CONSTRUINDO UM NOVO PERNAMBUCO!!!

Benone Leão pelo um novo Pernambuco!

Maia e ACM Neto divergem sobre apoio a Ciro


ACM Neto não teria nenhum problema em o DEM reforçar o palanque de Ciro Gomes, pelo menos não por questões ideológicas – de fato, em política esse elemento saiu de moda faz tempo.
Já Rodrigo Maia, segundo o Radar Online, vê enormes dificuldades na aliança. Ele teme que a composição com o PDT traga ônus ao partido entre seu eleitorado, historicamente conservador.
Por Magno Martins

Marília anuncia Silvio como pré-candidato ao Senado

Blog da Folha Um dos maiores defensores da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) durante o processo de impeachment, o deputado federal Sil...