terça-feira, 2 de setembro de 2014

Ibope na BA: Paulo Souto, do DEM, venceria no 1º turno


Paulo Souto (à esquerda) e Geddel Vieira Lima, ex-adversários, mas agora juntos na chapa que lidera pesquisas na Bahia
Paulo Souto (à esquerda) e Geddel Vieira Lima, ex-adversários, mas agora juntos na chapa que lidera pesquisas na Bahia (Reprodução/Facebook/VEJA)

Com 44% das intenções de voto, o candidato do DEM ao governo da Bahia, Paulo Souto, seria eleito no primeiro turno, segundo pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira. O levantamento apontou uma mudança na segunda posição: Rui Costa, do PT, agora aparece com 15%, à frente da candidata do PSB, Lídice da Mata, que marca 9%. Na pesquisa de 23 julho, o petista aparecia com 8%, e a socialista, com 11%. Brancos e nulos somam 16%, e indecisos,14%.
Encomendada pela TV Globo, a pesquisa foi feita entre os dias 23 e 25 de agosto, com 1.008 eleitores, em 59 municípios baianos. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Na Paraíba, Cássio tem 47% e Ricardo, 33%, diz Ibope


Pesquisa Ibope divulgada nesta segunda-feira (1º) aponta Cássio Cunha Lima (PSDB) com 47% das intenções de voto para o governo da Paraíba, seguido de Ricardo Coutinho (PSB), com 33%, Vital do Rêgo (PMDB), com 4%, e Major Fábio (PROS), com 1%. Esta é primeira pesquisa de intenção de voto feita pelo instituto sobre a eleição estadual após o registro das candidaturas.
A pesquisa foi contratada pelas TVs Cabo Branco e Paraíba.
Os candidatos Tárcio Teixeira (PSOL) e Antonio Radical (PSTU) não chegaram a 1% dos votos. Brancos e nulos somaram 8%, e 6% não responderam.
Veja os números do Ibope para a pesquisa estimulada (em que a relação dos candidatos é apresentada ao entrevistado):
 
Cássio Cunha Lima (PSDB) – 47% das intenções de voto
Ricardo Coutinho (PSB) – 33%
Vital do Rêgo (PMDB) – 4%
Major Fábio (PROS) – 1%
Tárcio Teixeira (PSOL) – não chegou a 1%
Antonio Radical (PSTU) – não chegou a 1%
Brancos e nulos – 8%
Não sabe ou não respondeu – 6%

Rejeição
O Ibope também pesquisou em quem os eleitores não votariam de jeito nenhum. Confira abaixo:
Ricardo Coutinho (PSB) – 33%
Cássio Cunha Lima (PSDB) – 23%
Vital do Rêgo (PMDB) – 22%
Major Fábio (PROS) – 21%
Tárcio Teixeira (PSOL) – 21%
Antonio Radical (PSTU) – 18%
Poderia votar em todos – 8%
Não sabe ou não respondeu – 11%

A pesquisa foi realizada entre os dias 28 e 31 de agosto. Foram entrevistados 812 eleitores em 43 municípios do estado. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levada em conta a margem de erro de 3 pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.
A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) sob o número 00022/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR- 00481/2014.

Candidato do PSOL apoia “constituinte” da reforma política


Zé Gomes - reprodução internet


O candidato do PSOL ao Governo do Estado, Zé Gomes (PSOL), posicionou-se nesta segunda-feira (1º) a favor da convocação de uma “Assembleia Constituinte” exclusiva para realizar a reforma política.
A coleta de assinaturas em defesa de um plebiscito para convocação da “Constituinte” teve início hoje (1º) e se prolongará até o próximo dia 7.
O propósito dos organizadores é coletar 10 milhões de assinaturas em todo o Brasil para enviar o projeto do Congresso como “iniciativa popular”.
“Temos que aproveitar o momento eleitoral para mobilizar a população para esta discussão. Nossa candidatura apoia integralmente este plebiscito e terá uma urna no comitê (Rua da Santa Cruz, 190, Boa Vista) para quem quiser depositar seu voto”, afirmou Zé Gomes.
Sobre os protestos populares de junho do ano passado, o candidato do PSOL afirmou que houve várias vitórias em decorrência daqueles movimentos.
Citou como exemplos a derrubada da PEC 37 e do projeto de “cura gay”, além da redução dos preços das passagens de ônibus em várias capitais.
“Temos em nossa chapa a participação de pessoas que foram muito ativas naquele momento, sobretudo na Frente de Luta pelo Transporte Público, da qual eu pude participar. Agora, a nossa candidatura coloca o desafio de ir além da indignação”, assinalou.
Segundo ele, seu eventual futuro governo fortaleceria a participação popular e o controle social.
“Teremos as conferências públicas acontecendo no calendário regular e conselhos estaduais elaborando políticas públicas e avaliando as posições do governo”, garantiu.

José Maranhão tem 30% e Wilson, 19% e Lucélio Cartaxo 14% na disputa pelo Senado

 O ex governador da Paraíba e candidato ao senado José Maranhão (PMDB), lidera a corrida pela única vaga disponível para o Senado no Senado da República. Ele disputa voto a voto a preferência do eleitorado paraibano com o ex deputado federal e ex senador Wilson Santiago (PTB). Lucélio Cartaxo do PT aparece em terceiro lugar mas se aproximando do petebista.


Maranhão integra a coligação encabeçada pelo senador e candidato ao governo Vital do Rêgo (PMDB), enquanto que Wilson Santiago integra a coligação encabeçada pelo senador Cássio candidato ao governo e que vem liderando todas as pesquisas.


A preferência dos paraibanos por José Maranhão é apontado na nova pesquisa Ibope divulgada nesta segunda-feira (1º). De acordo com a consulta, contratada pelas TVs Cabo Branco e Paraíba. José Maranhão (PMDB) tem 30% das intenções de voto para o Senado na Paraíba. Na sequência, Wilson Santiago (PTB) aparece com 19% das intenções de voto, e Lucélio Cartaxo (PT) , 14%. Esta é primeira pesquisa de intenção de voto feita pelo instituto sobre a eleição estadual após o registro das candidaturas.


O candidato Walter Brito (PTC) tem 2% e Professora Leila (PROS), 1%. Os demais candidatos não somaram 1% das intenções de votos. Brancos e nulos somaram 17%, e 16% não responderam.


Veja os números do Ibope para a pesquisa estimulada (em que a relação dos candidatos é apresentada ao entrevistado):

José Maranhão (PMDB) - 30%

Wilson Santiago (PTB) - 19%

Lucélio Cartaxo (PT) - 14%

Walter Brito (PTC) - 2%

Professora Leila (PROS) - 1%

Nelson Júnior (PSOL) - não chegou a 1%

Rama Dantas (PSTU) - não chegou a 1%

Brancos e nulos – 17%

Não sabe ou não respondeu – 16%

Rejeição


O Ibope também pesquisou em quem os eleitores não votariam de jeito nenhum.


Confira abaixo:

José Maranhão (PMDB) - 32%

Lucélio Cartaxo (PT) - 24%

Nelson Júnior (PSOL) - 22%

Rama Dantas (PSTU) - 22%

Walter Brito (PTC) - 21%

Wilson Santiago (PTB) - 18%

Professora Leila (PROS) - 17%

Poderia votar em todos – 11%

Não sabe ou não respondeu – 16%


A pesquisa foi realizada entre os dias 28 e 31 de agosto. Foram entrevistados 812 eleitores em 43 municípios do estado. A margem de erro é de 3 pontospercentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levada em conta a margem de erro de 3 pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) sob o número 00022/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR- 00481/2014.

Hora de “desconstruir” a imagem de MarinaHora de “desconstruir” a imagem de Marina

Por Inaldo Sampaio

 Mal as pesquisas apontaram o crescimento súbito de Marina Silva como candidata do PSB à Presidência da República, encarnando a tal “terceira via” com a qual sonhava Eduardo Campos, iniciou-se, paralelamente, uma violenta operação para tentar desconstruir a imagem dela. Só no último final de semana recordou-se que a ex-senadora é contra o aborto e o casamento gay, que defendia um projeto de Código Florestal que inviabilizaria o agronegócio, que votou contra a Lei de Responsabilidade Fiscal e se manifestou contra pesquisas em células-tronco, que se opôs à construção das hidrelétricas no rio Madeira que vão salvar o Brasil do racionamento, que indicou um dos herdeiros do Banco Itaú (Neca Setúbal) para coordenar o seu programa de governo e que promete governar com pessoas (os “bons”) em vez de partidos. Isso não é de todo negativo porque obriga a candidata a ser mais clara em relação ao que pensa sobre o país.

Com medo da derrota, PT altera sua campanha

O comando da campanha do PT concluiu que fracassou o núcleo do ex-ministro Franklin Martins para cuidar das chamadas “mídias sociais” e digitais. A avaliação foi feita após as pesquisas Ibope e Datafolha apontando para o risco real de derrota da presidenta Dilma em outubro. Por isso, o PT decidiu fazer mudanças no esquema, reforçando a equipe com novos profissionais e demitindo aqueles que falharam.

Ex-prefeito de Iguaracy rebate prefeito

Venho, respeitosamente, pedir ao amigo o direito de resposta às ofensas proferidas pelo prefeito da minha cidade (Iguaracy) dirigida a minha pessoa. O mesmo ao questionar uma nota postada no seu blog direcionou-se por duas vezes a mim.
Por esse motivo peço que poste alguns pontos que gostaria de esclarecer aos leitores que acessam o seu blog (que não são poucos):
1. Ao falar da forma de sucessão, o prefeito diz que estaria combinado a realização de uma pesquisa para decidirmos o candidato. Acontece que por várias vezes esclareci, inclusive nos meios de comunicação, que aceitaria a pesquisa com nossos adversários e não com pessoas do nosso grupo, seja esse quem fosse, por não achar justo ter o meu direito à reeleição caçado, como de fato foi;
2. Ao falar ainda sobre sucessão, o prefeito diz que eu me acovardei. Gostaria de esclarecer também que se houve um covarde nessa historia o povo de Iguaracy sabe que não fui eu, pois apoiei um candidato que tinha apenas 9% de intenção de voto no inicio do processo eleitoral e por pouco não conseguimos elegê-lo chegando a marcar de 43% dos votos validos.
Agora pergunto: quem foi o covarde que fez de tudo para não me enfrentar nas urnas? E continua fazendo!
3. O prefeito tenta explicar o inexplicável. Quando se refere a ele, diz que com a desistência do deputado Inocêncio Oliveira fez sua escolha às claras, porém todos nós sabemos que o referido deputado teria lançado o deputado Sebastião Oliveira (PR) para representá-lo na Região, que pertence ao partido que negou o meu direito à reeleição, abrindo mão de lançar um candidato próprio, para ajudar na eleição do atual prefeito.
Diz também que comunicou ao deputado Ricardo Costa a decisão de apoiar a um outro candidato (Romário Dias), mesmo tendo sido Ricardo Costa que o acolheu dando-lhe inclusive a legenda (do PTC) para que o prefeito pudesse concorrer no pleito de 2012.
Nota-se por tudo isso que a palavra “GRATIDÃO” não deve fazer parte do dicionário deste ilustre Senhor e que nesse mesmo dicionário a palavra “COMUNICAR” suprime o ato de covardia expresso na palavra “TRAIÇÃO”.
Mas uma vez eu pergunto: o fato de ter comunicado aos referidos deputados significa que os mesmos aprovaram sua conduta? Pelo menos não é isso que diz a assessoria do deputado Ricardo costa.
4. Por último, explico que o deputado Danilo Cabral está sendo apoiado por outras lideranças e Toinho Torres, pessoa que o deputado ajudou na eleição de 2012, que Aldo Santos seria apoiado por mim (Albérico Rocha) se tivesse saído candidato, o que não ocorreu.
Por este motivo, estamos apoiando, juntamente com Doutor Pedro e os vereadores Zeinha torres, Simão Rafael, Francisco de Sales e Fábio Torres o deputado Waldemar Borges para deputado estadual e com exceção do vereador Fábio Torres estamos apoiando para federal o deputado Fernando Filho.

Atenciosamnete,
Albérico Rocha
Ex-prefeito de Iguaracy

O que eles propõem

Sete candidatos que disputam a eleição presidencial participaram hoje do debate promovido por Folha, UOL, SBT e Jovem Pan: Dilma Rousseff (PT), que concorre à reeleição, Marina Silva (PSB), Aécio Neves (PSDB) Pastor Everaldo (PSC), Luciana Genro (PSOL), Eduardo Jorge (PV) e Levy Fidelix (PRTB).

O evento, mediado por Carlos Nascimento, jornalista do SBT, foi dividido em quatro blocos foi marcado, principalmente pela presença constante da presidente Dilma Rousseff e da candidata do PSB Marina Silva como alvos principais, com troca de ataques entre as duas no momento em que eram chamadas a se posicionar.

Aécio Neves enfurecido com fala de José Agripino



 
 Uma declaração do coordenador-geral da campanha do tucano Aécio Neves irritou a cúpula do PSDB e o próprio candidato. Na tarde desta segunda-feira (1º), Agripino Maia (DEM-RN) disse esperar que Aécio apoie Marina Silva (PSB) em um eventual segundo turno contra a presidente Dilma Rousseff (PT).
Em sua avaliação, considerada "desastrada" e "infeliz" por pessoas próximas a Aécio, Agripino disse que o objetivo maior da coligação do tucano é derrotar o PT.  "O PSB tem afinidades muito antigas conosco, desde o tempo do Eduardo Campos. O inimigo maior a ser batido é o PT. Tanto pode dar Aécio apoiando a Marina quanto o contrário", afirmou.
Agripino telefonou para Aécio tentando se justificar e dizer que foi mal interpretado. Aécio, em contrapartida, não escondeu sua contrariedade.  Após o debate promovido nesta segunda pela Folha, Uol, SBT e Joven Pan, questionado por jornalistas sobre o assunto, Aécio afirmou: "Isso não é verdade". "Eu pretendo estar no segundo turno e ganhar a eleição."

Agripino na roda
Diante da repercussão negativa de sua fala, o coordenador da campanha divulgou uma nota em que afirma que "todo o esforço que os partidos que apoiam a candidatura de Aécio se volta para levá-lo ao segundo turno e temos a convicção de que nele estaremos". "Alianças para o segundo turno serão discutidas quando o segundo turno vier", afirmou.
A fala de Agripino trouxe desconforto a Aécio, que já vem lidando com uma agenda negativa nos últimos dias, desde que apareceu em terceiro lugar nas pesquisas, quase 20 pontos percentuais atrás de Dilma e Marina, que estão empatadas.
No entorno do tucano, as críticas variaram de tom, mas não houve quem aprovasse a fala. A avaliação é que Agripino, ainda que bem intencionado, acabou agravando a sensação de que há uma crise na campanha e que Aécio já não tem mais chances de vencer a eleição.

Vários aliados já abandonaram o tucano Aécio Neves em vários Estados com a subida repentina de Marina Silva, a começar por Minas, onde 18 prefeitos do PR já pularam para o palanque de Dilma. O fenômeno se repete no Paraná, em Goiás e no Rio. Aécio virou pó antes do previsto.


Morre o poeta João Paraibano






 Por Nill Júnior

Morreu na madrugada de hoje, no Hospital Alpha, no Recife, o poeta João Pereira da Luz, o João Paraibano, um dos mais talentosos da atual safra de repentistas do Sertão do Pajeú. Ele estava internado há mais de 20 dias em função de um acidente em Afogados da Ingazeira, onde morava.
Na pancada, provocada por uma moto, teve um coágulo na cabeça e pegou uma infecção causada por uma bactéria. Paraibano de Princesa Isabel, mas radicado em Pernambuco, João tinha 62 anos.
O poeta foi atropelado na Rua Diomedes Gomes, em Afogados da Ingazeira. Segundo a polícia, a moto, conduzida pelo mototaxista Daniel Silva, atingiu o poeta quando atravessava a rua.

João Paraibano foi socorrido ao Hospital Regional Emília Câmara e no dia seguinte fez exames na Casa de Saúde Dr José Evóide de Moura. Os resultados apontaram a necessidade de transferência para Recife. João foi levado para o Hospital da Restauração para mais exames, onde foi identificado um coágulo.

A Bela do Dia

Paula Renata

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Presidente do PSB da Paraíba Edvaldo Rosas confirma agenda de Marina na Paraíba

 O presidente do PSB na Paraíba, Edvaldo Rosas, confirmou na manhã desta segunda-feira (1º) a realização de uma reunião da Coordenação de campanha de Marina na região Nordeste, a ser realizada em João Pessoa, bem como uma agenda da presidenciável junto com o governador Ricardo Coutinho em Campina Grande e na capital paraibana.

De acordo com Rosas, a reunião da Coordenação Nordeste será realizada ainda no decorrer desta semana, e a visita de Marina será agendada para a segunda semana de setembro, devendo coincidir com a agenda da campanha de Ricardo nas duas maiores cidades da Paraíba.

A última vez que esteve na Paraíba, no dia 09 de agosto último, Marina estava acompanhada de Eduardo Campos e conheceu o condomínio Cidade Madura, projeto pioneiro no Brasil, implantado por Ricardo Coutinho no conjunto cidade verde, em João Pessoa, abrigando 40 casas destinadas exclusivamente à idosos e que empolgou o então presidenciável Eduardo Campos, que planejava incluir a proposta em seu plano de governo.

Para Rosas, a vinda de Marina é esperada por todos os que fazem o PSB na Paraíba, devendo a candidata também gravar para o guia eleitoral e participar dos eventos de campanha de rua.

Única certeza da eleição é a derrota de Dilma, diz Aécio Neves


aecio com zico by orlando brito
Aécio Neves participou de um “peladão” no campo do Zico, com vários craques de futebol e celebridades da TV
Candidato do PSDB à presidência da República, o senador Aécio Neves afirmou no início da tarde deste domingo, 31, que já é certa a derrota de Dilma Rousseff (PT) na eleição. “O atual governo fracassou, essa é a questão central, e não vencerá as eleições o grupo que está hoje no poder”, cravou o tucano, que voltou a criticar o programa de governo da adversária Marina Silva, do PSB.
Segundo Aécio, que participou de jogo com artistas e políticos no centro de futebol do ex-jogador Zico na zona oeste carioca, o PSB traz em seu programa temas defendidos historicamente pelo PSDB, e já criticados num passado recente por Marina e pela presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT.
Depois de dizer que Dilma não vencerá, Aécio afirmou que das “duas alternativas competitivas que aí estão”, uma é a do PSDB (a outra, a do PSB). “Apresentamos uma alternativa absolutamente coerente com nosso passado, com aquilo que pensamos lá atrás, e com o que queremos fazer pelo Brasil. E a população brasileira terá a oportunidade de avaliar entre essas propostas, até porque não há nada mais velho na política do que o discurso adaptado às circunstâncias do momento”, disse, em referência às corriqueiras críticas que Marina Silva faz ao que tem chamado de “velha política”.
Aécio rebateu as críticas do candidato a vice de Marina, Beto Albuquerque. Nesse sábado, 30, à noite, em evento no Rio, Albuquerque afirmou que, para criticar o programa de Marina, Aécio deveria primeiro lançar o seu. “As diretrizes foram lançadas. Talvez o candidato Beto não esteja acompanhando de perto as discussões que fizemos ao longo dos últimos anos. Será lançado nos próximos dias, em data pré-estabelecida, mas não é pra se ofender”, disse Aécio.
“Eu apenas encontrei no programa do PSB as defesas das mesmas posições que nós defendemos historicamente, no ponto de vista da macroeconomia, da transformação do Bolsa Família em um programa de estado, a meritocracia no setor público. Lamento apenas que, no momento em que implementamos essas medidas, nenhum deles estava ao nosso lado para ajudar”, afirmou.
Participam do jogo, além de Zico e Aécio, os ex-atletas Bebeto (campeão mundial de futebol em 1994 e candidato à reeleição como deputado estadual no Rio) e Giovanni (ex-jogador de vôlei, candidato a deputado federal pelo PSDB em Minas Gerais) e artistas como o ator e cineasta Márcio Garcia. Aécio jogou com a camisa 45 no mesmo time de Zico, que vestiu a 10.

Osvaldo Coelho quer solução para dívidas da seca

Por Márcio Didier
(Foto: Divulgação)

Deputado federal por 11 vezes, Osvaldo Coelho enviou uma carta ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, cobrando soluções para a seca no Nordeste e saída para o pagamento das dívidas dos produtores. No teto, ele afirma que o problema da seca que “só agora chegou a São Paulo para atormentar os paulistas, de nós ela é irmã gêmea, sempre nos atormentou, há séculos”.
E prossegue relatando as dificuldades pelas quais passam os produtores com a estiagem prolongada “que devora” as plantações. E pede que o Governo Federal dê condições para que eles consigam saldar as dívidas.
“Para fazendas maiores os prejuízos são maiores. O governo rebateu dívidas dos menores, como se nas fazendas grandes não tenha chegado a seca. Todos os grandes fazendeiros, só têm de grande os prejuízos. O clima é desafio maior que a economia”, afirmou, no texto, acrescentando: “Nossa incapacidade de pagamento é evidente, não precisa explicações. O governo fica sendo o nosso algoz. Somos patriotas, merecemos considerações”.
Na carta, o ex-deputado sugere que o Governo conceda um prazo de pagamento de 20 anos, com três de carência, em 17 parcelas iguais e sucessivas no ano, com juros de até 2%. “Estes débitos são de juros elevados de 8,7% ao ano, um absurdo para o semiárido. Um analista que se debruçar no assunto vai concluir que o problema vai ter a mesma solução que os americanos fazem quando sofrem catástrofes: rebate de débitos e até perdão. Queremos pagar, queremos condições”, conclui o ex-deputado.

Agripino Maia sinaliza apoio a Marina Silva

Foto: Mariana Di Pietro / Ag. Democratas
Aécio Neves e Agripino Maia (Foto: Mariana Di Pietro / Ag. Democratas)
O senador Agripino Maia (DEM), coordenador geral da campanha presidencial de Aécio Neves (PSDB), já cogita uma possível aliança com Marina Silva (PSB) no segundo turno. Com Aécio cada vez mais longe de passar pelo primeiro turno, esta hipótese começa a ventilar dentro do ninho tucano. Na última pesquisa Datafolha, divulgada nesta sexta-feira (29), Marina e Dilma Rousseff (PT) aparecem empatadas com 34% das intenções de voto. Aécio aparece em terceiro com 15%.
“O sentimento que nos move (PSDB, DEM e Solidariedade) é garantir a ida de Aécio para o segundo turno. Se não for possível, avalizar a transição para o segundo turno. Ou seja, com uma aliança com Marina Silva, por exemplo. É tudo contra um mal maior que é o PT”, disse Agripino, em entrevista ao Broadcast Político, serviço de notícias da Agência Estado.

'Fracasso no desmatamento contradiz Marina'



Paulo Whitaker/Reuters - Wilson Dias/Agência Brasil:
O desempenho que Marina Silva teve na redução do desmatamento florestal enquanto esteve à frente do ministério do Meio Ambiente coloca em xeque o discurso da candidata do PSB no campo ambiental, segundo o colunista Paulo Moreira Leite, em novo artigo em seu blog no 247, fazendo a comparação entre a gestão da ex-senadora e seus dois sucessores: Carlos Minc e Izabella Teixeira, atual ministra.
O jornalista ironiza o desempenho da 'estrategista', que disse que o Brasil não precisa de 'gerentes', mas pessoas com visão estratégica. 'A estrategista do meio ambiente Marina administrou, em média, 18 000 quilômetros quadrados de desmatamento. Com Carlos Minc, a média caiu para menos da metade: 7000. Com Izabela, encontra-se em 5560, menos de um terço do desempenho de Marina', escreve.
O colunista ressalta que o desempenho da candidata em relação ao desmatamento 'é um bom termômetro de avaliação' de seu discurso no terreno ambiental: 'mesmo em seu terreno ela demonstrou mais blá-blá-blá do que competência'. A não ser, lembra ele, que agora nesta fase – na qual Marina passou uma 'borracha no passado' e 'tenta inventar uma novíssima candidata', ela diga que 'nunca' foi contra desmatamentos, como fez com os transgênicos em entrevista ao Jornal Nacional.

Aliados culpam Dilma por dificuldades eleitorais

Por Josias de Souza
 Um cacique do pedaço do PMDB ainda leal ao governo diz que ficou muito fácil reconhecer em qualquer roda um político da coligação encabeçada por Dilma Rousseff. É o que estiver falando mal de Dilma, ele explica. As críticas aumentam na proporção direta da elevação do risco de derrota.
Por enquanto, o burburinho soa apenas atrás das portas. Na pior hipótese, Dilma terá tinta na caneta até 31 de dezembro, explica um membro do diretório nacional do PT. Mas, confirmando-se a derrota, petistas e aliados culparão Dilma quando puderem falar sobre 2014 sem medo de perder cargos, verbas e privilégios.
Levada no embrulho do desejo de mudança que as pesquisas farejam, Dilma é bombardeada até por seu estilo. Tornou-se mais difícil encontrar um apologista da presidente disposto a repetir a teoria da “firmeza” —aquela segundo a qual Dilma lida mal com questionamentos porque tem convicções sólidas.
No atacado, seus críticos a acusam de autossuficiência, teimosia e inépcia. Ela só chama os partidos que a apoiam para conversar na hora que o calo lhe aperta, afirma um senador governista. A conversa não flui, ele realça. O diálogo só é considerado bom quando ela obriga o interlocutor a calar a boca.
O senador resume: os empresários não confiam na Dilma, os políticos a detestam e os ministros têm medo dela. Quem desconfia não investe. Quem odeia não faz campanha. E quem teme só diz ‘sim senhora’! Como resultado, tem-se a combinação de PIB baixo com inflação alta, desânimo político e inação.
Curiosamente, os governistas isentam Lula de responsabilidade. Foi graças ao apoio dele que Dilma amanheceu um belo dia presidente. Mas os críticos da afilhada alegam que ela está em apuros porque fez ouvidos moucos para os pitacos do padrinho. Nessa versão, Lula engrossa, em privado, a sinfonia de críticas.
Confirmando-se o pior, Dilma será apresentada à adaptação de um velho axioma da política. Diz-se que a vitória tem muitos pais, mas a derrota é órfã. No caso de Dilma, o eventual insucesso virá acompanhado de uma subversão da máxima. Confirmando-se o pior — ou melhor, conforme o ponto de vista — Dilma será vista por seus pseudo-apoiadores como pai e mãe da própria derrota.

Candidato a deputado federal, o ex-secretário da Casa Civil, Tadeu Alencar e vereadora Aline Mariano inauguraram com uma grande festa, antecedida de uma caminhada pela feira, o comitê de Afogados da Ingazeira, no Sertão do Pajeú, sábado dia 30.


Dilma tem reunião agendada hoje com seus coordenadores estaduais de comunicação para mudar seu alvo de ataques em direção Marina, que virou o jogo na corrida presidencial, deixou Aécio para trás e já bate a presidente por uma diferença de 10 pontos percentuais no segundo turno. O objetivo é instruir sobre a melhor forma de tentar desconstruí-la. Bater, mas sem vitimizá-la. A nova linha se aplicará aos programas de TV e ao uso das redes sociais.