quinta-feira, 6 de junho de 2013

TRAIÇÃO

O que mais se ouve em Brasília é que o senador Jarbas Vasconcelos perde o controle do PMDB no Estado, se o partido superar a crise com o Governo e apoiar a reeleição da presidente Dilma. E há um agravante de arrepiar: Raul Henry, cria de Jarbas, hoje praticamente atrelado ao Governo e integrante do PMDB governista, ficaria para fazer o jogo, desatrelando-se, assim, do velho aliado. Já não se fazem mais discípulos fiéis como antigamente.

"Governo Dilma é um samba do crioulo doido"

Após a presidente Dilma Rousseff (PT) vetar treze dispositivos da Medida Provisória 595, a MP dos Portos, que regulamenta o setor portuário do Brasil, o deputado federal Augusto Coutinho (DEM-PE) criticou, nesta quinta-feira (6), a postura da petista. "O governo é atabalhoado. O que a base [governista] acerta, a presidente não cumpre. A presidente é autoritária e todo mundo sabe", disse o democrata.
Na oposição, os parlamentares acreditam que Dilma Rousseff mostrou que a palavra do governo não vale nada diante do Parlamento. Um dos pontos retirados pela presidente foi a prorrogação obrigatória de concessões em portos públicos por mais de 25 anos - podendo chegar a 50. "Essa é a forma de ela tratar seus subordinados. Isso é um verdadeiro samba do crioulo doido e a base está desgastada”, alfinetou Coutinho.

A aprovação do texto final da MP dos Portos aconteceu na manhã do último dia 16. Após 37 horas de debates, bate-bocas, tumultos, acusações e incertezas, a matéria seguiu para o Senado, que ratificou a posição da Câmara.

Segundo Coutinho, a bancada estadual se posicionou e tentou mudar o texto através uma emenda, garantindo a flexibilização do projeto, mas foi derrotada pela maioria. Na ocasião, o democrata disse que o resultado favorável à MP dos Portos já era esperado, mas o desgaste entre base e governo foi além.
Com o posicionamento de Dilma, tende a se fortalecer um movimento já crescente na Câmara dos Deputados para que o Congresso Nacional aprecie vetos presidenciais.