sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Deputado Mendonça Filho adere à candidatura de Aécio Neves


Mendonça Filho - foto agência brasil


Com a morte de Eduardo Campos, o deputado federal e presidente do DEM em Pernambuco, Mendonça Filho, anunciou Ontem, por meio de nota, que não votará em Marina Silva (PSB) para presidente da República e sim no senador Aécio Neves (PSDB).
Ele avaliou que não haveria espaço para o DEM na coligação do PSB porque Marina Silva não aceita sequer aliança política com o PSDB. E divulgou a seguinte nota:
I) Como é de conhecimento público, o Democratas tem uma posição histórica de aliança com o PSDB e há 12 anos está no campo da oposição ao PT nacional.
II) Nos últimos meses, o cenário político brasileiro viveu mudanças com o reposicionamento do ex-governador Eduardo Campos (PSB), colocando-se como uma alternativa ao PT nacional e consolidando-se como uma terceira via.
III) Na construção de sua candidatura a presidente, Eduardo Campos alargou os entendimentos políticos e construiu em Pernambuco uma unidade em torno do seu nome. A sua candidatura representava o sentimento de pernambucanidade e a ampliação para o plano nacional de um projeto de gestão bem sucedido no Estado.
IV) Essa unidade em torno da candidatura de Eduardo Campos mobilizou diversos setores da sociedade e figuras de expressão política.
V) Nacionalmente, porém, o Democratas resolveu continuar sua aliança com o PSDB, decidindo pelo apoio à candidatura do senador Aécio Neves (PSDB).
VI) No entanto, o partido deixou livre o Democratas de Pernambuco para optar pela candidatura de Eduardo Campos ou a de Aécio Neves, tendo em vista a situação especial vivida no Estado e o fato de as duas candidaturas representarem projetos de mudança do grupo de partidos, liderado pelo PT, que vem dirigindo o País há quase 12 anos.
VII) Tendo em vista a tragédia ocorrida na semana passada, na qual o ex-governador Eduardo Campos faleceu em acidente de avião, o Democratas de Pernambuco torna pública a posição de apoiar a candidatura do senador Aécio Neves (PSDB) para a presidência da República, acompanhando a decisão da Executiva Nacional.
VIII) Com relação à eleição estadual, o Democratas reafirma o apoio às candidaturas de Paulo Câmara para governador, de Raul Henry para vice-governador e Fernando Bezerra Coelho para senador, respeitando as circunstâncias individuais de nossos filiados.

Berinaldo Leão Deputado Estadual Nº50444

A opção do PSOL por não aceitar dinheiro de empreiteiras, bancos e donos de concessionárias de serviço público. As vedações a doações eleitorais por empresas interessadas em receber benefícios do Estado se baseia na convicção de que o atual modelo de financiamento faz com que os governantes, uma vez eleitos, fiquem devendo favores aos seus doadores de campanha, em prejuízo da população. Esse tipo de financiamento transforma gestores públicos em lobbistas de grandes interesses privados, favorece a especulação imobiliária, a privatização da saúde, o transporte precário... Ou seja: gera diversos problemas que nossa candidatura denuncia e enfrenta!" Nossa campanha é econômica e transparente.

'Quero ser o presidente do emprego', diz Aécio no RN


Em ato de campanha, Aécio Neves visita a fábrica de uma confecção de Natal (RN) (Foto: Fernanda Zauli / G1)
Em ato de campanha, Aécio Neves visita fábrica de confecções em Extremoz (RN) (Foto: Fernanda Zauli / G1)
O candidato  à Presidência da República Aécio Neves (PSDB) afirmou nesta quinta-feira (21), em visita a Natal (RN), que pretende ser o 'presidente do emprego'. Ele visitou a fábrica de confecções do grupo Guararapes, em Extremoz, na região metropolitana, e concedeu entrevista na sede do PSDB.  
'Serei o presidente da República do emprego, do desenvolvimento, do trabalho, da solidariedade. A nossa proposta é a que vai recuperar a confiança no Brasil para que os investimentos que no deixaram retornem, e o Brasil possa se desenvolver em todas as regiões. O Brasil tem que voltar a.crescer para gerar emprego e renda', disse o candidato.
Na entrevista, Aécio Neves reafirmou que manterá o programa Bolsa Família e que pretende fazer 'ajustes' no programa.
'O Bolsa Família vai permanecer, mas nós vamos permitir que a pessoa receba não só o recurso financeiro, mas ascenda socialmente. Vamos suprir outras necessidades como saneamento, saúde, qualificação. Portanto, nós traçamos um programa chamado Família Brasileira que vai, dentro do cadastro único, dividir em cinco níveis de carência todos os que recebem o Bolsa Familia', declarou.
O candidato disse ainda que o Nordeste será prioridade do governo e reiterou a proposta do programa Nordeste Forte, cujo lançamento está previsto para o próximo sábado (23) em Salvador, na Bahia.
“Esse programa terá os principais eixos de investimentos nessa região, que passam pela questão tributária, pela questão logística, pela questão da inovação, portanto investimento em ciência, tecnologia e valorização das vocações que essa região tem”.  Portal G1

Marina já começa a ser digerida pelo 'mercado'



Marina: questão de embalagem
Marina: mais aceitação pelo mercado
Um banqueiro de investimentos, daqueles que gostaria de Aécio Neves subindo a rampa do Palácio do Planalto em janeiro de 2015, analisava o novo quadro eleitoral ontem à tarde desta forma:
- Prefiro a Marina à Dilma. A Marina é uma roleta-russa: quando você apertar o gatilho pode ou não matar. Já a Dilma é um revólver carregado com as seis balas. Não há chance de escapar. É morte certa.
O mercado financeiro prefere Aécio Neves, mas já aceita Marina Silva. Ainda espera, porém, alguns acenos de Marina ao longo da campanha.   Veja Online

Eduardo e Marina eram bem diferentes. Eduardo Campos, na primeira fase de sua campanha anunciou que não governaria com Collor, Sarney e Renan, objetos de ataque no seu primeiro guia eleitoral que deixou gravado. Já sua sucessora, Marina Silva, na mesma trilha, manda avisar que não fará campanha ao lado de Alckmin, Beto Richa e Paulo Bauer, este, da mesma forma que Alckmin, esteve nos funerais de Eduardo.


Sem a ternura de Eduardo

Magno Mareins 
Eduardo e Marina tiveram muitas dificuldades na relação, mas nunca deixaram vir a público. Substituto natural do ex-governador pernambucano na presidência nacional do PSB, o ex-ministro Roberto Amaral não esconde de ninguém suas indiferenças com Marina.
Afastado ontem do comitê-financeiro da campanha, o secretário-geral do PSB, Carlos Siqueira, teve que engolir sapos e marimbondos de fogo para conviver com a ex-senadora e o seu grupo político da Rede, futuro partido dela.
Sabendo das dificuldades que enfrentaria, o ex-vice-prefeito do Recife, Milton Coelho, renunciou também à função de coordenador de mobilização e articulação. Com fama de encrenqueira, Marina acabará sem ninguém do núcleo socialista pernambucano na sua campanha.
Com a saída de Siqueira, um arraesista histórico, fiel escudeiro de Eduardo, a agora candidata do PSB ao Planalto gerou uma crise sem precedentes em sua campanha. Como não tem jogo de cintura nem paciência para aturar quem não integra seu núcleo duro, Marina é uma bomba ambulante, que pode explodir a qualquer momento.
As circunstâncias provocadas pela tragédia que tirou a vida de Eduardo empurraram Marina na corrida presidencial. Ela tem amplas chances de vitória, conforme as pesquisas já atestam, mas também, proporcionalmente, chances de transformar sua campanha num barril de pólvora.
Devido à sua instabilidade emocional, sua forma de tratar as pessoas, de enxergar o mundo, além do seu fundamentalismo religioso. O que poderia, então, ser uma trajetória fácil, um voo curto ao poder, se avizinha com um aroma ruim e sinais de incerteza.
Uma pena que Marina nessa convivência tão próxima com Eduardo não tenha aprendido a ser dócil, humilde, fina no trato, e mais do que isso, a arte da sedução. O ex-governador poderia ter todos os defeitos, como todo político, mas sabia seduzir e conjugar o verbo ampliar.

Aécio afirma que portas do palácio estarão abertas para a Paraíba

Aécio afirma que portas do palácio estarão abertas para a PB
 Faltando sugestivos 45 dias as Eleições Gerais no país, o candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, senador Aécio Neves (PSDB), foi apresentado ao Sertão da Paraíba por seu companheiro de partido Cássio Cunha Lima, que concorre ao Governo do Estado pela Coligação A Vontade do Povo.

Em seu discurso, Cássio reiterou que a Paraíba "precisa de um olhar especial", apontando para Aécio como a alternativa que vai alavancar o crescimento do Estado.

"Eu gostaria que vocês prestassem atenção no que vou dizer agora: a partir de 1º de janeiro, Cássio, você não terá apenas as portas do Palácio do Planalto abertas. Você terá a chave do Palácio e as portas estarão escancaradas para o povo paraibano", assegurou Aécio, na sequência, pedindo o empenho dos eleitores sertanejos na campanha tucana nos âmbitos estadual e nacional.

O candidato a presidente pelo PSDB, Aécio Neves, desembarcou na noite desta quinta-feira (21) em Patos, na Paraíba, anunciando que, se eleito, vai ajudar o senador tucanoCássio Cunha Lima, candidato da Coligação “A Vontade do Povo” ao governo do Estado, a desenvolver o polo industrial da Paraíba, trazendo indústrias e investimentos para o Estado.

“Há um compromisso meu com Cássio em trazer a indústria e o desenvolvimento novamente para a Paraíba. Nós temos que reaquecer o polo industrial da Paraíba. Existem potencialidades aqui extraordinárias que podem ser exploradas, mas só serão se nós fizermos o governo crescer”, disse o senador Aécio Neves.

O senador Cássio tem dito que o governo federal tem um grande débito com a Paraíba no que se refere a investimentos financeiros que possibilitem atrair uma grande indústria para a Paraíba. “Eu acredito que, se Aécio for eleito, a Paraíba dará um salto de qualidade no que se refere a isso”, lembra o senador.

Segundo o senador Aécio Neves, eleito presidente, os investimentos no Brasil começarão pelas áreas mais necessitadas de investimentos e a Região Nordeste está incluída nessa prioridade. “Quando governei Minas Gerais, investi três vezes mais nas regiões com IDH baixo dos que nas regiões mais desenvolvidas”, disse Aécio.

O candidato a presidente do Brasil pelo PSDB, agradeceu a recepção dos sertanejos. Antes, ao criticar o atual governo nas três principais áreas de uma administração pública (educação, saúde e segurança), Cássio assumiu junto com Aécio, caso eleitos, a pretensão de construir um Hospital de Trauma na região, outro grande pleito da população sertaneja. - Dentre os meus amigos, tem um que se transformou num conselheiro, além de também num exemplo de conduta pessoal e amor a sua gente - disse Aécio, sobre Cássio, antes de finalizar o discurso:

"Conto com cada um de vocês para ter o privilégio de governar o Brasil ao lado do meu irmão, governador Cássio Cunha Lima. E avalizado por Cássio, ao lado de Wilson e nossos deputados, peço que sejam a minha voz e a minha coragem para acabarmos com esse ciclo de governo que já não faz bem ao país e a este Estado". Os tucanos realizaram ainda comício na A rua Nova, no centro de Pombal.

 assessoria

Do ex-prefeito de Tuparetama, Sávio Torres (PTB), sobre a influência dos prefeitos na eleição de governador: “Hoje, devido à crise financeira dos municípios, é muito melhor fazer campanha na oposição do que na companhia de certos prefeitos que não podem sequer sair às ruas”. Torres é um dos coordenadores da campanha de Armando Monteiro (PTB) no Sertão do Pajeú.


Bivar afirma não saber o que Marina Silva pensa sobre o Brasil


Luciano Bivar - reprodução internet-supersportes


O presidente nacional do PSL, ex-deputado Luciano Bivar, admitiu nesta quinta-feira (21) que poderá retirar o seu partido da coligação “Unidos pelo Brasil” que apoia a ex-senadora Marina Silva para presidente da República.
Além de não saber o que Marina pensa sobre o Brasil, Bivar ficou chateado por não ter sido consultado previamente sobre a indicação do deputado Beto Albuquerque (PSB-RS) para a vaga de vice.
Para tentar segurá-lo na aliança, foi marcada uma reunião nesta sexta-feira, em Brasília, a partir das 11h, com o presidente nacional do PSB, Roberto Amaral.
“Meu contato na coligação era com o Eduardo Campos. Agora, sem ele, ficamos sem diálogo”, disse Bivar na última terça-feira (19).
“Eu não sei o que ela (Marina) pensa sobre o Brasil. Sei o que Aécio pensa, sei o que Dilma Rousseff pensa. Por isso, quero ter com ela uma conversa olho no olho para conhecer suas ideias”, afirmou o ex-deputado.
Caso o PSL saia da coligação, a coligação de Marina perderá o apoio de 780 vereadores, 36 prefeitos e entre seis e oito segundos de televisão.
Em Pernambuco, contudo, segundo Bivar, o PSL manterá o seu apoio ao candidato Paulo Câmara (PSB).

Coordenador de Eduardo rompe com Marina e sai atirando



 Continuam a surgir os pequenos pontos de discórdia na campanha da candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, tão logo foi oficializada a chapa por ela encabeçada. Carlos Siqueira, secretário-geral do PSB e coordenador da campanha de Eduardo Campos,  rompeu com a candidata e  deixou a campanha atirando. Ele confirmou à Folha de S.Paulo ontem (21) que não seguirá na função ao lado de Marina Silva.. Siqueira disse que a candidata chegou a dizer a ele que não precisaria mais se preocupar com a coordenação da campanha. Ele reagiu prontamente pela forma dita.
'Pela maneira grosseira como ela me tratou. Eu havia anunciado que minha função estava encerrada com a morte do meu amigo. Na reunião [de quarta-feira (20)] ela foi muito deselegante comigo. Eu disse que não aceitaria aquilo e afirmei: 'a senhora está cortada das minhas relações pessoais', disse Siqueira à Folha.
O rompimento de Siqueira, militante histórico do partido, revela o quão difícil será a nova realidade eleitoral para o PSB.  'Não houve engano nenhum. Não estou e não estarei em hipótese alguma na campanha desta senhora', completou.
Embora Carlos Siqueira não tenha adiantado mais detalhes da reunião,  a Folha apurou que  Marina disse mesmo a Siqueira que não precisaria mais se preocupar com a coordenação da campanha. Ele reagiu prontamente pela forma dita. 'Se ela comete uma deselegância no dia em que está sendo anunciada candidata, imagine no resto. Com ela não quero conversa', disse.

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Deputado Estadual Berinaldo Leão

A Mudança é Possível! diz, Berinaldo Leão candidato a deputado estadual pelo PSOL, funcionário publico federal, filho natural de São José do Egito e único postulante ao cargo de deputado estadual verdadeiramente representante da terra da poesia. Seu numero é 50444, vote por Pernambuco.

Presidente do PSDB ajuda a tirar mandato de prefeito com golpe desleal e covarde

 
Deputado Bruno Araújo, presidente do PSDB, ao lado direito do prefeito


Embora tucano e leal ao partido, o prefeito de Brejo da Madre de Deus, Roberto Asfora, acaba de ser afastado das suas funções com o aval do presidente estadual do PSDB, Bruno Araújo. Além de usar sua influência no plano nacional para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) acelerar o processo em que o ex-prefeito cassado José Edson de Souza (PTB) requer sua volta ao cargo, o dirigente tucano foi ontem ao município prestigiar a posse do prefeito reempossado.
O mais grave disso tudo, segundo corre nos bastidores, é que, na semana passada, quando o recurso do ex-prefeito estava para entrar em pauta, Bruno Araújo garantiu a Roberto Asfora empenho de sua parte para mantê-lo no cargo, afirmando conhecer o ministro José Otávio Noronha, do TSE, que decidiu pela volta de Edson num voto monocrático.
A decisão monocrática acabou sendo contrária a Asfora. Não tendo efeito suspensivo, permitiu a posse do ex-prefeito José Edson de Souza. A juíza do município se recusou a acatar a decisão do TSE alegando não ter sido colegiada, ou seja, tomada pelo plenário do TSE em sua instância final.
A presença de Bruno Araújo na posse de Edson, cassado por ter usado a máquina da Prefeitura durante a campanha da sua reeleição, durante uma festa na casa do ex-deputado Pedro Correia, cuja filha é a vice, causou repugnância entre os tucanos do município por ter caracterizado um golpe desleal e covarde.
“Já não se faz mais política com coerência, seriedade e lealdade. Os interesses pessoais se sobrepõem aos partidários”, disse um aliado de Roberto Asfora, prefeito afastado. Eleito no pleito suplementar de julho de 2013, com uma frente superior a 2,5 mil votos, Asfora nunca esperava perder o cargo com a corroboração do presidente do seu partido.
“A traição em política é o pior de todos os golpes”, disse Asfora, que está recorrendo da decisão monocrática do ministro com a entrada ainda hoje de um agravo regimental. Enquanto batalha na justiça, o presidente tucano comemora a volta do prefeito cassado nas redes sociais.
Em seu Facebook há, inclusive, fotos da sua presença na posse de Edson, ontem, na Câmara de Vereadores. Uma amiga dele chegou a comentar no Face que o que ele havia prometido – a volta do ex-prefeito afastado – estava sendo cumprido.

Aécio visita a Paraíba nesta 5ª e participa de comícios no Sertão

 O candidato a presidente pela coligação Muda Brasil, Aécio Neves (PSDB), visita nesta quinta-feira (21), os municípios de Pombal e Patos. Ele participará de comícios nas cidades, ao lado do senador Cássio Cunha Lima.

Em Pombal, o ato político acontece às 20h, na praça Getúlio Vargas. Já em Patos, o comício será as 21h30, na Rua Antônio Félix.

"Retorno a Paraíba com bastante alegria, para discutir propostas que fortaleçam a região", disse Aécio Neves.

De acordo com o candidato, o Nordeste será prioridade na sua ação de governo. "Pretendo construir, realmente, um Brasil que resgate a confiança  e a esperança dos cidadãos. Principalmente daqueles que mais precisam da ação do Estado", afirmou.

Aécio discutirá, em sua visita, sobre um programa voltado exclusivamente para a região, que visa trazer choque de infraestrutura e transformações sociais.

O senador Cássio Cunha Lima disse que a presença de Aécio reafirma o compromisso do presidenciável com o Nordeste. “Nossa região necessita de ações reais para o seu desenvolvimento. E Aécio tem consciência dessa realidade ”, disse Cássio.

Aécio esteve na Paraíba em 27 de junho. Na oportunidade, o senador participou do Maior São João do Mundo, acompanhado de Cássio, do prefeito Romero Rodrigues, e de vereadores do partido. Eles também foram ao Sítio São João e ao Salão do Artesanato na cidade.

Assessoria

Nos dois primeiros dias de propaganda eleitoral gratuita, a Frente Popular abusou de falas e imagens do ex-governador Eduardo Campos. O marketing vai avaliar isso com cuidado porque o povo sabe diferenciar a “homenagem” da “exploração política” da figura do mito. Lembrá-lo como a principal liderança do PSB e responsável pela escolha de Paulo Câmara (PSB) para disputar o governo estadual faz parte do “script”, mas além disso pode ser contraproducente.


Entrada de Beto provoca rebuliço na chapa de Marina



 O primeiro desafio de Beto Albuquerque como candidato a vice-presidente será conter a debandada do PMDB gaúcho da campanha de Marina Silva. Parlamentares que apoiavam Eduardo Campos já ameaçam abandonar o palanque do PSB no Estado. "Nós defendemos o agronegócio. Se a Marina insistir naquele discurso estreito do ambientalismo, não teremos outra alternativa senão apoiar o Aécio Neves", avisa o deputado Alceu Moreira (PMDB-RS), da bancada ruralista.
A informação é de Bernardo Mello Franco, hoje na Folha de S.Paulo, com mais detalhes sobre o rebuliço dentro do PSB com a entrada de Beto na chapa:
''Para Alceu Moreira, a presidenciável defendeu medidas "nocivas" ao agronegócio no debate do Código Florestal. "Não vamos trocar nossos ideais por um prato de lentilhas", afirma.
O deputado Osmar Terra (PMDB-RS) diz que Marina tem posições "radicais" e terá que se comprometer com o discurso moderado de Campos. "Se houver mudança de rumo, vamos reavaliar nosso apoio."
Beto Albuquerque, que volta hoje a Porto Alegre, vai prometer aos peemedebistas que Marina honrará os compromissos da chapa original. "Vou dizer que serei uma pulga nesse sentido. Serei o fiador".
Outro aliado de Campos, o candidato do PMDB ao governo de Mato Grosso do Sul, Nelsinho Trad, já decidiu que não apoiará Marina. Ele avisou ontem ao vice-presidente Michel Temer que optará pela neutralidade.''

William Bonner enfrenta pelo Twitter os que não gostaram da sua firmeza diante de Dilma. Com ironia e sarcasmo, afirmou que quem não gostou de sua postura foram os 'corruptos', os 'robôs partidários' e os 'blogueiros sujos'. Revelou que sempre foi durão com todos os entrevistados e que não seria diferente com Dilma por ser ela presidente.


Deputada Estadual Aline Mariano


Os tucanos não receberam boas notícias dos primeiros trackings com Marina Silva na sucessão, substituindo Eduardo Campos, morto em acidente aéreo. A nova candidata tirou votos de Dilma, mas em maior proporção de Aécio. Marina entrou bem em Minas e São Paulo. Os especialistas dizem que ainda é cedo para avaliar se isso é consistente ou passageiro. Mas creem que esse movimento não se encerrou. Marina ainda vai estrear na TV.


Conselho de Ética aprova cassação de André Vargas

 


Os membros do Conselho de Ética da Câmara articularam a indicação de última hora de dois parlamentares e conseguiram aprovar a cassação do deputado André Vargas (sem partido-PR). Ex-petista, Vargas é acusado de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal no âmbito da operação Lava Jato, que investiga um esquema de lavagem de dinheiro suspeito de movimentar cerca de R$ 10 bilhões.
Para ser confirmada, a perda de mandato de Vargas precisará ainda ser votada pelo plenário da Casa, mas parlamentares consideram improvável que isso aconteça antes das eleições. O ex-petista não compareceu à reunião da tarde desta quarta-feira.

PSB oficializa chapa Marina-Beto Albuquerque


Do G1, em Brasília
Beto Albuquerque discursa na sede do PSB; à mesa, sentada, a candidata a presidente Marina Silva, ao lado de dirigentes do PSB (Foto: Filipe Matoso / G1)
Beto Albuquerque discursa na sede do PSB; à mesa, sentada, a candidata a presidente Marina Silva, ao lado de dirigentes do PSB (Foto: Filipe Matoso / G1)

Após reunir a Executiva Nacional do partido em Brasília, o PSB anunciou na noite desta quarta-feira (20) a ex-senadora Marina Silva como candidata a presidente da República na disputa eleitoral deste ano e o deputado federal Beto Albuquerque (PSB-RS) como vice na chapa.
O anúncio foi feito após a reunião, na sede do partido, em Brasília. Segundo Beto Albuquerque, a chapa recebeu aprovação unânime da executiva.  Com a decisão, a legenda tem até o próximo sábado (23) para registrar a nova chapa junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
A mudança na cabeça de chapa é anunciada uma semana depois da morte do candidato Eduardo Campos em um acidente aéreo, em Santos (SP) – Marina Silva era a candidata a vice. Além do ex-governador de Pernambuco, morreram outras seis pessoas, dos quais dois pilotos e quatro assessores de campanha.
Ao chegar à sede do PSB, por volta das 20h, Marina Silva afirmou que “deve” ao partido responsabilidades em razão do compromisso assumido no ano passado ao formar a chapa com Eduardo Campos.
'Aqui há um compromisso com as responsabilidades já assumidas, construídas ombro a ombro, noite e madrugadas adentro sob a liderança de Eduardo. Recebi de uma forma muito afetuosa uma carta que eu chamo de carta-inventário, onde o presidente Roberto Amaral me diz qual é o significado da luta, da trajetória desse partido e que agora juntos temos a responsabilidade de ajuda-lo a se erguer após a perda irreparável que sofreu', declarou.
Albuquerque disse que ele e Marina não deixarão 'pela metade' a herança política de Eduardo Campos. 'Estou aqui para fazer o que o Eduardo me disse ao longo desses 20 anos. Ele que dizia que nunca podemos deixar nada pela metade. Eu e Marina estamos aqui porque não vamos deixar pela metade o legado de Eduardo', afirmou.