terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Instituto Federal de Serra Talhada ganha novo campus

Ao lado do presidente Michel Temer, do governador Paulo Câmara e de vários deputados federais, o ministro da Educação, Mendonça Filho, inaugurou nesta segunda-feira (30), em Serra Talhada, o novo campus do Instituto Federal do Sertão.
Segundo o ministro, a inauguração de uma obra federal numa cidade cujo prefeito, Luciano Duque, é filiado ao PT, “é uma demonstração clara de que, apesar das divergências políticas, é preciso buscar os motivos que unem todos em benefício da população”.
Com investimento total de R$11,7 milhões, o campus tem uma área construída de 5.577m², com 12 salas de aulas para atender até 1.030 alunos.
Também dispõe de quadra poliesportiva, biblioteca, auditório, anfiteatro e laboratórios de ensino.
“Temos tido a satisfação de verificar que estamos reinaugurando este Instituto com os olhos postos no futuro, pois aqui ficou evidenciado que sem educação não há solução”, disse o presidente Michel Temer.
O IF de Serra Talhada oferece cursos técnicos de refrigeração e climatização, e técnico em logística. E planeja para muito breve os cursos de Engenharia Civil e Licenciatura em Física.

Delgado vai lançar candidatura à presidência da Câmara


Do G1
Uma semana após a bancada do PSB anunciar que vai apoiar a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara, o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) informou, hoje, por meio de nota, que lançará uma candidatura avulsa ao comando da Casa. A eleição que definirá quem irá comandar a Câmara nos próximos dois anos está marcada para quinta-feira (2).
Na nota divulgada nesta segunda, Delgado afirmou que o anúncio oficial de sua candidatura ocorrerá, às 14h, no salão verde da Câmara.
O deputado de Minas já disputou outras duas vezes a presidência da Casa. Na primeira, em 2013, foi derrotado pelo então deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Em 2015, Delgado foi derrotado por Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Além de Maia, disputam atualmente a corrida pela presidência da Câmara os deputados Jovair Arantes (PTB-GO) e André Figueiredo (PDT-CE).
O líder do PSD, Rogério Rosso, também chegou a lançar candidatura, mas, sem o apoio da própria bancada, anunciou que iria suspender a campanha até que o Supremo Tribunal Federal analisasse se a candidatura de Maia é constitucional.
Há duas semanas, em uma reunião em Brasília que contou inclusive com a presença de Júlio Delgado, a bancada do PSB na Casa decidiu que não lançaria um candidato próprio à eleição da Câmara. Na semana seguinte, os deputados do PSB formalizaram o apoio a Maia.
Em comunicado divulgado na última segunda (23), o vice-líder do partido, Tadeu Alencar (PE), afirmava que Maia vem exercendo "com responsabilidade” a presidência “com diálogo, hábil articulação e inegável autoridade política”.
De acordo com o documento divulgado pela bancada do PSB, os deputados se compremetiam a apoiar o atual presidente da Câmara desde que ele acatasse compromissos, como um maior diálogo da Casa com a sociedade e distribuição equitativa de relatorias em matérias importantes.
Na tarde desta segunda, porém, Delgado disse que irá anuncia sua candidatura. “Pautado no resgate da independência da Casa, Júlio se lança candidato para buscar o fortalecimento do Legislativo enquanto poder autônomo”, informa nota da assessoria do deputado.
“Não podemos ter na Presidência da Casa uma espécie de líder do governo ou um opositor a ele. Somente a independência entre os poderes é capaz de resgatar o respeito da sociedade ao parlamento e possibilitar sua representação como determina a Constituição. E é exatamente isso que propomos através da nossa candidatura”, ressalta Delgado em outro trecho da nota.

Luma defende Eike: “Empresários ficam acuados”


Luma de Oliveira, em 1998, desfila pela escola Tradição usando uma coleira com o nome de Eike
Folha de S.Paulo
Ex-mulher de Eike Batista, Luma de Oliveira defendeu o empresário em suas redes sociais. "[Ele] Fez muitos investimentos no nosso país com recursos próprios. Infelizmente, parece que os empresários ficam acuados por pseudogovernantes. Lamentável", escreveu.
Luma falou sobre o assunto nesta segunda-feira (30), após receber uma série de comentários de seguidores que diziam estar orando por ela e sua família. "Estamos com muita fé de que tudo vai acabar bem", respondeu a ex-modelo e atriz aos fãs. "Ele enfrenta o que tiver que enfrentar."
Luma é reconhecida como uma das mais simbólicas musas do Carnaval do Rio de Janeiro e despertou polêmica ao desfilar, em 1998, à frente da bateria da Tradição, com uma coleira bordada com o nome de Eike.
"Estou firme o mais que posso para ajudar os meninos", concluiu, referindo-se aos dois rapazes que teve durante seu casamento com o empresário.
A atual mulher de Eike também fez uma postagem nas redes sociais com a frase "Deus tem um propósito até nos dias mais difíceis". Ela é mãe do filho caçula do empresário, um menino de três anos.
FILHO
O DJ Olin Batista, filho de Eike com Luma, também postou mensagens de apoio ao pai em uma rede social. Olin disse que "está na hora de passar as coisas a limpo", repetindo frase dita por Eike em entrevista à TV Globo antes de se entregar para a Polícia, na sala de embarque do aeroporto de Nova York.
A mensagem é acompanhada de foto dele com os país e o irmão mais velho, que já teve 2.398 curtidas e 409 comentários até a publicação desta reportagem. Ele lançou a hashtag #ForçaEikeEstamosComVocê.
Há expectativa quanto a uma possível delação de Eike. O empresário se valeu do relacionamento com políticos para construir seu império, que ruiu em meados de 2013.

Delações forçarão Temer a fazer reforma ministerial


El País - Afonso Benites
A homologação das delações premiadas da empreiteira Odebrecht neste segunda-feira -- mas sem a divulgação imediata de seu conteúdo --  iniciou um período de apreensão na gestão Michel Temer (PMDB). O Governo avalia que assim que começar a temporada de vazamentos dos acordos de colaboração com a Justiça, o presidente e seus auxiliares mais próximos avaliarão quais ministros citados no escândalo da Lava Jato terão condições de permanecer no cargo e quais terão de deixar as funções por causa da gravidade das acusações. Nos últimos meses, ao menos quatro deles já foram citados por delatores: Eliseu Padilha (Casa Civil), José Serra (Relações Exteriores), Gilberto Kassab (Cidades) e Moreira Franco (programa de privatizações). Todos negaram qualquer envolvimento em atos ilícit
A presidenta do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, homologou os acordos de 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht, mas decidiu os manter sob sigilo nesta segunda. Inicialmente, havia a expectativa de que a presidenta suspendesse esse segredo judicial. Em tese, ela até poderia fazê-lo, mas geralmente essa suspensão só ocorre após um pedido formal do Ministério Público, o que não aconteceu ainda. A expectativa é que mais de uma centena de políticos de diversos partidos estejam entre os citados pela Odebrecht.
O zelo da ministra em relação ao segredo judicial também leva em conta um posicionamento futuro do novo relator do caso, que deverá ser indicado até a próxima quinta-feira por meio de sorteio entre os atuais ministros do STF. Quem for o escolhido herdará todos os processos relacionados à operação Lava Jato que estavam sob a responsabilidade de Teori Zavascki, o ministro que morreu no último dia 19 em um acidente de avião. Só nesta Corte tramitam três ações penais e 40 inquéritos que envolvem mais de sessenta pessoas com foro privilegiado.

O ciumento Bruno Araújo

 Ministro da Educação, responsável pela ida do presidente Michel Temer (PMDB) a Serra Talhada, ontem, para inauguração do Instituto Federal do Sertão, o pernambucano Mendonça Filho foi o mais aplaudido no evento pelos estudantes beneficiários. A rasgação de seda foi tamanha que provocou ciumeiras no ministro de Cidades, Bruno Araújo. Ao lado de Mendonça no palanque, Bruno despejou sua inveja nos ouvidos do colega de Ministério. “Pelo jeito, até eu vou ter que votar em tu para governador”, reagiu, em tom de brincadeira.
O ministro da Educação, Mendonça Filho, não foi o mais aplaudido em Serra Talhada por obra do acaso. No curto tempo em que ocupa a pasta, ele não apenas concluiu as obras do Instituto federal como assinou, ontem mesmo, em meio à cerimônia com o presidente Temer, a ordem de serviço, no valor de R$ 2,5 milhões, para compra de móveis e montagem do laboratório. Já o presidente trouxe a boa nova aos prefeitos pernambucanos: o complemento do repasse do Fundeb, o Fundo de Desenvolvimento da Educação. Ao todo, R$ 1,5 bilhão. Numa época de vacas magras, uma bela notícia.
Por Magno Martins

PF deflagra operação contra doador de Eduardo Campos


Do G1/PE
A Polícia Federal em Pernambuco investiga mais uma empresa suspeita de ter participação na compra do avião Cessna Citation, prefixo PR-FA, utilizado pelo ex-governador Eduardo Campos, morto em 2014. A 'Operação Vórtex' é um desdobramento da 'Operação Turbulência', que investigava uma organização criminosa suspeita de lavagem de dinheiro e de ter financiado a campanha do ex-governador.
Ao analisar as contas bancárias de pessoas físicas e jurídicas usadas na compra da aeronave, durante a Operação Turbulência, os investigadores identificaram que um dos valores transferidos por uma das empresas havia sido, na verdade, repassado dois dias antes por uma terceira empresa. Até então, esta terceira não tinha sido alvo das investigações.
Tendo em vista a quantia exata e o curto período de tempo envolvidos nas duas transações, a Polícia Federal acredita que a conta investigada na 'Operação Turbulência' pode ter sido uma “mera conta de passagem”, artifício utilizado em transações financeiras.
Durante as investigações, foi notado também que a empresa, cujo nome não foi divulgado, possui contratos milionários com o governo de Pernambuco. Ela ainda teria aumentado, exponencialmente, suas doações a partidos e candidatos apoiados pelo ex-governador nos últimos anos no estado.
Ao todo, 30 policiais federais cumprem dez ordens judiciais, sendo seis mandados de busca e apreensão e quatro mandados de condução coercitiva no bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife. As buscas são feitas nos bairros de Boa Viagem e Pina, na capital pernambucana, e no município de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife.
Operação Vórtex
Ao todo, 30 policiais federais cumprem dez ordens judiciais, sendo seis mandados de busca e apreensão e quatro mandados de condução coercitiva no bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife. As buscas são feitas nos bairros de Boa Viagem e Pina, na capital pernambucana, e no município de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife.
Turbulência
A 'Operação Turbulência' foi desencadeada pela PF em junho de 2016. A corporação investigava, na época, a ligação entre o avião que caiu com o ex-governador de Pernambuco e então candidato à presidência Eduardo Campos, em agosto de 2014, em Santos (SP), e uma organização especializada em lavagem de dinheiro, que teria movimentado mais de R$ 600 milhões.
Os empresários João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho e Eduardo Freire Bezerra Leite foram presos quando desembarcavam em São Paulo, mas foram levados para o Recife e chegaram ao aeroporto do Recife.
Mello Filho seria um dos donos do jato que levou Eduardo Campos, segundo a empresa AF Andrade, que tem o registro da aeronave na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Em 2014, o PSB afirmou que o uso do jato na campanha eleitoral havia sido autorizado por Mello Filho e Apolo Santana Vieira.
Eduardo Ferreira Bezerra Leite, João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho e Apolo Santana Vieira foram citados em documentos da operação de compra e venda do jato Cessna, utilizado pela comitiva. O dinheiro usado para pagar o avião teria passado por escritórios em Brasília e São Paulo, além de uma peixaria fantasma em uma favela do Recife.
Os extratos entregues à Polícia Federal mostram o recebimento de 16 transferências, de seis empresas ou pessoas diferentes, num total de R$ 1.710.297,03. Nesses documentos, aparecem os números do CPF das pessoas físicas ou do CNPJ das empresas que transferiram dinheiro para a AF Andrade, então dona da aeronave, segundo a Anac. Com esses números foi possível chegar aos donos das contas.
Uma das empresas citadas, a Leite Imobiliária, pertence a Eduardo Bezerra Leite e recebeu R$ 727 mil, em 15 de maio, segundo os extratos – essa transação seria apenas um dos negócios envolvendo o jato. João Carlos Pessoa de Mello Filho teria recebido repasses de R$ 195 mil, da AF Andrade, mas a empresa afirmou que já tinha repassado a aeronave para outro empresário, que emprestou para a campanha de Campos.
Na época, o empresário João Carlos Lyra declarou que, para honrar compromissos com a empresa AF Andrade, fez vários empréstimos com o objetivo de pagar parcelas atrasadas do financiamento do Cessna. A Leite Imobiliária confirmou que transferiu quase R$ 730 mil para a AF Andrade, como um empréstimo a João Carlos Lyra. O PSB declarou, na época, que o uso do avião foi autorizado pelos empresários João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho e Apolo Santana Vieira.
Denúncia
Em julho de 2016, a Polícia Federal indiciou 20 pessoas investigadas pela 'Turbulência', pelos crimes de lavagem de dinheiro, organização criminosa e falsidade ideológica. No dia 3 de agosto, o Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco ofereceu denúncia contra 18 suspeitos, por crimes contra o sistema financeiro nacional, lavagem de dinheiro oriundo de superfaturamento em obras públicas e pagamento de propinas a agentes políticos e funcionários públicos.
Entre os indiciados, estão os quatro empresários presos pela Polícia Federal no dia 21 de junho em Pernambuco. O relatório final do inquérito 163/2016, concluído pela PF em 15 de julho, apontava o envolvimento de João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho, Eduardo Freire Bezerra Leite, Apolo Santana Vieira e Arthur Roberto Lapa Rosal no esquema.
Também faz parte da lista dos indiciados o empresário Paulo César de Barros Morato, achado morto em um motel na cidade de Olinda, no Grande Recife, dois dias depois da deflagração da Operação Turbulência. Segundo laudos dos peritos pernambucanos, Morato morreu por envenenamento. Depois, a polícia confirmou que ele tinha cometido suicídio.
De acordo com o MPF, os acusados foram divididos em categorias, conforme o papel desempenhado. Entre os líderes, estavam João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho, Eduardo Freire Bezerra Leite e Apolo Santana Vieira, três dos réus que tiveram pedido de habeas corpus aceito pelo STF no dia 13 de setembro.
Em 8 de novembro de 2016, o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) determinou o arquivamento do processo contra os investigados da 'Operação Turbulência'. A Corte considerou que, para existência do crime de organização criminosa, a prática de lavagem de dinheiro teria que estar claramente descrita na denúncia do Ministério Público Federal (MPF).

Cunha trabalha para minar a reeleição de Maia


Blog do Camarotti
O Palácio do Planalto já identificou uma movimentação do deputado cassado Eduardo Cunha na disputa pelo comando da Câmara dos Deputados.
Para surpresa de integrantes do governo, mesmo de Curitiba, onde está preso, Cunha tem trabalhado contra a candidatura à reeleição do atual presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).
Cunha tem mandado recados através de interlocutores que o visitaram em Curitiba.
Integrantes da tropa de choque de Rodrigo Maia demonstram preocupação com a tentativa de Cunha de interferir no processo. Avaliam que ele estimula ações no Judiciário questionando a Constitucionalidade da reeleição de Maia.
Cunha tem enviado orientações para que sejam realizados todos os esforços para garantir um segundo turno na eleição e, com isso, tentar embaralhar o jogo. A estratégia é esvaziar o favoritismo de Maia.

PMDB oficializa Eunício à presidência do Senado

A bancada do PMDB decidiu, na manhã de hoje, por aclamação, oficializar a candidatura do senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) para a presidência do Senado e escolher o ex-presidente Renan Calheiros (AL) para liderar a bancada na Casa.


A reunião ainda continuava por volta das 12h na residência oficial de Renan para que fossem definidos os outros cargos da Mesa Diretora – e as presidências das Comissões.

Dinheiro da compra de avião saiu de empresa investigada

Parte do dinheiro utilizado para a compra do avião do então candidato à Presidência Eduardo Campos (PSB), que morreu em 2014, partiu da nova empresa investigada pela Polícia Federal na operação Vórtex, deflagrada hoje. O superintendente da PF informou que não revelaria o nome da companhia, nem dos sócios levados para depor na sede do órgão, mas o blog apurou que se trata da empresa Lidermac Construções, pertencente aos empresários Gerson, Gláucio e Rodrigo Carneiro Leão.
Segundo as investigações, esta companhia repassou R$ 159.910 para a Câmara & Vasconcelos, empresa identificada como sendo apenas de fachada na Operação Turbulência. Este exato valor foi repassado, dois dias depois, para a empresa dona do avião que vitimou o ex-governador de Pernambuco.
“O que chamou a nossa atenção foram os valores fracionados e transferências com apenas dois dias de diferença. O terceiro ponto é a conta da Câmara & Vasconcelos, que era usada para lavagem de dinheiro, como se quisesse mascarar quem estava fazendo aquela transferência”, apontou a delegada Andrea Pinho.
Ao investigar mais a fundo a empresa, a Polícia Federal resolveu levantar dados dos sócios e os seus contatos. Foi visto, então, que as doações a candidatos e partidos políticos em anos de campanha aumentaram exponencialmente. "Chama a atenção as doações que essa empresa fez para campanhas eleitorais, a evolução de 2006 a 2014. Se em 2006 eram da ordem de R$ 30 mil, de 2014 em torno de R$ 3,8 milhões para deputados e partidos", detalhou o superintendente.
Dos R$ 87,5 milhões em contratos com o governo do Estado, entre os anos de 2010 a 2016, R$ 75 milhões foram registrados durante o período que o ex-governador esteve no poder. "Estamos levantando a procedência desses contratos, tem contratos com outras instituições. Não quer dizer que esses contratos seja irregulares", destacou Diniz.
A relação dessa empresa com doações para políticos também está sendo apurada pela PF. "Outras questões demonstrarem estranheza. Essa empresa, ao longo dos anos, tem recebido por intermédio de contratos firmados com o governo estadual muitos recursos para várias obras e serviços. Isso também será objeto de levantamento. A suspeita é que a empresa tenha uma relação muito próxima com partidos políticos e dirigentes. Vamos ver ainda se houve uma forma de retribuição em doações de campanhas", afirmou.
As doações de campanha ocorreram entre os anos de 2006 a 2014. Em 2006 foram R$30 mil, 2008 (R$ 3mil), 2010 (R$ 270 mil), 2012 (R$1 milhão) e 2014 (R$3,856 milhões). Foram apreendidos documentos, comprovantes de depósito, HDs e mídias em geral. O material recolhido será analisado e as informações cruzadas com os dados da Operação Turbulência.
Dos quatro sócios que tiveram mandado de condução coercitiva emitidos, três já foram ouvidos. De acordo com a delegada, o quarto não estava no Recife, mas já se comprometeu em se apresentar às autoridades.
Vórtex
A Operação Vórtex é originada na Operação Turbulência, que investiga uma organização criminosa suspeita de lavagem de dinheiro e de ter financiado a campanha do ex-governador. A investigação mais recente analisa, principalmente, uma empresa identificada, mas não alvo dos policiais anteriormente.
Ao todo, foram emitidas dez ordens judiciais, sendo seis mandados de busca e apreensão e quatro mandados de condução coercitiva no bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife. Todos os conduzidos coercitivamente são sócios desta empresa, segundo a PF.
As buscas foram feitas nos bairros de Boa Viagem e Pina, na capital pernambucana, e no município de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife.

PPS apoia candidatura à reeleição de Rodrigo Maia

Por Gabriel Garcia

O PPS decidiu, hoje, apoiar o blocão de apoio à candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RS) para a presidência da Câmara. A eleição, que acontece no dia 2 de fevereiro, definirá ainda os demais cargos da mesa diretora. Na avaliação do líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), a decisão foi natural.
“A escolha foi unânime na bancada e não poderia ser diferente. Nosso partido ajudou a liderar o movimento que levou Rodrigo Maia ao cargo de presidente da Casa após a saída de Eduardo Cunha”, disse.
“Ele fez um ótimo trabalho nesses poucos meses de mandato tampão e mostrou que pode continuar a resgatar a imagem da Câmara e conduzir a votação de importantes reformas que o Brasil precisa”, acrescentou Bueno.
A expectativa é que o bloco de apoio a Rodrigo Maia reúna pelo menos 10 partidos que reúnem juntos mais de 330 deputados.

Aos gritos de ladrão, Eike chega à sede da PF para depor

O empresário Eike Batista chegou à sede da Polícia Federal do Rio de Janeiro por volta das 14h45 desta terça-feira (31) para ser ouvido por delegados e membros da força-tarefa da Operação Lava Jato no Rio.
O empresário, preso por suspeita de pagar propina a agentes públicos, chegou ao local vestindo camisa branca, calça jeans e chinelo de dedo. Ele havia deixado a cadeia Bandeira Stampa (Bangu 9), na zona oeste, por volta de 14h05. O deslocamento até o centro da cidade, onde está situada a sede da PF, foi feito com escolta de agentes federais.
Cerca de 20 pessoas fizeram um coro de "ladrão, ladrão" assim que Eike desceu do carro. Quase uma hora antes da chegada, duas pessoas já realizavam um protesto por conta da presença do dono do Grupo EBX. Um deles, o vendedor de livros Edson Rosa --figura recorrente em manifestações na cidade--, disse ter ido à porta da PF porque a corrupção "é um mal muito grande".
"Mas prefiro que meus cartazes falem por mim", disse, mostrando o cartaz e o travesseiro que carregava em referência ao travesseiro levado pelo empresário durante voo de Nova York para o Rio.
Esta é a primeira vez que Eike depõe depois de a Justiça expedir mandado de prisão contra ele no âmbito da Operação Eficiência, um desdobramento da Operação Calicute (ação que resultou na prisão do ex-governador Sérgio Cabral) e que perpassa pelas investigações da Operação Lava Jato.
Fernando Martins, advogado do empresário, disse que, a princípio, seu cliente não deve optar pela delação premiada. "Por enquanto não há possibilidade de delação", afirmou.
O empresário já foi um dos homens mais ricos do mundo, mas viu seu império ruir nos últimos anos após fracassos no mercado financeiro. Ele é investigado por corrupção durante a gestão de Cabral e acusado de ter pago ao ex-governador US$ 16,5 milhões em remessas ao exterior.
Filho de um empresário da mineração, Eike começou sua vida profissional vendendo apólices de seguro de porta em porta quando morava com a família na Alemanha em paralelo à faculdade de metalurgia em Aachen (Alemanha). No começo dos anos 1980, soube da corrida pelo ouro no Brasil e decidiu largar a faculdade. De volta ao país, começou a fazer negócios na área de mineração.

TSE não decidiu se usará delações da Odebrecht

Blog do Josias
Relator do processo sobre a impugnação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, o ministro Herman Benjamin, do Tribunal Superior Eleitoral, ainda não sabe se irá requisitar o compartilhamento das delações de ex-executivos da Odebrecht. Em viagem de férias, no exterior, ele estranhou a veiculação de notícia segundo a qual já teria decidido pedir cópias dos depoimentos dos delatores da construtora ao Supremo Tribunal Federal.
Em privado, Benjamin fala sobre o tema no condicional. Esclarece que, na hipótese de requisitar o compartilhamento de provas, limitaria seu pedido a eventuais revelações que se refiram ao objeto da ação a ser julgada pelo TSE. Ou seja: as eleições presidenciais de 2014. As 77 delações da Odebrecht foram homologadas por Cármen Lúcia, presidente do Supremo, ontem. A ministra manteve os depoimentos sob sigilo.

Mulher de Cabral pode delatar o Judiciário


Os emissários de Adriana Ancelmo, mulher de Sergio Cabral, que procuraram advogados para a orientá-la numa eventual delação premiada dizem que ela tem um trunfo na manga: o Judiciário, e não apenas do Rio. A nformação é deMônica Bergamo, na sua coluna desta terça-feira da Folha de S.Paulo.
Como advogada e mulher de Cabral -- completa Mõnica, -- ela acompanhou indicações de magistrados e conheceria o relacionamento de alguns deles com o setor empresarial.

Bezerra ganha mais uma de Câmara e Geraldo

Por trás do resultado da escolha do novo líder do PSB na Câmara dos Deputados, ontem à noite em Brasília, é possível captar bastidores que têm tudo a ver com mais um capítulo da disputa interna e surda que se trava entre duas correntes do partido que tendem a medir forças nas eleições de 2018. A nova líder, Tereza  Cristina (MS), que frustrou o sonho de Tadeu Alencar em virar personagem nacional, teve o apoio do senador Fernando Bezerra Coelho e do seu filho, o ministro Fernando Filho, de Minas e Energia.
Fernando se aliou ao grupo do PSB paulista, comandado de São Paulo pelo vice-governador Márcio França, para derrotar a ala hegemônica do partido em Pernambuco, liderada pelo governador e o prefeito do Recife, que lhe negam pão e água.  
A eleição do novo líder do PSB levou Paulo Câmara a usar das suas prerrogativas de demitir o secretário de Turismo, Felipe Carreras, por uma semana,  para este, na condição de mandatário de uma das cadeiras do PSB na Câmara Federal, reforçar a votação em Tadeu Alencar. Mas de nada adiantou. Além da maioria fiel à ala do socialismo paulista, a nova líder contou com o voto velado do deputado João Fernando Coutinho, um ex-eduardista que provou e gostou da cenoura dos Coelhos, virando fiel apóstolo do senador Fernando Bezerra.
Com duas derrotas seguidas - a primeira foi abocanhar o Ministério de Minas e Energia a contragosto do governador - o senador de Petrolina vai se firmando como a grande liderança do PSB pernambucano que contraria com competência os que se julgam dono do partido.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

PT vai à Justiça para garantir vaga na mesa da Câmara


Se a estratégia do PT de lançar candidato próprio à presidência da Câmara inviabilizar o acordo para ser incluído na composição da Mesa liderada por Rodrigo Maia, o partido pretende judicializar a disputa. A sigla se apoia em um artigo do regimento que diz que a minoria tem “assegurado” um lugar entre os dirigentes, ainda que não tenha direito pela proporcionalidade. Petistas dizem que Maia trabalha pelo acerto, mas, se por força de aliados o PT for excluído, o Supremo será a saída.
Em 2015, a corte rejeitou caso parecido, no Senado. A questão é que o regimento da Casa, diferentemente das regras da Câmara, não diz que a minoria tem vaga “assegurada”.
A primeira batalha do PT será fazer com que o STF não considere o caso uma questão interna da Câmara. A segunda, convencer os ministros de que os cargos de suplência não estão incluídos no que o regimento considera como Mesa Diretora.  (Painel - Natuza Nery - FSP)

Temer visita estação de bombeamento em Floresta


Blog da Folha
O presidente Michel Temer (PMDB) já chegou à estação de bombeamento EBV-3 do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco, em Floresta, no Sertão de Pernambuco, para a inauguração da obra. A nova estação vai impulsionar a água do Rio São Francisco por mais 60,9 quilômetros, rumo aos Estados da Paraíba e Pernambuco.
O presidente também participará do anúncio da liberação de mais verbas para ações de convívio com a seca.
De lá, a comitiva, que conta com o ministro Helder Barbalho e o governador Paulo Câmara (PSB), segue para o município de Serra Talhada, onde será inaugurado o novo campus do Instituto Federal do Sertão (IF Sertão-PE), às 11h.

Temer diz que vai inaugurar Eixo Norte ainda em 2017


Blog da Folha
Durante discurso em Floresta, no Sertão, o presidente Michel Temer (PMDB) afirmou que vai inaugurar o Eixo Norte da Integração do Rio São Francisco ainda em 2017. "Ainda este ano, nós vamos inaugurar o Eixo Norte. Fora tantas outras obras complementares que visam a trazer água para região do Nordeste", garantiu o peemedebista.
O presidente desembarcou no município sertanejo para inaugurar a terceira estação de bombeamento (EBV-3) que faz parte do Eixo Leste do Projeto de Integração do São Francisco.
Na ocasião, ele acionou o dispositivo remoto que dá início ao processo de bombeamento da EBV-3 do Eixo Leste da Integração do Rio São Francisco.
Ele também assinou ordem de serviço para a elaboração do Projeto do Ramal do Agreste pernambucano.

Em Serra Talhada, Temer inaugura campus do IF Sertão


Blog da Folha
Após inaugurar a estação de bombeamento EBV-3 do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco, em Floresta, no Sertão de Pernambuco, o presidente Michel Temer (PMDB) viajou para Serra Talhada para a inauguração do novo Campus do Instituto Federal do Sertão Pernambucano.
Além dos ministros Bruno Araújo (Cidades/PSDB), Fernando Filho (Minas e Energia/PSB) e Mendonça Filho (Educação/DEM), acompanham o presidente o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), e os deputados federais Augusto Coutinho (SD), Kaio Maniçoba (PMDB).

Cármen Lúcia tomou decisão que a crise exigia


Blog do Josias
Franzina e baixinha, Cármen Lúcia tomou nesta segunda-feira uma decisão à altura da crise moral que o país atravessa. Educada em colégio de freiras, formada em universidade católica, a presidente do Supremo Tribunal Federal poderia ter confiado à providência divina o futuro da Lava Jato. Mas preferiu não dar sorte ao azar. Ao homologar as 77 delações da Odebrecht, a ministra manteve o ritmo da Lava Jato. Retirou do substituto de Teori Zavascki, ainda a ser sorteado, a chance de pisar no freio.
Cármen Lúcia contrariou interesses e opiniões dentro e fora do Supremo. No Planalto e no Congresso, políticos encrencados nas investigações apostavam que a morte do relator Teori lhes proporcionaria o refrigério de um atraso de pelo menos três meses na tramitação do processo. Na Suprema Corte, parte dos ministros era contra a urgência. Alegava-se que a homologação a toque de caixa era desnecessária e até desrespeitosa com o futuro relator, posto sob suspeição antes mesmo de ser escolhido. Não restou aos contrariados senão dizer “amém” à homologação. A presidente do Supremo cercou-se de todos os cuidados técnicos.
De plantão no Supremo durante as férias dos colegas, cabe a Cármen Lúcia decidir sozinha as pendências urgentes. Ela conversou com os juízes que trabalhavam com Teori. Soube que o relator da Lava Jato havia se equipado para homologar no início de fevereiro os acordos de colaboração da Odebrecht. Só faltava ouvir os delatores, para saber se suaram o dedo espontaneamente. Convidou o procurador-geral Rodrigo Janot para uma conversa. Acertou com o chefe do Ministério Público Federal o envio de uma petição requerendo a urgência nas homologações.
Munida da requisição de Janot, Cármen Lúcia autorizou a equipe de Teori a tocar as inquirições dos delatores. O trabalho foi concluído na última sexta-feira. Simultaneamente, a ministra realizou consultas aos colegas. Avaliou que as opiniões contrárias à homologação eram minoritárias. E escorou-se no regimento do Supremo para deliberar sozinha sobre a matéria, tratando-a com a urgência que a conjuntura requer. Fez isso um dia antes do encerramento do recesso do Judiciário. As férias terminam nesta terça-feira (31). Tomou um cuidado adicional: manteve o sigilo das delações.
A preservação do segredo, recebida com alívio no Planalto e no Congresso, pode ser inócua. Logo começarão os vazamentos dos trechos que ainda não chegaram ao noticiário. Mas Cármen Lúcia livrou-se de críticas, porque manteve o formato das decisões tomadas anteriormente pelo próprio Teori. O antigo relator só levantava o sigilo dos acordos de colaboração depois que a Procuradoria da República requisitava a abertura de inquéritos na Suprema Corte.
Com o aval de Cármen Lúcia, o Ministério Público pode dar sequência às investigações, equipando-se para processar e punir os envolvidos. Parte do material será enviada para Curitiba, onde são moídos os investigados que não dispõem do foro privilegiado do Supremo. A conjuntura intimava Cármen Lúcia a agir com destemor. E a ministra preferiu não transferir a tarefa para Deus.

Governador comemora investimentos de Temer


Após sua passagem pelo município de Floresta, o governador de Paulo Câmara seguiu para Serra Talhada, no Sertão do Pajeú, onde participou da inauguração da sede definitiva do Instituto Federal do Sertão. Com investimentos na ordem de R$ 11,7 milhões, a unidade oferece os cursos técnicos refrigeração, climatização e logística, com capacidade para atender 1.030 alunos. Na companhia do presidente da República, Michel Temer, e do ministro da Educação, Mendonça Filho, o chefe do Executivo defendeu a importância do equipamento no desenvolvimento educacional da região.
"A educação é o maior valor que todo governante deve defender. E Pernambuco tem dado provas que está fazendo uma educação que busca o futuro. E isso só é possível quando oferecemos condições suficientes para que os alunos possam aprender e que os professorem possam ensinar com eficácia. Sabendo disso é que a gente não pode descansar. Vamos fortalecer as parcerias e promover a transformação na vida dos nossos jovens através do ensino público de referência em todo o Estado", pontuou Paulo Câmara.
O governador ressaltou que a IF Sertão é uma mostra de que parcerias entre os entes da federação são essenciais para o avanço de conquistas demandadas pela população. "É um caminho para superarmos a crise, assegurando cada vez mais ações para o nosso povo", registrou.
Erguido às margens da rodovia PE-360, na zona rural do município, o novo prédio possui uma área construída de 5.577,37m², contemplando 12 salas de aula, quadra poliesportiva, refeitório, biblioteca, auditório, anfiteatro e laboratórios. Com a nova sede definitiva, a unidade prevê a criação de dois novos cursos. Antes da inauguração, a unidade funcionava em uma sede provisória, cedida pela prefeitura.
Em seu discurso, o presidente da República, Michel Temer, defendeu os investimentos em educação como prioritário para a conjuntura. "Fico feliz em voltar a Pernambuco para entregar esse importante polo, que vai, sem dúvidas, fazer a diferença no ensino dos nossos alunos. Os investimentos estão sendo liberados. E são momentos importantes como esse que devem ser comemorados", salientou.
Na ocasião, foram liberados R$2,1 milhões, pelo Governo Federal, para a aquisição de equipamentos de tecnologia da informação, mobiliário para copa, cozinha e área de convivência.
O ministro Mendonça Filho ressaltou os benefícios que investimentos como esse têm proporcionado aos municípios e região. "Essa entrega de hoje vai de encontro a uma necessidade básica de transformação da sociedade, que é justamente o investimento na área da educação", pontuou.
Para o prefeito Luciano Duque, Serra Talhada vem conquistando cada vez mais seu espaço como polo educacional regional de referência. "Hoje alcançamos um patamar que muito nos alegra. Essa unidade significa o surgimento de novas oportunidades, de novas expectativas para o desenvolvimento educacional local. Nossos jovens estudantes vão poder contar com um ensino técnico de qualidade, atendendo as necessidades de mão-de-obra da região", frisou.
Acompanharam o governador no evento os secretários estaduais Frederico Amâncio (Educação) e Antônio Carlos Figueira (Casa Civil), o presidente da Companhia Pernambucana de Saneamento e Água (Compesa), Roberto Tavares; além dos deputados deferais Fernando Monteiro, Augusto Coutinho, José Patriota e Caio Maniçoba. Os ministros Fernando Filho (Minas e Energia), Bruno Araújo (Cidades) e Raul Jungmann (Defesa) também participaram da solenidade.

Fachin diz que seguirá definições de Cármen no STF


Ivanir José Bartot – Blog Os divergentes
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, retorna amanhã a Brasília com a disposição de um soldado na solução para a relatoria da Lava Jato.
“Seguirei a definição da presidente [Cármen Lúcia] e o melhor interesse do colegiado”, limitou-se a dizer Fachin a alguns de seus colaboradores diretos que o indagaram sobre o assunto.
Já é dado como certo que Edson Fachin será transferido da primeira para a segunda turma da corte, que cuida da Lava Jato. Não há, no entanto, até agora, definição se Fachin ficará com o processo. Há a hipótese de que o sorteio do relator do processo fique entre algum dos demais membros da segunda turma.

Cela de Eike tem 15 metros, água fria e 4 beliches


G1
O empresário Eike Batista, que se apresentou nesta manhã de segunda-feira (30) à Justiça brasileira, ficará preso em uma cela da Penitenciária Bandeira Stampa, conhecida como Bangu 9, no Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste do Rio. A cela tem 15 metros quadrados com quatro beliches. A água é fria. As informações são do RJTV.
O cenário é bem diferente da mansão no Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio, onde a Polícia Federal buscou o empresário semana passada - na ocasião, ele já tinha viajado para Nova York. Segundo reportagem da revista Época, o imóvel tem 3,5 mil metros quadrados.
De acordo com a reportagem, agentes penitenciários, que pediram para não ser identificados, contaram que Eike está numa cela da galeria A, um setor da penitenciária onde costumam ficar suspeitos de envolvimento com milícias. O empresário divide a cela com seis outros presos sem curso superior dos processos da Lava-Jato, no Rio.
Na cela de 15 metros quadrados há um buraco no chão chamado de "boi" que serve como vaso sanitário. O chuveiro é um cano de água fria para o banho. O preso pode levar uma televisão e ventilador por conta própria. Eike Batista fará quatro refeições diárias.
O empresário jantou às 17h, mas o cardápio não foi revelado pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap).
O presídio não está lotado, segundo informações do RJTV. São 541 vagas e, atualmente, há 422 presos. Das 26 vagas para trabalho interno, só uma está disponível.
A unidade tem enfermaria, escola, biblioteca e consultório dentário. Os presos podem receber visitas cinco dias por semana. No mês passado, 12 telefones celulares foram apreendidos durante a vistoria.

Eike se fez com PT no poder


Blog Diario do Poder
Os governos do PT abriram os cofres para financiar projetos do ex-bilionário Eike Batista, preso nesta segunda-feira (30) no Rio. Até 2013, ainda no primeiro governo Dilma, o BNDES beneficiou ao menos onze empresas do “Grupo EBX”, de Eike, num total de R$10,4 bilhões em financiamentos diretos. Outros negócios possibilitados pelos governos Lula e Dilma podem ter rendido ao menos R$20 bilhões ao empresário. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
Eike ainda contava com as lorotas da cúpula do BNDES para explicar o dinheiro fácil, definindo os ativos da EBX como “sólidos e valiosos”.
O BNDES também utilizou recursos do FAT, o Fundo de Amparo ao Trabalhador, para bancar as aventuras de Eike Batista.
Lula se utilizou do jatinho de Eike em viagens, e Dilma visitou a EBX, quando em discurso disse que o empresário é “orgulho do Brasil”.
A ordem para financiar as aventuras de Eike com dinheiro público saía do Planalto, nos governos do PT, apesar dos sinais da derrocada.

Temer desembarca mais uma vez hoje em Pernambuco


Presidente tenta reverter baixa popularidade no Nordeste, reduto eleitoral de seus antecessores Dilma e Lula, liberando obras em Floresta e inaugurando novo campus da IFPE em Serra Talhada
Do Diario de Pernambuco
Com a eleição do Congresso “encaminhada com relativa tranquilidade” para o governo, o presidente Michel Temer desembarca hoje, pela terceira vez, no Nordeste, para tentar reverter a sua baixa popularidade na região que, apesar de não mostrar mais tanta fidelidade ao Partido dos Trabalhadores (PT), ainda possui um eleitorado que deu peso aos governos de seus antecessores - Luiz Inácio da Silva e Dilma Rousseff.
A primeira parada de Temer será na cidade de Paulo Afonso, na Bahia, e na sequência vai até Floresta, em Pernambuco, onde autorizará a ligação de trechos de estações de bombeamento do Projeto de Integração do São Francisco e fará a assinatura da Ordem de Serviço para elaboração do Projeto do Ramal do Agreste Pernambucano.
Na sequência, Temer vai a Serra Talhada, também em Pernambuco, onde, ao lado do ministro da Educação, Mendonça Filho, irá inaugurar o novo campus do Instituto Federal do Sertão de Pernambuco. 

domingo, 29 de janeiro de 2017

Cármen Lúcia e duas decisões cruciais para Lava Jato


ESTÁ COM ELA - Sobre a mesa da ministra, a “delação do fim do mundo” e o método de escolha do novo relator da Lava-Jato (Renato Costa/Framephoto/Folhapress)
Nesta semana, caberá à presidente do STF resolver as mais importantes questões para o futuro da Lava-Jato desde que a operação chegou à Corte
VEJA - Renato Onofre e Laryssa Borges
A presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, tomará nesta semana duas decisões importantes para o futuro da Lava Jato, ambas colocadas sobre a sua mesa com a morte do relator do caso, Teori Zavascki.
A primeira é se homologará as delações da Odebrecht. Se optar pela homologação, dará um impulso fundamental à operação — estará sacramentando a maior delação da história do país, com potencial para atingir em cheio governos presentes e passados, além de integrantes de partidos de todo o espectro político.
Se optar por não homologar as delações até terça, estará deixando a tarefa para o novo relator, o que pode atrasar o processo ou mesmo paralisá-lo temporariamente.
A segunda questão deriva da primeira. Ela terá de definir como será escolhido o substituto de Teori na relatoria. Há dois caminhos: sortear o cargo entre os remanescentes da Segunda Turma, da qual o relator fazia parte, ou ampliar a escolha para o plenário do Supremo.
Se as opções ficarem restritas à Segunda Turma, a chance de a relatoria ficar a cargo de um ministro com problemas na Lava Jato é de três para um: Dias Toffoli já foi citado por um investigado na operação; Ricardo Lewandowski foi flagrado em uma reunião com Dilma Rousseff destinada a abafar certas etapas da investigação; e Gilmar Mendes é um crítico contumaz do trabalho do Ministério Público na operação.

Vice- presidência: PMDB tenta evitar racha


Câmara dos Deputados
O Globo - Ilimar Franco

A cúpula peemedebista chega à reta final da disputa pelo comando da Câmara preocupada com a briga na bancada pela primeira vice-presidência. O governo teme que a falta de acordo por um nome único tenha reflexos na conduta dos deputados durante o semestre. Com reforma da Previdência e trabalhista pela frente, o sonho do presidente Michel Temer é ter pelo menos os 65 deputados peemedebistas jogando junto do governo.



Há quase 10 deputados do PMDB - Lúcio Vieira Lima (BA) (foto), José Priante (PA), Sérgio de Souza (PR), Carlos Marun (MS), Elcione Barbalho (PA), Valdir Colatto (SC), Fábio Ramalho (MG) e Osmar Serraglio (PR) - com pretensões de se tornar vice-presidente da Câmara, cargo que ganhou ainda mais importância depois do impeachment da ex-presidente Dilma. Isso porque, sem vice, o presidente da Câmara se tornou o primeiro substituto do presidente Temer, em casos de ausência dele, e, por consequência, o vice da Casa tem mais oportunidades de assumir o controle no Congresso.
Entre os deputados, hoje, Lúcio Vieira Lima, irmão do ex-ministro Geddel, é visto como o mais forte. Incomoda aos colegas notícias de que o governo está pedindo votos para ele. Diante do desconforto, Temer orientou o núcleo político a repetir o mantra de que não está interferindo na disputa e que a escolha cabe apenas aos deputados.
Na sexta-feira, o líder da bancada, Baleia Rossi (SP) (foto), mandou mensagem aos colegas comunicando que a escolha será feita na terça-feira.
-- Espero que, depois do resultado, sejamos um só time defendendo nosso candidato oficial. Trabalharemos sempre pela união da bancada. Essa é a posição também do nosso governo, que não está interferindo nesse processo e respeitará a vontade de nossa maioria -- disse o líder.
No texto, ele pede ainda que os perdedores não se lancem como candidatos avulsos. 

SEIS INDICADOS SÃO FINALISTAS PARA VAGA NO STF

Diário do Poder

De todos os nomes citados para ocupar a vaga aberta com o súbito falecimento do ministro Teori Zavascki, no Supremo Tribunal Federal, seis têm chances maiores. Na “pole position” está o ministro Ives Gandra Filho, presidente do Tribunal Superior do Trabalho, mas três ministros do Superior Tribunal de Justiça são igualmente muito fortes: João Otávio de Noronha, Mauro Campbell e Luís Felipe Salomão. 
Os outros dois candidatos à vaga no STF são ministros de Temer: Grace Mendonça (AGU) e Alexandre de Moraes (Justiça).
Em campanha para o Supremo, Alexandre de Moraes tem feito chegar ao presidente Michel Temer todas manifestações de apoio que recebe.
Temer já fez a sua escolha e a anunciará imediatamente, tão logo o STF designe o novo relator da Lava Jato, em lugar de Teori Zavascki.