sexta-feira, 18 de abril de 2014

COMPARADO A QUEBRA DA PETROBRAS MENSALÃO É COISA DE BATEDOR DE CARTEIRAS:


Espetáculo da Paixão de Cristo se prolongará até o próximo sábado

Por Inaldo Sampaio

Em apenas quatro dias de encenação, o espetáculo da Paixão de Cristo em Nova Jerusalém, no interior de Pernambuco, já foi visto por mais de 20 mil pessoas de quase todos os estados brasileiros.
O espetáculo está atraindo um público variado que inclui adultos, jovens e crianças vindos até do exterior.
A abertura da temporada foi feita na última sexta-feira, só para convidados, da qual participaram o governador João Lyra Neto e o padre cantor Fábio de Melo, que aceitou o convite da direção Sociedade Teatral de Fazenda Nova para fazer o papel do apóstolo João no próximo ano.
Este ano, a Paixão de Cristo conta com a participação dos atores convidados Carol Castro (a Sílvia, da novela Amor à Vida da TV Globo), que retornou ao elenco de Nova Jerusalém no papel da mãe de Jesus depois de ter interpretado Madalena na temporada passada.
Outro que está retornando é Oscar Magrini (Coronel Nunes, da novela Salve Jorge) que em 2009 fez o personagem Pilatos e agora vive o rei Herodes.
Estão estreando no espetáculo Fernanda Machado (a vilã Leila de Amor à Vida) e Carlos Machado (o Ignácio, de Amor à Vida).
Também participa da peça a modelo Meyrielle Abrantes, ex-namorada do senador Jarbas Vasconcelos, que faz o papel de Herodíades, mulher do Rei Herodes.
Os artistas convidados contracenam com o ator pernambucano José Barbosa que, pelo terceiro ano consecutivo faz o papel de Jesus. A direção do espetáculo é de Carlos Reis e Lúcio Lombardi. A coordenação geral é de Robinson Pacheco.

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Máquina petista produz ingovernabilidade e escândalos de corrupção

A máquina de governo e o caixa dois em campanhas eleitorais comprometem a democracia e resultam na série de escândalos de corrupção no governo do PT, a exemplo da Petrobras. A visão é do líder da Minoria no Congresso Nacional, deputado Ronaldo Caiado (Democratas-GO), que destacou hoje (15/4) como a omissão da base governista no parlamento e do Executivo em aprovar uma verdadeira e profunda reforma política trouxe consequências nefastas ao povo brasileiro. Caiado, em 2009, foi relator de uma proposta de reforma política que combatia justamente o poder financeiro nas campanhas.
“Durante 12 anos, o PT dilapidou todas as estatais brasileiras, montou um super-caixa dois no Brasil. Com isso, vem alavancando suas campanhas eleitorais. Temos a consciência de que a sociedade deve refletir bem para que essa metodologia do caixa dois e da máquina do governo não sobreviva em 2014, com o risco do Brasil caminhar para uma ‘venezuelização’ e, sem dúvida nenhuma, com o fim da democracia neste país. Esse é o alerta que faço para toda a população brasileira”, disse o deputado goiano em discurso na tribuna da Câmara dos Deputados.
Caiado defendeu a alternância de poder para fortalecer a democracia e dar espaço para que outras lideranças políticas implantem suas ideias e projetos. “Estamos assistindo a um sistema eleitoral arcaico, que já não produz mais os resultados que esperávamos. Estamos vendo progredir a ingovernabilidade, os escândalos. O cidadão não se sente mais representado. Isso é grave, descredencia o Congresso, tutelado pelo Executivo que legisla pelas Medidas Provisórias, com urgências constitucionais e silencia a Casa por meses continuados”, explicou.
O deputado condenou ainda a submissão, além do Congresso que esmaga as minorias oposicionistas, dos ministérios da gestão de Dilma Rousseff, que sem prestígio apenas são seguidores das ordens da presidente. E alerta: o loteamento de órgãos e empresas públicas são ainda mais graves que o recorrente uso de caixa dois. “Hoje, os ministérios têm pessoas inexpressivas que não se impõem. A que ponto chegamos nesse cenário político nacional. Era compromisso de governo ‘proteger as estatais, evitar a privatização’. Elas foram partidarizadas, pior ainda. Foram entregues a um partido, massa de manobra, como os 39 ministérios. Para ampliar o tempo de TV os ministérios são leiloados. Isso é tão grave quanto um financiamento de caixa dois. A oposição fica engessada no pequeno espaço que tem com um governo que tem o poder de concentrar quase 90% dos partidos”, afirmou.
Incompetência e corrupção
Ronaldo Caiado lamentou o festival de incompetência e denúncias de corrupção protagonizado pela gestão petista. Ele menciona o desmonte da Eletrobrás e da Petrobras, acometida também por um mega escândalo de corrupção. “Estamos vendo uma Eletrobrás, que era uma referência internacional, ser totalmente dilapidada, endividada em mais de R$ 34 bilhões, perdendo seu valor de mercado. E vejam no governo da presidente Dilma, eleita como gerente e conhecedora da área de energia”, pontuou.
Caiado classificou como colapso a situação da Petrobras mergulhada em dívidas e sob alvo da Polícia Federal e Ministério Público. “Compra fraudulenta da refinaria de Pasadena, pagamento de propina para fechamento de contratos, superfaturamento de obras, entre outros. Só na compra de Pasadena, o prejuízo passa de R$ 3 bilhões”, reiterou o líder da Minoria no Congresso.
Ronaldo Caiado disse que a presidente de República, para não ser incluída na crise de gestão da estatal, resolveu dizer que ela só votou a favor da compra de Pasadena porque foi ludibriada. “Disse que o diretor Cerveró não passou a ela dois pontos importantíssimos: as cláusulas Marlim e Put Option. Veja onde ela quer se resguardar, a maneira de querer lavar as mãos. E hoje no depoimento da presidente da Petrobras no Senado, Graça Foster não teve como não reconhecer que foi um péssimo negócio”, afirmou.
O parlamentar também questionou por que o diretor responsável por fazer um parecer que omitia cláusulas fundamentais ao contrato permaneceu com cargo de direção no governo por tanto tempo. Nestor Cerveró deixou a diretoria internacional da Petrobras para assumir a diretoria financeira da BR Distribuidora, onde permaneceu até este ano. E lembra que 72% da população já reconhecem os escândalos da Petrobras. “Nesse momento, a presidente Dilma resolveu partir para o ataque em cima das oposições. O que estamos fazendo exatamente é a limpeza, demonstrando o que está acontecendo. Apenas em Pasadena R$ 3 bilhões desapareceram. Imaginem os outros escândalos. Foram R$ 90 milhões sem licitação. Apenas uma CPI pode esclarecer o que fizeram com o patrimônio público”, completou.
E denunciou: “O SUS não tem dinheiro para fazer mamografia, joga a responsabilidade para os prefeitos, mas para uma operação da Petrobras (Pasadena) foram R$ 3 bilhões”, disse, sobre resolução do Ministério da Saúde, que restringiu o exame de mamografia para apenas uma mama com recurso da União para mulheres a partir de 50 anos, contrariando lei federal que determina o exame a partir dos 40 anos de idade.

O Brasil quer mudar!


quarta-feira, 16 de abril de 2014

Jarbas diz que Dilma mentiu sobre a Petrobras

O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB) foi nesta terça-feira (15) à tribuna rebater as declarações da presidente Dilma Rousseff (PT) que em discurso no Porto de Suape, nesta segunda-feira (14), acusou a oposição de tentar destruir a Petrobras. “Em comício eleitoral, bancado com dinheiro público, avião presidencial, casaco vermelho, da cor do PT, ela foi a Pernambuco e faltou com a verdade. Mentiu”, disse. “Não é verdade. Ela sabe disso. É a corrupção que está destruindo a Petrobras. Não é a oposição, não é a mídia, não é a imprensa”, continuou.
O senador peemedebista fez questão de lembrar que o ex-presidente Lula (PT) foi quem nomeou o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, que se encontra preso, acusado de lavagem de dinheiro num esquema com o doleiro Alberto Youssef. “Ele foi nomeado por Lula e mantido no cargo pela vontade da atual presidente do Brasil, a senhora Dilma Roussef. Quem está sendo acusado de ladrão é ele”, disse.
“Quem desvalorizou a Petrobras reduzindo seu valor a quase um terço do que era? Foi exatamente a política irresponsável do ex-presidente Lula, mantida pela senhora Dilma. Quem entregou os cargos da Petrobras a deputados e senadores da base, pessoas desqualificadas, pessoas sem nenhum compromisso com a maior estatal do Brasil?”, questionou Jarbas, acrescentando que até a palavra “corrupção” agora virou “malfeito”. “Malfeito é uma coisa. Corrupção é outra”, ironizou.
O senador disse que esses indicados entram na Petrobras “para roubar, para meter a mão”. “E acontece o que aconteceu com esse Paulo Roberto. São fatos escabrosos. As revistas do final de semana, o Jornal Nacional de todos os dias, trazem essas figuras asquerosas, mantidas pelo PT, nomeadas por Lula e mantidas por Dilma Rousseff. Uma figura perniciosa, que pratica todos os atos de irresponsabilidade e de corrupção dentro da Petrobras era nada mais, nada menos do que diretor do setor de Abastecimento da empresa. E como os culpados somos nós, o PSDB, os dissidentes do PMDB, o PSB, que estamos agredindo a Petrobras”, perguntou o senador.
Para o peemedebista, Dilma deveria dirigir suas palavras para a antiga cúpula do PT, que, segundo ele, está toda presa na Papuda. “Ela deveria chamar a atenção deles para não fazerem mais o que fizeram. Ela deveria falar para o ex-diretor de Abastecimento, que é ligadíssimo à figura do André Vargas, que está para renunciar ao mandato de deputado. Ao doleiro Alberto Youssef, que também está preso e mantém relações estreitas com a Petrobras. Como é que ocorre isso tudo, e a oposição é responsabilizada por Dilma, de que a gente quer destruir a Petrobras?”.
De acordo com o senador, Dilma está querendo enganar o povo, a opinião pública. “É se tornar uma figura cínica, quando todos os meios de comunicação apontam, indicam o assalto que está sendo feito dentro da Petrobras, de quebrar a empresa, e, depois, ela vem responsabilizar a oposição. Não somos nós que determinamos o congelamento do preço do combustível levando em conta o embate eleitoral de outubro”, afirmou.
“São esses fatos que desmoralizam e quebram a Petrobras. E a senhora Dilma Rousseff é a única responsável por isso. Ela não pode achar que vai fazer um comício eleitoral no meu Estado, falar essas coisas e achar que vai ficar por isso mesmo, que ninguém vai protestar, que a gente vai engolir o que ela está dizendo. Ela está enganando a opinião pública. Ela não está à altura do cargo de presidente da República”, criticou Jarbas.

Em Serra Talhada, o prefeito Luciano Duque (PT) e o ex-prefeito Carlos Evandro (PSB) estão distanciados. Coube a Duque fazer o mais contundente ataque ao ex-governador Eduardo Campos na fala diante de Dilma, segunda-feira passada, acusando-o de não ter priorizado o Interior. Evandro disse que as principais obras que Duque consegue fazer são com recursos do FEM, criado por Eduardo.


terça-feira, 15 de abril de 2014

Inocêncio mente sobre evento em Serra Talhada

Por Magno Martins

O deputado federal Inocêncio Oliveira (PR) mentiu para os seus eleitores quando disse, por meio de nota enviada ao blog nesta terça-feira (15), que recebeu convite do governador João Lyra Neto (PSB) para participar, na tarde de ontem (14), da inauguração da primeira etapa Adutora do Pajeú. A verdade é que em cerimônias presidenciais, o controle dos convites é feito de forma fechada pelo Palácio do Planalto, e na relação da equipe da presidente Dilma Rousseff (PT) não constava o nome do dirigente republicano.
Os deputados federais da bancada pernambucana, convidados para o evento no município de Serra Talhada, foram até o local no avião da Presidência da República.
Quando João Lyra percebeu a ausência de Inocêncio num evento de tamanho porte, realizado na terra natal do parlamentar, procurou saber o que havia ocorrido, e recebeu como resposta a informação de que o republicano não teria sido convidado pelo Palácio do Planalto.
A verdadeira história é essa e ponto final.

“Se quer ajudar a salvar a Petrobras, por que Dilma teme a CPI?”

O líder do Democratas na Câmara dos Deputados, Mendonça Filho (PE), rebateu há pouco as declarações da presidente Dilma Rousseff sobre a Petrobras. Segundo o parlamentar, a presidente é demagógica e se esquiva na hora de ajudar a empresa. “Se Dilma quer que nada destrua a empresa, deveria começar a fazer um limpa, porque a sujeira em 12 anos de PT é grande. Nas redes sociais já questionam o motivo de Dilma temer a CPI”, disse.
Mendonça disse que Dilma deveria apoiar a CPMI para investigar a Petrobras em vez de usar o que classificou de artimanhas para protelar a sua instalação. “Dilma usa o discurso agora, mas na prática manda sua base no Congresso tratorar a oposição e enterrar a CPI”, disse. Em cerimônia de inauguração de navios petroleiros no porto de Suape hoje à tarde (14/4), a presidente afirmou que “irá apurar com o máximo de rigor e que ninguém e nem nada destruirá a empresa”, contrariando todos os esforços governistas no parlamento de enterrar a CPMI.
O deputado disse ainda que Dilma brinca com a inteligência do brasileiro. “Seu governo está em decadência também por causa do excesso de frases demagógicas que não surtem mais efeito. O brasileiro quer é resultado e quer a Petrobras livre desse esquema que montaram lá”, disse. Mendonça complementou que o PT faz campanha contra a Petrobras há 12 anos. “O PT incorporou o slogan ‘O Petróleo é nosso’ e transformou a empresa em uma máquina partidária, onde o brasileiro não se beneficia. O PT crê que a Petrobras é dos petistas e que não pertence mais ao Brasil”, disse.
“A presidente deveria fazer um mea-culpa. O PT passou os últimos 10 anos aparelhando a empresa, que já perdeu metade do seu valor de mercado. Ela diz que quer investigar, mas, no caso de Pasadena, o PT assistiu passivamente ao prejuízo de R$ 1 bilhão e levou sete anos para demitir Nestor Cerveró da área Internacional da Petrobras. Ao contrário, ele foi premiado com a diretoria financeira da BR Distribuidora”, acrescentou Mendonça Filho.

No Rio de Janeiro, presidente do PMDB declara apoio a Aécio Neves

Da Agência Estado

Reunidos pelo presidente do PMDB-RJ, Jorge Picciani, líderes de alguns partidos da base do governador Luiz Fernando Pezão, candidato à reeleição, formalizaram nesta segunda-feira apoio ao tucano Aécio Neves na disputa pela Presidência da República e lançaram a chapa “Aezão”: Aécio-Pezão.
Em jantar de quase três horas com Aécio, 45 parlamentares, prefeitos e dirigentes partidários prometeram trabalhar pela vitória do tucano no terceiro maior colégio eleitoral do País. “Quero repetir o que ouvi hoje, que vamos ganhar com o Aezão”, disse o Aécio na saída do jantar, em um restaurante da zona sul.
Os peemedebistas deixaram o encontro com expectativa de que o PSDB feche uma aliança pela reeleição de Pezão, apesar de os tucanos terem feito oposição ao ex-governador Cabral durante sete anos. “Estamos discutindo essa questão, vamos encontrar a melhor forma de estarmos juntos”, afirmou Aécio.
“Este é o maior ato político da campanha no Rio de Janeiro. Este é um fato político que demonstra que está acontecendo algo no Brasil que merece reflexão. Setores que em algum momento estiveram na base do governo do PT percebem que quem está sendo punido por esse desgoverno, pelo crescimento pífio, pelo retorno da inflação são os que mais acreditaram no governo do PT”, declarou o tucano.

Grevistas exigem os ‘lucros’ de estatal quebrada

Funcionários do Sistema Eletrobras marcaram para 24 e 25 deste mês “paralisações de advertência” em todo o País. Os sindicalistas exigem pagamento de “participação nos lucros” relativos a 2013, ano em que o balanço da Eletrobras, para desespero dos acionistas minoritários, registrou prejuízo R$ 6,2 bilhões. Os grevistas, que ameaçam greve geral no sistema, não mencionam “participação nos prejuízos”. Em 2012, a Eletrobras já havia registrado prejuízo de R$ 6,8 bilhões. Somando 2013, já são R$ 13,1 bilhões perdidos em apenas dois anos.
Dilma fez a Eletrobras aderir à medida provisória 579, reduzindo-lhe a receita de geração e transmissão, para forçar redução na conta de luz.
Integram o Sistema Eletrobras empresas geradoras e distribuidoras de energia como Eletronorte, Eletrosul, Eletronuclear e Chesf.
Rebaixada pela Standard & Poor’s, a Eletrobras trocou a sede por um anexo no prédio de Furnas, também no Rio, para economizar o aluguel.

Aécio sugere que Dilma peça desculpas e devolva limpo macacão da Petrobras

A incompetência do governo federal na gestão do patrimônio da Petrobras, maior empresa brasileira, foi um dos pontos criticados pelo presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, durante entrevista coletiva na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), nesta segunda-feira (14). O senador rebateu acusações feitas pela presidente da República, Dilma Rousseff, de que a oposição fazia “campanha negativa” contra a estatal.
“Quem está ferindo, está sujando a imagem da Petrobras, é o aparelhamento que o PT estabeleceu já há vários anos na empresa. A partir desse aparelhamento absurdo, nós estamos vendo todo tipo de irresponsabilidades”, disse.
“Acho que o caminho correto, nesse instante, seria a senhora presidente da República pedir desculpas, aos brasileiros, aos servidores da Petrobras que construíram durante 60 anos essa extraordinária empresa, desculpas em especial aos trabalhadores que colocaram ali recursos do seu Fundo de Garantia. Quem, em 2009, colocou R$ 100 na Petrobras, hoje tem R$ 35. Perdeu, portanto, 65% daquele investimento. Acho que está na hora da presidente da República devolver limpo o macacão da Petrobras”, avaliou.

A força de Dilma no Nordete

Dilma bateu Serra (PSDB) no Nordeste em 2010 por quase 11 milhões de votos, sendo que em apenas quatro estados a diferença foi de 8 milhões: Bahia, Pernambuco, Ceará e Maranhão. Ela continua sendo favorita para ganhar na região agora em outubro.

Ao anunciar festejar, ontem, em Brasília, a entrada de Marina Silva em sua chapa, o pré-candidato do PSB ao Planalto, Eduardo Campos, fez o mais duro ataque ao Governo Dilma. “Com Dilma, o Brasil perdeu o rumo estratégico. O Brasil parou, o povo perdeu a fé. E não podemos deixar o povo brasileiro desanimar da nossa luta”, afirmou.

Quem está falando a verdade, ele ou ela?

Wilson Santiago confirma entendimentos com o PSDB para compor a majoritária

Com olhos voltados para outubro, e indisfarçavelmente, sonhando em voltar a Brasília revestido de um novo mandato de senador, o presidente estadual do PTB Wilson Santiago confirmou que os entendimentos com o PSDB para composição da chapa majoritária já estão bem avançados com o nome dele para disputar a vaga ao Senado.

O ex senador no entanto, garantiu que a decisão deverá acontecer após reunião com membros do seu partido para oficializar a coligação PTB/PSDB. Santiago revelou ainda que já vinha mantendo entendimento com o PSDB de que só conversaria com qualquer outro partido depois que concluir os entendimentos com o tucano. “Com certeza chegaremos ao denominador comum, que será uma aliança que interessa a todos nós representantes partidários e, além de tudo, a toda classe política e ao povo paraibano”, destacou. Ele deixou claro que as mágoas com o senador Cássio já foram esquecidas pelo tempo, e que agora um novo horizonte está sendo projetado.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Bahia tem primeira dissidência oficial entre PMDB e PT

Estadão Conteúdo.

O evento de apresentação da chapa de oposição ao governo do petista Jaques Wagner, na Bahia, nesta segunda-feira (14), em Salvador, marcou a primeira posição oficial, nos estados, do PMDB apoiando um adversário direto da presidente Dilma Rousseff (PT) em sua campanha à reeleição. O personagem da dissidência é o ex-ministro da Integração Nacional e integrante da direção nacional do PMDB, Geddel Vieira Lima.
Ex-aliado de Wagner e ex-vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, por indicação de Dilma, Geddel preside o PMDB da Bahia e será candidato ao Senado pela chapa oposicionista, que terá como candidato ao governo Paulo Souto (DEM), e como candidato a vice o ex-deputado Joaci Góes (PSDB), relator do projeto do Código de Defesa do Consumidor.
No evento de hoje, Geddel conclamou as cerca de mil pessoas presentes ao Centro de Convenções do Hotel Sheraton da Bahia a "eleger Aécio Neves presidente". O senador mineiro, pré-candidato do PSDB ao Palácio do Planalto, também participou do evento.
Apesar de ser o primeiro do partido a tomar posição oficial contra a reeleição de Dilma Rousseff - e de seu vice, o peemedebista Michel Temer, de quem é próximo -, Geddel tentou minimizar o fato e disse "repelir rótulos de rebeldia ou traição" para a ação.
"Houve um ato de escolha, de quem conheceu as posições do lado de lá [governo do PT] e acha que, para o Brasil, é muito melhor tentar construir uma outra posição", argumentou. "Há situações parecidas em vários outros estados, como em Pernambuco, no Rio Grande do Sul e em Mato Grosso do Sul."

Após acusar, olho no olho, o ministro Gilberto Carvalho de corrupção, a deputada “serrista” Mara Gabrilli (PSDB-SP) fez crescer o entusiasmo tucano por sua candidatura a vice de Aécio Neves nas presidenciais.


Trabalhadores de Suape recepcionam a presidente Dilma

Diario de Pernambuco.
A presidente Dilma Rousseff (PT) acaba de subir no navio Dragão do Mar, terceiro fabricado pela Transpetro, em Pernambuco. A petista participa da viagem inaugural, ao lado de autoridades e do presidente da Transpetro, Sérgio Machado.

Ela sentou na cadeira do comandante e arrancou gritos da plateia. Simpática, a presidente está tirando fotos com as pessoas que estão na embarcação.
Após o evento, Dilma Rouseff volta para a Base Aérea do Recife e segue para Serra Talhada. No município sertanejo, a presidente participa da cerimônia de inauguração da primeira etapa e da ordem de serviço da segunda etapa da Adutora do Pajeú.

DEMOCRATAS acusa Governo Federal de manipular dados do IBGE

O deputado Mendonça Filho (DEM) protocolou na Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara Federal um requerimento para ouvir a presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Wasmália Bivar, e as ex-diretoras Marcia Quintslr e Denise Britz do Nascimento Silva. Em outro requerimento, o parlamentar solicita a convocação da ministra do Planejamento, Miriam Belchior.

A intenção é apurar no colegiado da Câmara dos Deputados o que levou as duas servidoras técnicas de carreira a deixarem seus cargos. Marcia, ex-diretora de pesquisa, e Denise, ex-coordenadora-geral da Escola Nacional de Ciências Estatística, pediram exoneração após divergências em relação à suspensão da divulgação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

Outros coordenadores de pesquisas, como as que determinam a inflação oficial e a taxa de desemprego, também chegaram a assinar uma carta enviada ao conselho diretor do instituto, na qual ameaçam entregar seus cargos caso não seja revista a decisão de suspender a divulgação da Pnad Contínua. O documento foi assinado por 18 coordenadores e gerentes estratégicos da Diretoria de Pesquisas.

De acordo com o democrata, o fato demonstra uma clara tentativa de aparelhamento e uso político de mais uma instituição do Governo Federal. "Existem indícios de que o governo quer transformar o instituto em agente de notícias eleitoreiras. No momento em que o desemprego cresce, assim como o temor da população, o governo petista tenta esconder o que se passa com o país. Não adianta, porque as últimas pesquisas já demonstram que o brasileiro sente que as coisas não vão bem em seu dia-a-dia", argumentou Mendonça.