domingo, 31 de janeiro de 2016

Fora Dilma !!!


Advogado de Zé Dirceu diz que ele já pagou os seus “pecados”

José Dirceu - Foto Victor Soares- hor-ABr
O advogado Roberto Podval, que defende o ex-ministroJosé Dirceu, disse em coletiva de imprensa neste final de semana que ele “admitiu suas culpas” em depoimento que prestou perante o juiz Sérgio Moro, na última sexta-feira (29).
Segundo Podval, o ex-ministro respondeu todas as perguntas do juiz e não escondeu absolutamente nada. Disse ser verdade, por exemplo, que o lobista e “delator premiado” Milton Pascowitch pagou a reforma de um apartamento e de uma casa de sua propriedade, conforme havia contado ao Ministério Público.
“Os seus pecados, o Zé Dirceu admitiu. Tentou ser o mais claro possível, o mais correto possível. É só olhar as propriedades, o dinheiro que ele (Dirceu) tem para saber qual é a verdade disso. Muitos delatores devolveram muito dinheiro, R$ 80 milhões, ficaram com R$ 40 (milhões), estão soltos e dando risada por aí. O Zé está preso”, declarou o criminalista.
De acordo ainda com sua versão, “O Zé Dirceu admitiu que fez negócio, que permitiu que o Milton Pascowitch pagasse a reforma do apartamento e da casa”, ressalvando, porém, que “isso era uma coisa dele com o lobista e não tinha nada a ver com propina ou coisa que o valha.
“Imagino que o Pascowitch se aproveitou da situação e ‘vendeu’ o Zé. O Zé sempre permitiu ser usado por terceiros que ganharam milhões às suas custas. Estão rindo aí, andando por aí, e o Zé Dirceu preso. É ridículo”.
Por outro lado, o ex-ministro teria negado ser o pai da indicação do engenheiro Renato Duque para a Diretoria de Serviços da Petrobras. Segundo ele, a indicação teria partido de Sílvio Pereira, o “Silvinho”, secretário geral do PT em 2005.
“Não indiquei Renato Duque, eu não o conhecia. E não tinha nenhum interesse pessoal na indicação dele. Como ministro da Casa Civil, assinei (a nomeação). E não tiro a minha responsabilidade”, teria dito o ex-ministro.
Dirceu também teria confessado que viajou várias vezes num jatinho do também lobista e “delator premiado” Julio Camargo. “Os aviões me foram cedidos. A vida inteira me foram cedidos. Foram cedidos por ele (Júlio Camargo), foram cedidos por outros”, declarou.
Segundo Podval,  “era bacana ser amigo do Zé Dirceu. Era bacana oferecer o avião para o Zé Dirceu. Claro, nas costas dele estavam ganhando dinheiro em cima disso”.
Enquanto isso, o ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE) continua aguardando na prisão, em Curitiba, que sua delação seja homologada pelo ministro Teori Zavascki (STF), fato que ainda não ocorreu porque faltam provas.

O Brasil avança na corrupção e cai no “ranking” da democracia

José Mujica - foto Agência Brasil
Levantamento feito pela ONG “Transparência Internacional” constatou que em 2015 o Brasil caiu da 69ª para a 76ª posição no “ranking” dos países mais corruptos do mundo.
Os países menos corruptos do mundo são, de acordo com esse levantamento, Dinamarca, Noruega e Suécia. Considerando-se apenas a América Latina, os três países menos corruptos são Uruguai (cujo ex-presidente Pepe Mujica, mora num modesto sítio nos arredores de Montevidéu e anda num fusca 82), Chile e Costa Rita.
Após a divulgação dessa notícia, que não deixa bem na fita o nosso país, foi divulga outra neste final de semana que também não nos orgulha.
Segundo ela, o Brasil caiu da 5ª para a 8ª posição na América Latina entre 2014 e 2015 no “ranking” dos países mais democráticos do continente. O 1º lugar ficou com o Uruguai.
O Democracy Index, feito pela Economist Intelligence Unit, classifica as nações como “democracias plenas”, “democracias com falhas”, “regimes híbridos” e “autoritários” considerando cinco critérios, a saber: processo eleitoral e pluralismo; funcionamento do governo; participação política; cultura política e liberdades civis.
O Brasil obteve nota 7 (sete). No quesito “cultura política” obteve nota 3,8 e no critério “processo eleitoral e pluralismo”, nota 9,6.
Já no quesito “participação política” ficou com nota 5,6 e no quesito “funcionamento do governo” com nota 6,8.
De acordo com esta avaliação, a democracia mais avançada do continente é a do Uruguai, que obteve média geral de 8,2.
Da 2ª até a 16.ª colocação, os países são considerados “democracias com falhas”. A partir da 17ª, são considerados “regimes híbridos”. Foram considerados autoritários apenas dois países: Haiti e Cuba.
O levantamento classifica apenas 20 países como democracias plenas: Noruega, Islândia, Suécia, Nova Zelândia, Dinamarca, Suíça, Canadá, Finlândia, Austrália, Holanda, Luxemburgo, Irlanda, Alemanha, Áustria, Malta, Reino Unido, Espanha, Ilhas Maurício, Uruguai e Estados Unidos.
São 59 os países classificados como “democracias com falhas”, entre eles o Brasil, e 37 como “regimes híbridos”. Já 51 países foram considerados “autoritários”.

Temer sinaliza apoio a Jarbas para presidente da Câmara


Michel Temer cumpriu agenda no Recife ao lado de Jarbas Vasconcelos e Raul Henry
(Foto: Katherine Coutinho / G1)
Do G1 PE - Katherine Coutinho
'Já cheguei a conversar com ele', disse o presidente nacional do PMDB.
Michel Temer participou de evento do partido em Pernambuco.
Buscando a reeleição como presidente do partido, Temer passou também pelos estados da Paraíba e Rio Grande do Norte. No Recife, reconheceu que o partido é fragmentado, mas destacou que isso não significa desunião. “O PMDB teve muitas divergências ao longo do tempo e continua divergindo internamente. O que não significa desunião, porque nos momentos mais dramáticos do país, o PMDB sai da divergência para a convergência”, afirmou aos jornalistas.
Apesar da fala do presidente do partido, Jarbas se recusou a comentar o assunto antes da saída do atual presidente da casa, Eduardo Cunha. “Eu só discuto isso a partir da saída de Cunha, não vou disputar um cargo que não existe”, afirmou. O deputado federal deixou claro seu apoio à reeleição de Temer ao longo do evento.

Caminhada
Uma intensa chuva caiu sobre o Recife na tarde desta sexta-feira (29) e causou inúmeros transtornos, atrasando inclusive a comitiva de Temer, que deveria chegar ao local do evento às 17h30, mas chegou após as 20h. Além de um atraso para sair de Natal, a comitiva enfrentou mais de duas horas de engarrafamento. Temer chegou apenas por volta das 20h, depois de saltar do carro a cerca de 300 metros do local do evento e ir caminhando.
A convenção nacional que vai eleger a nova direção do PMDB acontece no dia 19 de março. Os dirigentes da Fundação Ulysses Guimarães (FUG), os ex-ministros da Aviação Civil, Moreira Franco e Eliseu Padilha, acompanharam Temer na caravana do partido.
O presidente nacional do PMDB destacou a necessidade do apoio da sociedade durante discurso no evento, voltando a citar a questão de um nome próprio para o governo em 2018. “Nós temos que ter em 2016 uma presença muito significativa em todos os municípios do Brasil. Isso vai permitir que nós sejamos governos em 2018”, apontou.

Jarbas: Temos de manter Temer na presidência do PMDB


Do Portal Pernambuco 247
“Fique descansado. Aqui é um estado sério e o senhor contará com apoio de cabo a rabo votando em você.”
O deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) manifestou apoio público à reeleição do vice-presidente da República, Michel Temer, à presidência nacional do partido.
“Fique descansado. Aqui é um estado sério e o senhor contará com apoio de cabo a rabo votando em você. Com absoluta clareza e transparência sabemos ser o rumo que o PMDB deve permanecer", afirmou ele, durante evento no Recife. “Quem estiver preocupado com este câncer nacional que é o PT tem que manter Temer na presidência do PMDB”, complementou.
Críticos ferrenho do PT, Jarbas não poupou críticas ao governo da presidente Dilma Rousseff. “O PMDB contribuiu com isto que está ai? Quem desmantelou e está deixando a Petrobras em frangalhos? Se existem digitais partidárias, são as digitais do PT, com todos os dez dedos”, criticou.
O ex-governador de Pernambuco sugeriu a Temer que o partido deveria assumir alguns compromissos públicos e listou ao menos dois, no evento que o PMDB local realizou para anunciar apoio à reeleição do presidente do PMDB. “Devemos lutar pelas reformas. Uma delas é a reforma da previdência. A outra é a flexibilização da CLT, da era Getulio Vargas. Temos que enfrentar a CUT e sindicatos”, disse Jarbas a jornalistas.
A agenda de Temer faz parte da chamada “Caravana da Unidade”, que percorrerá as cinco regiões do País com o objetivo de fortalecer o partido para as eleições de 2016 e 2018. São cada vez mais fortes os rumores de que membros da sigla apoiam uma candidatura própria na próxima eleição presidencial. 
De acordo com a legenda, a ideia da caravana é realizar uma série de encontros para mobilizar o PMDB e garantir candidaturas majoritárias do partido em todas as capitais do País. “O objetivo é eleger o maior número de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores com vistas a consolidar o partido para o pleito de 2018, quando o PMDB lançará candidatos também aos governos dos estados e presidência da República”, diz a nota no site da sigla.

Novo delator deve citar sociedade com filho de Lula


Fábio Luis Lula da Silva (Foto: Estadão)
De O Globo
Segundo 'Veja', ex-dirigente diz que Andrade Gutierrez teria sido pressionado a colaborar
O ex-presidente da holding Andrade Gutierrez (AG) Otávio Azevedo decidiu incluir na negociação de seu acordo de delação premiada informações sobre a sociedade entre a antiga Telemar e a Gamecorp, que tem entre seus sócios o Fábio Luís, o filho mais velho do ex-presidente Lula. A informação é da revista"Veja". Segundo a revista, Azevedo dirá que a antiga Telemar, que tinha a Andrade Gutierrez entre os controladores, comprou 30% da Gamecorp "a pedido de Lula". O negócio foi fechado em 2005, por R$ 5 milhões.
O executivo teria, de acordo com a reportagem, confidenciado a advogados que, após o governo Lula ter alterado a legislação para permitir que a Telemar/Oi se fundisse com a Brasil Telecom, três anos depois, os sócios da Gamecorp e integrantes do governo "passaram a exigir mais ajuda financeira" do grupo.
Com a pressão, diz a reportagem, a Andrade Gutierrez, por meio da Oi, passou a contratar serviços desnecessários da Gamecorp e foi estabelecido "um canal permanente de repasse de dinheiro" para Fábio Luís e seus sócios, entre eles Fernando Bittar e Jonas Suassuna. Os dois sócios do filho do ex-presidente são os donos formais do sítio de Atibaia usado por Lula, que teve parte da reforma bancada por empreiteiras.

Sítio recebeu barco em nome de mulher de Lula


Ex-primeira dama, Marisa Letícia adquiriu embarcação em 2013, diz jornal
De O Globo
O sítio em Atibaia (SP) frequentado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva serviu como endereço de entrega de um barco de pesca comprado por sua mulher, Marisa Letícia, em 2013. A informação foi publicada pela "Folha de S. Paulo" neste sábado. Novo alvo de investigação da Operação Lava-Jato, o imóvel está registrado em nome de Fernando Bittar e Jonas Suassuna, ambos sócios de Fábio Luis Lula da Silva, o Lulinha, filho de Lula, na empresa Gamecorp. Na sexta-feira, o ex-presidente admitiu que frequenta o local desde que deixou a Presidência, em 2010.
A embarcação, modelo Squalus 600, da marca Levefort, foi adquirida em 27 de setembro de 2013, por R$ 4.126, e entregue no sítio. A nota fiscal da compra leva o nome de Marisa Letícia Lusa da Silva. A exemplo do que aconteceu com o tríplex no Guarujá, reformado pela OAS, os investigadores da Lava-Jato suspeitam que o sítio em Atibaia foi reformado tanto pela OAS quanto pela Odebrecht. A propriedade foi comprada em 2010 e é frequentada por Lula, que passou férias este mês no local.

Uma visita ao sítio


Jânio de Freitas - Folha de S.Paulo
A renovada notícia sobre obras em um sítio que a família de Lula frequentaria, na paulista Atibaia, dá oportunidade à recuperação de dois casos reais da afinidade rural comum a presidentes e empreiteiros. Embora um caso se passasse na ditadura e outro na democracia, a discrição que os protegeu teve a mesma espessura.
A ótima localização de um sítio em Nogueira, seguimento de Petrópolis, não chegava a compensar o aspecto simplório dada à área, nem a precariedade da casa. Em poucos meses, porém, acabou o desagrado do general-presidente com as condições locais. O terreno foi reurbanizado, a casa passou a ser um moderno bangalô de lazer. Surgiram piscina, uma pista de hipismo, estrebaria, estacionamento e um jardim como as flores gostam. Uma doação da empreiteira Andrade Gutierrez ao general Figueiredo, então na Presidência.
Em poucos anos de novo regime, a Andrade Gutierrez podia provar que sua generosidade não padecia de pesares nostálgicos. Proporcionou até uma estrada decente para a fazenda em Buritis, divisa de Goiás e Minas, que o já presidente Fernando Henrique e seu ministro das Comunicações e sócio Sérgio Motta compraram em operação bastante original. Como a democracia tem inconvenientes, dessa vez a estrada foi guarnecida de um pretexto: era só dizer que serviria a uma área que a empreiteira comprara ou compraria na mesma região.
O sítio que não é de Lula, mas recebeu-o em visitas injustificadas para a imprensa e depois para a Lava Jato, entrou nas fartas suspeições de crime quando "Veja" e logo Folha noticiaram, em abril do ano passado: a OAS de Léo Pinheiro "realizou uma reforma em um sítio a pedido do [já] ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva", área de 173 mil m² dos sócios de um filho de Lula.
A descoberta desse fato deu-se, disse a notícia, nas "anotações feitas por Léo Pinheiro no Complexo Médico Penal, em Curitiba". Mas, como ninguém da Lava Jato falou nada, os jornalistas calaram o assunto por sete meses. Ou até que, em novembro, a opinião pública foi blindada com a aparente notícia de que "a Polícia Federal investiga se a OAS beneficiou a família do ex-presidente" Lula "ao pagar por obras" no sítio "frequentado pelo petista e seus parentes". Mas a obra deixara de ser "realizada" pela OAS para ser apenas "paga" pela empresa.
Nove meses depois da revelação, o sítio reaparece, ainda sem um esclarecimento da Polícia Federal e da Lava Jato: não houve delação a respeito, logo, só se investigassem. Nem por isso faltam novidades: sumiram a OAS e Léo Pinheiro e entrou a Odebrecht, empreiteira da moda. Citada por uma senhora vendedora de material de construção e um carpinteiro, com alegada base em alguns recebimentos que tiveram. E a tal anotação de Léo Pinheiro, que falava em OAS? Outra tapeação?
Figuras imaculadas, deve ter sido para não ver os seus novos bens em tal protelação e barafunda que Figueiredo, Fernando Henrique e Sérgio Motta preferiram que ninguém soubesse deles. Mas o sítio de Atibaia mostra bem o quanto fatos relevantes, pelas suspeitas-já-acusações que os utilizam, estendem consequências no tempo e confundem a indefesa opinião pública.
Como o sítio de Atibaia, há muitos fatos e circunstâncias, não só da Lava Jato, na atualidade brasileira.

Congresso Nacional volta às suas atividades nesta terça-feira

Eduardo Cunha
A Câmara Federal e o Senado voltam a trabalhar nesta terça-feira (2) após um recesso de 40 dias.
A Câmara tem vários pontos polêmicos para discutir, entre eles o pedido de cassação – por quebra do decoro parlamentar – do presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Ele deferiu um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, que ainda precisa passar por uma comissão especial e pelo plenário para depois chegar ao Senado.
Cunha fez eleição secreta para a escolha dos membros da comissão, mas o Supremo Tribunal Federal, analisando uma Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental ajuizada pelo PCdoB, decidiu que a votação deve ser aberta e que os membros do colegiado devem ser indicados pelos líderes de bancada.
No Senado, o clima estará menos quente do que na Câmara, a menos que o procurador geral da República faça algum tipo de denúncia contra o presidente Renan Calheiros (PMDB-AL), que também é alvo de investigação na Operação Lava Jato.

Dona Marisa Lula e a canoa de lata


O barquinho vai - Mulher de Lula comprou equipamento e mandou entregar em sítio em Atibaia
Luiz Fernando Emediato
Vamos lá: minha irmã tem uma casa na praia. Nunca tive vontade - nem dinheiro - para ter uma casa na praia. Vou lá de vez em quando. Um engenheiro e construtor amigo da família fez a administração da obra lá e não cobrou (é fato). O resto minha irmã pagou e declarou no IR. Como sempre. Se eu tivesse comprado uma canoa de lata (é este o "barco" de dona Marisa Lula da Silva) e mandado entregar lá, eu - que sou uma figura pública - poderia ser acusado de alguma coisa?
Tenham dó! Arranjem para o Lula ou algum de seus filhos uma "maracutaia" que preste, algo grande, como aquilo que enriqueceu a filha de José Serra (nada contra ele, fique claro, nunca se provou nada contra Serra). Ao contrário do que alguns imaginam, não sou petista nem tenho intimidade com Lula. Mas acho um absurdo, querem matá-lo para não ser candidato em 2018.
Agora que a lagoa do sitio dos meus pais está cheia novamente (ficou vazia por culpa da Dilma, diga-se, que não fez chover lá no cerradinho), vou fazer uma triangulação financeira ilegal e louca com empreiteiras para comprar um transatlântico, igual esse aí do Lula.
Só tenho medo da Folha de S.Paulo descobrir, o MPF do Paraná fazer uma denúncia e o Moro me prender. Afinal, comprar um barco de lata de 5 mil reais me torna um safado, bandido e sem vergonha. Como o sítio não é meu, isso vai provar minha ligação com o sítio dos meus pais e, provavelmente, eles também vão se complicar por isso. Ah, azar. Só os conheço há 40 anos. O Moro terá razão de desconfiar dessa minha relação com eles.

Se meu apartamento falasse


Carlos Chagas
Afinal, o Lula teve, não tem mais, ainda tem e continuará tendo o triplex no Guarujá? Pagou pelo imóvel, não pagou, arcou com as  despesas da reforma feita pela  OAS ou a empreiteira trabalhou de graça por conta  de contratos  celebrados com a Petrobrás?
Por duas vezes o ex-presidente confirmou a propriedade: na declaração de bens exigida para candidatar-se à reeleição, em 2006, e em nota oficial do palácio do Planalto,  em 2010. Ano passado, desmentiu.  Informou   que sua mulher era dona de uma cota da empresa construtora, equivalente ao apartamento.  Mas também não explicou a fonte de renda de D. Marisa.  
A grande pergunta continua sem resposta.  A família Silva pagou pelo imóvel e por sua reforma ou o recebeu como doação da OAS? Nesse caso,  por serviços prestados?
Políticos e triplex costumam não se dar bem.  Carlos Lacerda foi  execrado   quando comprou um, na praia do Flamengo, ao deixar o governo da Guanabara.  

A hora da onça beber brahma


Carlos Brickmann
A panela de pressão está em fogo máximo: o promotor Cássio Conserino, do Ministério Público paulista, intimou o ex-presidente Lula, sua esposa Marisa Letícia e o ex-presidente da empreiteira OAS, Leo Pinheiro, para depor como investigados no caso do apartamento de Guarujá. Acabou a fase do disfarce, em que todo mundo sabia quem estava sendo investigado mas ninguém confirmava nada. Lula, sua esposa e Leo Pinheiro devem depor no dia 17, às 11 horas.

Não é este o único problema do Número 1, como era chamado por amigos empreiteiros. Atribui-se à Odebrecht e à OAS o patrocínio da reforma do sítio de Atibaia, o que pode configurar retribuição por favores recebidos do Governo Federal. O alto funcionário da Odebrecht que coordenou a construção do estádio do Corinthians, Frederico Barbosa, foi identificado por fornecedores e empregados como executor da reforma; e disse que colaborou mesmo, mas só para ajudar, sem cobrar nada, porque, afinal, estava de férias e tinha tempo sobrando. Pois é.

E o Ministério Público Federal vem alcançando pessoas próximas de Lula.

Junte-se tudo - e aquele personagem coberto de Teflon, em que nenhuma acusação grudava, passa a apresentar falhas no revestimento. O curioso é que, normalmente, investiga-se alguém que diz que é dono de algo e se suspeita de que não é. Aqui é o oposto: Lula diz que não é dono do apartamento na praia, nem do imóvel de Atibaia conhecido como Sítio do Lula, que sua família e amigos (entre eles o ex-governador Zeca do PT, do Mato Grosso do Sul) costumam frequentar. Frase de Zeca do PT: "Eu que ensinei o Lula a pescar. Ele é bom de pesca, mas no sitio dele os peixes são criados para que só ele consiga fisgá-los".

Até o prefeito de São Paulo tenta desvencilhar-se do PT

Crédito: Leonardo Prado/Agência Câmara. Deputado João Paulo Lima (PT-PE).
Indicado por Lula em 2012, por ter, segundo o ex-presidente, “cara de tucano”, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, está tentando se desvencilhar do partido, que passa no momento por um grande processo de desgaste devido ao escândalo da Petrobras.
Haddad, segundo informa a imprensa sulista, abriu mão de participar das inserções a que o PT terá direito no rádio e na televisão de 1º a 12 deste mês de fevereiro.
Isto certamente será levado em consideração pelo superintendente da Sudene, João Paulo, que andou admitindo candidatar-se a prefeito do Recife nas eleições de outubro próximo.
João Paulo, que já governou a cidade em duas ocasiões e fez o sucessor em 2008 (João da Costa), acha que é possível vencer a eleição, desconsiderando o fato de que o PT, segundo pesquisas recentes do Ibope, dificilmente elegerá um prefeito de capital nas eleições de outubro próximo.

sábado, 30 de janeiro de 2016

Entre as fadas e as bruxas


Hélio Schwartsman - Folha de S.Paulo
Garoto pobre do Nordeste chega a São Paulo num pau de arara. Com a família premida pelas dificuldades econômicas, estuda pouco, mas torna-se operário no ABC paulista e acaba virando líder de um partido de esquerda. É perseguido pela ditadura e demonizado pelas elites. Empresários ameaçam deixar o país caso ganhe a Presidência. Perde sucessivos pleitos, até que finalmente triunfa. Sob sua gestão, o país cresce como não se via havia décadas e a desigualdade cai significativamente. O povo, reconhecido, não só o reelege como conduz ao posto máximo da nação aquela que ele ungira como herdeira.
A mente humana não resiste a uma boa narrativa. Essa história, nos termos em que a contei, apresenta alguns exageros e muitas omissões, mas nenhuma inverdade. É um conto de fadas democrático, o que ajuda a explicar o enorme prestígio de que Luiz Inácio Lula da Silva goza no exterior e também no Brasil, ainda que em doses minguantes.
E, quando a história é boa, nossos cérebros se esforçam para fazer com que seus personagens se encaixem nos papéis principais, mesmo que para isso tenhamos de sacrificar a precisão e, nos casos extremos, os fatos. É assim que se criam as lendas.
Resta saber se a narrativa lulista resistirá ao cerco de investigações que vai se fechando sobre o ex-presidente. É difícil fazer prognósticos. Líderes carismáticos como Lula são resilientes. Vale lembrar que o petista sobreviveu ao mensalão.
A diferença é que agora não haverá "boom" econômico a socorrê-lo e as suspeitas que pesam contra si não dizem mais respeito a esquemas de governo ou de partido, mas à reforma de imóveis para uso pessoal. O risco para Lula é que a pecha de alguém que não soube resistir a benesses e luxos nababescos se incorpore à sua narrativa, convertendo uma história de enfrentamento de agruras e consagração numa de perdição diante das tentações do poder. 

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

São José do Egito: Lixo na Rua, Cidade Suja, Prefeito Fedorento V.


Jarbas: Capacho e teleguiado disputam a liderança do PMDB na Câmara Federal

Visto como uma referência entre os dissidentes do PMDB, o deputado pernambucano Jarbas Vasconcelos decidiu votar em branco na eleição para líder do seu partido. Disse ao blog que considera “lamentáveis” as duas opções disponíveis. “Um dos candidatos, Hugo Motta, é um teleguiado de Eduardo Cunha. O outro, Leonardo Picciani, é um capacho do governo Dilma. Não sou de me ausentar. Estarei lá. Mas votarei em branco. Não vejo outro jeito.”
Num esforço para convencer Jarbas a votar em Hugo Motta, dois representantes da ala dissidente, os deputados Osmar Terra e Lelo Coimbra, recorreram a um amigo dele. Chama-se Raul Henry. É vice-governador de Pernambuco e presidente do PMDB no Estado. Pediram-lhe que transmitisse um “apelo” a Jarbas. A resposta foi curta: “Diga que você conversou comigo e que eu não aceito nem discutir o assunto.”
“Não posso votar num teleguiado de Eduardo Cunha”, declara Jarbas. “Hugo Motta presidiu a CPI da Petrobras. Foi um blefe. O célebre depoimento do Cunha à CPI, repleto de mentiras, foi arranjado com ele. Não compreendo como o grupo dissidente pode votar nesse rapaz. Considero inconcebível. No início de 2016, chegamos a uma encruzilhada dessas: o PMDB apresenta dois candidatos a líder da bancada muito ruins. E ninguém pensa no lançamento de um terceiro nome.”
Normalmente, a disputa pela liderança de um partido não costuma chamar tanta atenção. Deve-se o alarido em torno da briga entre Picciani e Motta ao pedido de impeachment que corre contra Dilma. Caberá ao líder da bancada do PMDB, maior partido da Câmara, indicar oito integrantes da comissão que analisará o pedido de afastamento da presidente.
Defensor da interrupção do mandato de Dilma, Jarbas exaspera-se: “Nenhum dos dois candidatos defende o impeachment. Picciani negocia ministérios abertamente. O outro, como pau mandato de Eduardo Cunha, submete-se aos interesses dele, que não são os interesses da sociedade.”
O prazo limite para o registro de candidaturas à liderança da bancada do PMDB é 3 de fevereiro. Jarbas estranhou a fixação da data: “Dia 3 já é quarta-feira da semana que vem. Se aparecer outro candidato depois desse dia, não haverá como fazer o registro. Parece que não querem concorrência. É triste ver a que ponto chegou o PMDB.”

Shows superfaturados em São José do Egito

Por Cláudio Soares*
A Prefeitura de São José do Egito gastou em torno de R$ 300 mil para promover a Festa de Reis.  O evento foi realizado entre os dias 5 e 6 de janeiro do corrente ano, tendo como principal atração o cantor Gabriel Diniz.  Enquanto isso, a dengue já pegou todo mundo e até matou pessoas idosas no município.  No único hospital da cidade, que é municipalizado, faltam dipirona, soro, tylenol, e até papel higiênico.  A cidade denominada de berço imortal dos poetas fica localizada no Sertão do Pajeú, a 404 km do Recife, tendo como prefeito Romério Guimarães (PT). 
Na mais recente matéria investigativa promovida por uma rádio local, tendo este jornalista como idealizador, recebemos de uma fonte que devemos preservá-la, as cópias dos contratos dos shows que se apresentaram na referida festa. Em todos os contratos existe superfaturamento em torno de um percentual na casa de 100%.  
Veja, por exemplo, cópia ilustrada do show de Gabriel Diniz. Ele sempre tocou na região por R$ 45 mil, mas no contrato com a prefeitura consta R$ 90 mil reais - e assim ocorreu com Forró Estigmado, Mano Walter e Cheiro de Menina.  Esta última costuma tocar nas cidades vizinhas por R$ 20 mil, mas está escrito que a Prefeitura pagou R$ 42 mil.
Como provamos isso? Através de um contato por telefone entre empresários e representantes das Bandas supracitadas que se apresentaram durante a festividade, como mostra o documento oriundo de dentro da Prefeitura. Os empresários asseguraram, sem saber que estavam sendo gravados, que receberam X, mas nos contratos constam XX.
Isso não é a primeira vez que ocorre corrupção nos contratos de festas realizadas no governo de Romério. A mesma banda Cheiro de Menina, que este ano supostamente teria recebido R$ 42 mil para tocar na Festa de Reis, também, em 2013, e na mesma gestão, teria recebido metade do que constou no contrato - este caso por sinal foi parar no Ministério Público local, que devida as dificuldades para chegar nos responsáveis pelas bandas, ainda continua investigando os suspeitos.
As distorções encontradas entre o que dizem os empresários das bandas e o que está escrito nos contratos variam entre R$ 45 e R$ 22 mil, ou seja, Gabriel Diniz teria recebido R$ 45 mil, a Prefeitura faturou R$ 90 mil. Cheiro de Menina teria recebido R$ 20, mas no contrato está que Prefeitura pagou R$ 42 mil e por aí vai...
'O prefeito, que está com a imagem no fundo do poço, "meio queimado" e este ano haverá eleição, tenta passar para seu eleitorado que sua situação está ótima, basta ver as 30 mil pessoas no centro da cidade', disse um vereador ligado ao prefeito se referindo ao evento. Nesta estatística, o prefeito está equivocado - a cidade só possui 32 mil habitantes. Já um ex-vereador e ex-secretário do prefeito soltou essa: "Crise, que crise? O prefeito vai gastar agora do erário em torno de 200 mil com o Galo da Travessa para satisfazer seu ego".
O galo é uma festa de carnaval antecipado onde o prefeito sai na frente dos trios elétricos, enfeitados só com cruz de beira de estradas. Na verdade, o município de São José do Egito vive seu pior momento. A infestação do mosquito da dengue é maior do que em qualquer cidade do País. É difícil encontrar uma casa para na família não ter mais de uma pessoa contaminada. O prefeito, alegando falta de dinheiro, demitiu mais de 15 agentes de saúde que enfrentavam a larva do Aedes Aegypti - mas não faltam recursos para pagar os contratos de bandas superfaturados.  O lixo toma conta do lugar. A cidade, esburacada, e o povo vivendo pior a pior, feito a cantiga da perua. E ainda tem gente que diz:  "Eita, que prefeito bom!"
*Jornalista e bacharel em direito


Governo cria frente para apurar fraude na merenda


merenda
Estadão Conteúdo – Pouco mais de uma semana após a deflagração da Operação Alba Branca, que investiga suspeitas de fraudes na venda de produtos para merenda escolar em prefeituras de São Paulo, a Controladoria-Geral da União (CGU) e os ministérios da Justiça e da Educação (MEC) anunciaram na quarta-feira, 27, o lançamento de “força-tarefa” para intensificar a fiscalização de desvios de recursos públicos na Educação, sobretudo, os destinados a merenda e transporte escolar.
Operação conjunta da Polícia Civil e do Ministério Público paulista, a Alba Branca atingiu dois importantes nomes tucanos do Estado: Duarte Nogueira, secretário estadual de Transportes do governo de Geraldo Alckmin (PSDB), e o presidente da Assembleia Legislativa, Fernando Capez. Eles foram citados por investigados como beneficiários de propinas do esquema.
Investigados também citaram como participante da organização criminosa Luiz Roberto dos Santos, o “Moita, que foi chefe de gabinete de Edson Aparecido, secretário da Casa Civil de Alckmin Santos foi exonerado um dia antes de a operação ser deflagrada, 19 de janeiro.
Os tucanos rechaçam qualquer envolvimento com o caso. Na quarta-feira, a avaliação do Palácio dos Bandeirantes era que a criação da força-tarefa do governo federal tinha a finalidade de dividir as manchetes com a Operação Triplo X.
O governo federal afirma que a intenção é aumentar o número de auditorias de gestões municipais, para tentar detectar novas fraudes e, assim, realizar mais operações em parceria com a Polícia Federal, para prender tantos agentes públicos como privados envolvidos nos delitos.
O ministro-chefe interino da CGU, Carlos Higino Ribeiro de Alencar, disse que o órgão vai mobilizar mais servidores para intensificar as auditorias e, assim, tentar ampliar o número de operações em parceria com a PF. Segundo ele, de 2003 a 2015, foram cerca de 200 operações, envolvendo desvio de mais de R$ 2 bilhões.
Prioridade
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que a Polícia Federal tratará a “força-tarefa” como prioridade. Na avaliação dele, é “inaceitável” que milhões de reais sejam desviados de áreas como saúde e educação. “Portanto, não pouparemos esforços para que, respeitando o direito de ampla defesa e comprovando que são culpas, vamos punir os responsáveis”, disse.
De acordo com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, a operação Alba Branca poderá ser alvo da “força-tarefa”. “Qualquer operação relacionada à merenda escolar tem recurso federal obrigatoriamente. Portanto, se tem recurso federal, o governo, a PF e a CGU tem obrigação de fiscalizar, acompanhar, monitorar qualquer indício de qualquer ação de irregularidade”, disse.
Apreensão
A operação Alba Branca deixou apreensivo o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista. Duarte Nogueira e Capez, dois quadros do PSDB próximos a Alckmin, foram apontados pelo agricultor Cássio Chebabi, presidente da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf), como supostos beneficiários de propina de 10% em contratos da Secretaria de Educação.
Em caráter reservados, tucanos avaliam a situação de Capez como mais delicada. Aliados do presidente da Assembleia, por sua vez, reclamam da “falta de solidariedade do governo” e lembram que o deputado foi leal ao Palácio. A avaliação no entorno de Capez é que os “estrategistas” de Alckmin tentarão rifá-lo para evitar a contaminação do governo.
Uma mensagem publicada na noite de domingo pelo secretário de Segurança, Alexandre de Moraes, em seu perfil no Facebook, parabenizando a Polícia Civil pela Operação Alba Branca deixou mais carregado o clima entre o presidente da Assembleia paulista e representantes do governo.
“Amigos, dizem que a corrupção é um crime sem rosto, entretanto, o trabalho da Polícia Civil durante a operação ‘Alba Branca’ vem revelando alguns destes corruptos”, escreveu Moraes. O post, que estava no ar até a noite de anteontem, foi apagado da linha do tempo do secretário. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A tensão de Lula

 Chegam notícias de Brasília de que o ex-presidente Lula já teria manifestado contrariedade com a Polícia Federal e convicção de que ele se tornou foco da investigação da Lava Jato. Procuradores da operação afirmaram que todos os apartamentos do condomínio Solaris são alvo da Lava Jato na investigação de um esquema de offshores criadas para enviar ao exterior dinheiro desviado da Petrobras. Neste condomínio, a OAS havia reservado um tríplex para a família do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva Lula. Por Magno Martins.

Henry defende chapa única nas eleições do PMDB

Por Magno Martins
Depois de cerca de quatro ano sem vir ao Recife, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) desembarca na cidade na próxima sexta-feira (29) para pedir votos a correligionários e ser reconduzido à presidência nacional do partido. As eleições internas acontecerão em março. Temer chega à capital pernambucana por volta das 17h30 e será recepcionado no Aeroporto Internacional Gilberto Freyre, na Imbiribeira, pelo deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB) e o vice-governador Raul Henry (PMDB). De lá, eles seguem para o auditório do JCPM, no bairro do Pina, onde Temer fará um discurso.
Em sua fala, o peemedebista deverá destacar a importância da unidade partidária, adiantou Raul Henry. A expectativa da sigla, segundo ele, é que na convenção haja uma chapa única. No entanto, há quem diga que o presidente do Senado, Renan Calheiros, e Álvaro Jucá, irmão do senador Romero Jucá, podem concorrer no pleito. Além de Temer, terão espaço para discursar prefeitos, como o de Petrolina, Júlio Lóssio, Jarbas Vasconcelos e Henry.
Embora a vinda do vice-presidente tenha foco nas questões internas da legenda, os temas nacionais deste ano também podem entrar na pauta. À noite Temer jantará com o governador Paulo Câmara (PSB). O assunto do encontro, definido como “de cortesia”, está em aberto, disse Henry, mas possivelmente deverá entrar na crise político econômica que o Brasil enfrenta.

Operação Triplo X assusta e irrita aliados de Lula

Do blog de Camarotti
Aliados mais próximos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva avaliam que ele virou alvo da Operação Lava Jato com a nova fase deflagrada nesta quarta-feira (27), intitulada Triplo X.

Interlocutores do ex-presidente ouvidos pelo Blog relatam que o clima é de apreensão no Instituto Lula por causa do aprofundamento das investigações da Polícia Federal (PF).

O rumo da Lava Jato, que colocou como foco o condomínio Solaris, no Guarujá, pegou de surpresa o entorno de Lula. Há uma forte contrariedade de petistas mais próximos do ex-presidente com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, acusado por seus colegas de partido de não monitorar o rumo das investigações.

“Está claro que Lula virou alvo da investigação”, comentou um parlamentar da relação pessoal do ex-presidente.

Por esse relato, o próprio Lula já teria manifestado contrariedade com a Polícia Federal e convicção de que ele se tornou foco da investigação da Lava Jato.
Procuradores da operação afirmaram que todos os apartamentos do condomínio Solaris são alvo da Lava Jato na investigação de um esquema de offshores criadas para enviar ao exterior dinheiro desviado da Petrobras. Neste condomínio, a OAS havia reservado um triplex para a família do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva Lula.

“Até o nome da operação é uma referência ao imóvel que estava destinado para Lula”, enfatizou essa parlamentar.

Lula adquiriu, em 2005, com sua mulher, Marisa Letícia, uma cota de participação da Bancoop, quitada em 2010, referente ao imóvel na planta. Ao disputar a reeleição em 2006, Lula informou à Justiça Eleitoral ter pago à Bancoop R$ 47.695,38 pelo apartamento.

Lula teria preferência na aquisição do imóvel, que chegou a ser reformado pela OAS, mas abriu mão da preferência depois que o fato foi noticiado pela imprensa.


Ex-governador do DF e vice inelegíveis por 8 anos

Em sessão judiciária realizada na tarde desta quinta-feira (27), o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) declarou o ex-governador Agnelo Queiroz (PT) e seu vice, Tadeu Filippelli (PMDB), inelegíveis por oito anos.
Por unanimidade, os membros do TR-DF julgaram procedente a Ação de Investigação Judicial Eleitoral impetrada pela Coligação União e Força ( PTB, PR, DEM, PRTB e PMN), que acusava os representados de abuso de poder político, usando publicidade para se favorecerem nas eleições de 2014. Além da inelegibilidade, Agnelo e Filippelli também foram multados em R$ 30 mil.
Segundo a Coligação União e Força, o processo foi instaurado por acreditarem ter fatos suficientes para confirmar que a campanha de Agnelo usou a máquina pública para se favorecer.
Entre os fatos citados no processo constavam a escolha da cor vermelha para as cadeiras do Estádio Nacional Mané Garrincha, mesma cor do Partido dos Trabalhadores, o caráter eleitoral de vídeo institucional do programa de merenda escolar de Agnelo, a participação do ex-governador em evento de troca de geladeiras realizado pela CEB e a intensa veiculação de propagandas institucionais durante o período eleitoral.
De acordo com o relator do caso, houve descaracterização da propaganda, que deve ser de utilidade pública, para a promoção pessoal. A defesa de Agnelo e Filipelli informou que vai recorrer da decisão.

Lula na mira

Bernardo Mello Franco - Folha de S.Paulo
A 22ª fase da Lava Jato teve um alvo claro, embora não declarado. Os investigadores deram mais um passo na direção do ex-presidente Lula, que se descreveu na semana passada como a "viva alma mais honesta" do país.
A nova operação foi batizada de Triplo X, em referência explícita ao tríplex visitado pela família do petista em um edifício no Guarujá. O empreendimento pertence à construtora OAS, enrolada no petrolão.
Em relatório, a Polícia Federal apontou "alto grau de suspeita" sobre a titularidade de imóveis no prédio. "Há indicativos que um tríplex pertence a ele [Lula], mas temos de avançar na investigação", disse o delegado Igor Romário de Paula.
"Se houver um apartamento lá que esteja em seu nome [de Lula] ou que ele tenha negociado, vai ser investigado como todos os outros", emendou o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima.
A posse do tríplex já era investigada pelo Ministério Público de São Paulo, que parece apostar corrida com a força-tarefa de Curitiba. Na semana passada, o promotor paulista Cássio Conserino anunciou que denunciará Lula por ocultação de patrimônio, embora ele ainda não tenha sido ouvido sobre o caso.
A defesa do ex-presidente diz que ele não é dono do tríplex. Afirma que sua mulher comprou uma cota do edifício, declarada à Receita, mas desistiu do negócio.
Aliados alegam que Lula é vítima de perseguição, em complô para afastá-lo da sucessão de 2018. A oposição sonha em vê-lo com roupa de presidiário, como o boneco inflável das manifestações contra o PT.
A ofensiva jurídica fez o ex-presidente perder a imagem de intocável. Nos últimos meses, ele suspendeu as palestras e teve que prestar depoimentos sobre três escândalos diferentes: o petrolão, a suposta compra de medidas provisórias e a teia política da Odebrecht. Pode ser que nenhuma acusação seja provada, mas o estrago político já está feito.



Investigado relata à PF propina a Renan, Jucá e Argelo

Do G!, em Brasíllia
Renan Calheiros, Gim Argello e Romero Jucá teriam cobrado R$ 45 milhões.
Renan nega conhecer depoente; G1 não obteve contato com Gim e Jucá.
O consultor João Batista Gruginski, investigado na Operação Zelotes, disse em depoimento à Polícia Federal ter ouvido do lobista Alexandre Paes dos Santos, conhecido como APS, relato de uma suposta negociação de propina com os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL), Romero Jucá (PMDB-RR) e o então senador Gim Argello (PTB-DF) para que uma emenda a medida provisória fosse aprovada. O suposto suborno, conforme citado por Grugunski, seria de R$ 45 milhões – R$ 15 milhões para cada um dos políticos.
Gruginski anotou em um "diário" detalhes de uma reunião que teve com dois parceiros de negócios, APS e José Ricardo Silva, que também é investigado na Zelotes. De acordo com as investigações, os três trabalhariam para aprovar assuntos de interesse da MMC Automotores, que fabrica veículos Mitsubishi no Brasil, e a Caoa, que monta modelos Hyundai.
A emenda, segundo Gruginski, foi redigida por ele e apresentada para atender a interesses das duas empresas automotivas, que buscavam a aprovação, por medidas provisórias, de normas que lhes assegurassem benefícios fiscais.
"Certa feita, em uma reunião com José Ricardo [Silva] e Eivany [Antonio da Silva], Alexandre Paes dos Santos apareceu e comentou abertamente que os senadores Gim Argello, Renan Calheiros e Romero Jucá teriam solicitado a quantia de R$ 45 milhões, R$ 15 milhões para cada, para viabilizar a emenda que havia sido proposta. No entanto, faz questão de salientar que não sabe se essa informação passada pelo Alexandre é verdadeira", diz trecho do depoimento.