quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Jarbas resolve reagir

Incomodado com a sinalização do PSB ao PT, para uma recomposição no Estado nas eleições de 2018, o deputado Jarbas Vasconcelos, pré-candidato a senador pelo PMDB, já começou a se mexer em busca de alternativas. Convocado ao Palácio pelo presidente interino do Planalto, Rodriga Maia (DEM-RJ), Jarbas recebeu acenos para fazer a transferência do PMDB para o novo DEM, o MUDE. Vai aguardara reforma política, que anda a passos tartaruga, para decidir o que fazer. Na verdade, o deputado está chateado com a punição que recebeu do PMDB, consequência do seu voto pela investigação de Temer pedida pelo STF.

O comando do PMDB é de Fernando Bezerra

Jarbas Vasconcelos não gostou do vazamento da notícia, por este blogueiro, de que o senador Fernando Bezerra Coelho, em fase de despedidas no PSB, está aterrissando no PMDB. Na rádio JC, disse que minha informação era uma “perua”, ou seja, notícia falsa. Mas eu reafirmo: FBC fechou com a direção nacional do PMDB e não chega no partido em Pernambuco como coadjuvante.
Chega para mandar. E mandar muito! Seu grupo será hegemônico no PMDB estadual. Para não passar pelo constrangimento de sofrer uma intervenção, Jarbas, que não queria nem ouvir falar nisso, já aceitou se compor com o senador. Uma perguntinha ao deputado Jarbas Vasconcelos: macaco velho, Fernando Bezerra vai entrar num partido para não ter o controle, depois de tudo que passou no PSB?
Fernando Bezerra ingressa no PMDB para fazer do seu filho, o ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho, candidato a governador. E quem lança um filho para uma eleição majoritária pode prescindir da hegemonia de um partido? Evidentemente que não. O PMDB de Pernambuco, portanto, tem um novo mandatário, mesmo que não assuma, oficialmente, a presidência: Fernando Bezerra Coelho.
A Jarbas, que tem encontro agendado para conversar na semana que vem com o presidente Romero Jucá e o presidente do Senado, Eunício Oliveira, só resta se compor com FBC, o que implica num afastamento automático do PSB e do palanque de Paulo Câmara em 2018. Se quiser sair senador, terá que ser na chapa de Fernando Filho. 

Mais uma trapalhada de Raquel

Repercutiu muito mal em Caruaru e nos meios políticos a escolha da prefeita Raquel Lyra (PSDB) pelo nome do deputado Guilherme Coelho (PSDB) para representar o município na bancada federal em ato formalizado perante a Frente Nacional dos Prefeitos. Muitos entenderam como mais uma desfeita ao deputado Wolney Queiroz (PDT), legítimo representante de Caruaru na Câmara dos Deputados.
Mais do que isso, embora Guilherme seja do mesmo partido da prefeita e um quadro qualificado, não tem vínculos com Caruaru, tendo chegado ao Congresso como parlamentar com base política no Sertão do São Francisco. "Mais um gesto mesquinho com um grupo que foi decisivo para eleição da tucana no segundo turno", disse, há pouco, um integrante da bancada extremamente desapontado com o gesto da prefeita.Por Magno Martins

Lula tem dois objetivos ao atrair PSB


Radar Online
Lula movimentou sua tropa para tentar atrair o apoio do PSB na eleição do ano que vem, seja ele próprio o candidato do PT à presidência ou Fernando Haddad.


Caso consiga, terá duas razões para comemorar: aumentará seu tempo de televisão e esvaziará o nome de Ciro Gomes, a outra alternativa da esquerda ao Palácio do Planalto.

Caravana: Lula de volta hoje a Pernambuco


Uma semana após participar de atos no Recife e em Ipojuca, na Região Metropolitana, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) volta a Pernambuco, dessa vez para marcar presença no Sertão do Araripe. A “Caravana Lula pelo Brasil” aportará hoje pela manhã em Exu, terra do Rei do Baião, Luiz Gonzaga, para visitar o Museu Gonzagão. À tarde a programação será essencialmente política. 
Em Ouricuri, Lula participará do ato “Pelo Semiárido, pelos direitos e por Lula". A cidade é administrada pelo tucano Ricardo Ramos (PSDB). O evento será realizado, a partir das 15h, na Praça da Pátria.
Em Exu, Lula e seus aliados farão uma visita ao Museu Gonzagão, que abriga o acervo original do músico, falecido em 1989. A informação foi repassada pelo presidente estadual do PT, Bruno Ribeiro. De acordo com ele, é inegável a importância do líder petista para o Nordeste
Logo após a visita em Pernambuco, Lula dará sequência à sua caravana tendo Piauí como o próximo destino. A programação terminará no Maranhão, no dia 7 de setembro. Serão ao todo 28 cidades percorridas no Nordeste num espaço de 22 dias. Os organizadores do PT prometem fazer novos roteiros em breve para cidades das regiões Sul e Sudeste do país. (Do Diario de Pernambuco - Cláudia Eloi) 

Rosas garante espaços para PTB, DEM e até PMDB

O presidente estadual do PSB na Paraíba, Edvaldo Rosas, confirmou, essa semana, durante entrevista, publicada no Blog do Marcone Ferreira, que haverá espaços tanto para o DEM, quanto para o PTB e até mesmo para o PMDB na chapa majoritária do grupo girassol, nas eleições de 2018, mas que a cabeça de chapa é projetada para o PSB.

“Nada mais justo que o PSB coloque seus quadros em primeiro plano, e o nome que estamos discutindo, colocando como indicado, é o de João Azevêdo”, avisou. Segundo Rosas, há espaços para agregar o maior número de partidos possíveis, tendo em vista o grande número vagas a serem postuladas, a exemplo do DEM de Efraim Morais, do PTB de Wilson Filho e o PMDB de José Maranhão.

Em 2018, serão duas vagas para o Senado, o que implica em quatro suplências para o Senado, além da vice e a própria cabeça da chapa, para a vaga de governador. “As outras vagas precisam estar destinadas aos outros partidos. A ideia, como podemos observar, é a formação de uma chapa forte e competitiva, que agregue o maior número de aliados”, ressaltou.

Em recente entrevista, o deputado Wilson Filho ratificou a intenção do PTB de permanecer aliado do grupo girassol, indicando o nome do ex-senador Wilson Santiago para ocupar um dos espaços na majoritária. Ainda conforme Wilson Filho, o PTB está fechado com o apoio ao nome de João Azevêdo. “É o melhor para dar continuidade ao projeto”, disse o parlamentar.

PB Agora

Temer desembarca na China para cúpula do Brics


O presidente Michel Temer desembarcou na manhã desta quinta-feira (31) por volta das 9h50 (22h50 de quarta-feira no horário de Brasília) em Pequim onde terá reuniões com o presidente Xi Jinping e investidores chineses, antes de participar da 9ª Cúpula do Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), entre 3 e 5 de setembro na cidade chinesa de Xiamen.
Temer vai apresentar às autoridades e empresários chineses o pacote de concessões e privatizações de aeroportos, portos, rodovias e linhas de transmissão lançado na semana passada pelo governo, que inclui a venda de parte da Eletrobras.
Nesta quinta-feira, Temer terá reuniões com os presidentes das gigantes do setor elétrico State Grid Corporation of China e China Three Gorges Corporation, da empresa de telecomunicações Huawei e do grupo empresarial HNA.
Visita de Estado
Na visita de Estado desta sexta-feira (1º), além do presidente Xi, Temer terá encontros com o primeiro-ministro Li Keqiang e com o presidente da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, Yu Zhengsheng.
Segundo o Ministério das Relações Exteriores brasileiro, a visita ocorre a convite do presidente Xi Jinping e reflete o compromisso dos países com o aprofundamento de sua parceria estratégica. “Na ocasião, deverão ser debatidas medidas, entre outras, para a diversificação do comércio bilateral e a realização de novos investimentos chineses no Brasil, bem como ações de cooperação cultural e consular”, informa, por meio de nota, o Itamaraty.
No sábado (2), Temer participará em Pequim de seminário sobre oportunidades de investimentos, quando apresentará a empresários chineses a agenda de reformas e os projetos de concessões e privatizações do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).
A China é o maior parceiro comercial do Brasil desde 2009. Em 2016, o intercâmbio bilateral alcançou US$ 58,5 bilhões, sendo que as exportações do Brasil para a China totalizaram US$ 35,13 bilhões com um superávit brasileiro de US$ 11,76 bilhões. Este ano, o país asiático comprou 25% de tudo o que foi exportado pelo Brasil. No ano passado, a China foi o terceiro maior investidor no Brasil atrás de Estados Unidos e Suíça com investimentos em setores estratégicos como infraestrutura e energia.(Agência Brasil)

Tempo esquentou entre ministro e indígenas


Ministro a cacique: "Não adianta elevar a voz. Eu não tenho medo de voz alta!" 
'Sofro pressões imensas' de parlamentares contrários aos índios, diz ministro da Justiça
Folha de S.Paulo – Rubens Valente
O ministro da Justiça, Torquato Jardim, disse a um grupo de guaranis da terra indígena Jaraguá em São Paulo nesta quarta-feira (30) durante audiência em seu gabinete em Brasília que tem sofrido "pressões imensas" de bancadas de parlamentares contrárias aos indígenas.
Os guaranis cobraram a revogação de uma portaria de Jardim do último dia 21 que revogou uma portaria ministerial anterior, de 2015, e retirou mais de 500 hectares da terra indígena na capital paulista, reduzida agora a apenas 1,7 hectare, onde vivem cerca de 700 indígenas.
Os índios tomaram nesta quarta-feira (30) a entrada do prédio do escritório da Presidência da República em São Paulo e a entrada do ministério em Brasília para pressionar pela revogação da portaria. Na reunião com Jardim, os índios disseram que a portaria que ele assinou é "genocida", "ilegal e inconstitucional" e impede que os índios continuem lutando na Justiça pela terra.
Com a portaria, o ministro abriu espaço para um plano de concessão à iniciativa privada do governo do Estado, que havia recorrido ao Judiciário para barrar a demarcação da terra indígena.
"Acho que o senhor deve uma explicação aos verdadeiros donos desta terra", disse um dos líderes guaranis, Karai Popyguá, no começo da reunião que foi gravada pelos indígenas. "Agora vem um fato inédito na história das demarcações de terra. Nós queremos saber por que o senhor foi o primeiro ministro a anular uma demarcação que já estava feita." 

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

A razão da debandada de FBC

    Contando os dias para deixar o PSB, o senador Fernando Bezerra Coelho está virando a página da vida partidária na legenda socialista muito mais por implicações no plano nacional. Em Pernambuco, seu ressentimento diz respeito à falta de espaço no Governo Paulo Câmara, mas os que comandam o partido afirmam que ele sempre teve tratamento de verdadeiro e grande aliado.
Um exemplo citado por eles remete às eleições municipais do ano passado. Ali, quando o deputado federal Gonzaga Patriota se achava no direito de continuar sob o comando do diretório municipal do PSB, o governador e o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, agiram rapidamente para entregar o partido ao hoje prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, que pleiteava o direito de ter a legenda.
“Câmara e Geraldo contrariaram não apenas Patriota, mas também o deputado estadual Lucas Ramos, que queria a legenda para ser candidato a prefeito”, relata um integrante da executiva estadual que acompanhou o jogo de perto. Segundo ele, Lucas ainda chegou a ameaçar uma rebelião, mas foi contido pelo governador e o seu chefe de gabinete, João Campos, herdeiro político do ex-governador Eduardo Campos.
Outro fato relevante lembrado pelo PSB estadual diz respeito a um movimento, também freado pelo governador e o prefeito do Recife, envolvendo setores do partido no plano nacional expondo o ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho, filho do senador. Na verdade, esses setores queriam divulgar um manifesto de repúdio pela permanência do ministro na Pasta, quando o partido faz oposição ao presidente Michel Temer.
“Se Fernando quer ou vai sair, a motivação é nacional, porque de nossa parte, na esfera estadual, nunca o partido deixou de atendê-lo”, afirma outra liderança socialista. O senador está esperando apenas uma conversa com o governador para decidir o seu destino partidário. Ele não esconde de ninguém que se motiva pelo novo DEM, que passa a se intitular Mude, tendo ainda um resíduo de esperança pela travessia para o PMDB.

Agendas distintas. Mera coincidência?


Enquanto se especula no Estado uma possível reaproximação do PSB ao PT, depois do jantar que a viúva Renata Campos ofereceu ao ex-presidente Lula, com a presença do governador Paulo Câmara e o prefeito do Recife, Geraldo Julio, em Brasília o deputado Jarbas Vasconcelos, principal liderança estadual do PMDB, que havia torcido o nariz para o gesto do PSB a Lula, teve uma longa conversa com o presidente da República em exercício, Rodrigo Maia, do DEM.
Na pauta, o novo partido que surgirá do DEM, o MUDE. Jarbas já avisou ao PSB Pernambucano que não conte com ele no palanque se o partido firmar qualquer tipo de entendimento com o PT. Outro indicativo de que as conversas dele com Maia podem passar pela sua transferência para o novo partido foi o encontro de Jarbas Filho, seu herdeiro político, com o ministro da Educação, Mendonça Filho.
Jarbas foi punido recentemente pelo PMDB nacional por ter votado a favor da abertura de investigação do presidente Temer, pedida pelo Supremo Tribunal Federal. E há quem diga que sua insistente rebeldia pode lhe custar mais caro: a perda do controle do partido no Estado para o senador Fernando Bezerra.

Deputado diz que postura de FBC impulsiona oposição

A frente de oposição gestada em evento do Ministério das Cidades, na última segunda-feira, em Caruaru, evidenciou a pulverização do governo Paulo Câmara. A avaliação foi feita pelo deputado estadual Álvaro Porto (PSD) em discurso proferido na Assembleia ontem. "A notícia é boa para oposição, que reforça sua musculatura, e é excelente para o povo pernambucano, que vem sofrendo diariamente com a violência, com a precariedade de hospitais e dos transportes públicos. No Recife, na Região Metropolitana e no interior a insatisfação e a falta de esperança das pessoas são gritantes. Nas redes sociais, críticas de manifestações de descontentamento são vistas a todo momento", disse.
De acordo com o deputado, "por isso tudo, o caminho que começou a ser construído no dia de ontem (anteontem) está perfeitamente sintonizado com a realidade que aflige os cidadãos pernambucanos". Ele destacou que não por acaso o discurso mais claro e mais forte em favor da formação da frente tenha partido do senador socialista Fernando Bezerra Coelho. "Isso atesta que se as ruas evidenciam a falta prestígio do governo comandado pelo PSB, internamente a escassez de unidade é óbvia no Palácio do Campo das Princesas. Ou seja, o governo de gestão fraca está se despedaçando a cada dia", frisou.
Nas suas declarações, FBC fez questão de lembrar que em 2006, na campanha em favor do então candidato Eduardo Campos, Caruaru e Petrolina se uniram para apoiar uma candidatura considerada impossível de ser vitoriosa. E, sem fazer arrodeio, arrematou: “Em 2018, oxalá teremos de novo, mais uma vez, a união de Caruaru e Petrolina para que Pernambuco possa voltar a entrar nos rumos do desenvolvimento”. O senador se referia ao fato de ele e do ex-governador João Lyra (presente no evento), líder político de Caruaru, terem se unido lá atrás e agora estarem dialogando sobre a sucessão estadual em 2018.
A fala cresceu em simbolismo porque aconteceu diante do senador Armando Monteiro (PTB), dos ministros da Educação, Mendonça Filho (DEM); das Minas e Energia, Fernando Bezerra Filho (PSB); da Defesa, Raul Jungmann (PPS); e das Cidades, Bruno Araújo (PSDB). Também estavam presentes o ex-governador Joaquim Francisco, 50 prefeitos de diversas regiões do estado, com destaque para Raquel Lyra (PSDB), prefeita de Caruaru, maior colégio eleitoral do interior.
"O governador Paulo Câmara, que no domingo tinha dado como desculpa para ausência de Fernando Filho ao congresso do PSB os preparativos do ministro para uma viagem à China, viu que a realidade é outra. Fernando Filho esteve no evento e mostrou que o caminho da China tinha Caruaru no meio. Aliás, o caminho da oposição para 2018 começou a ser trilhado e também passa por Caruaru", arrematou Álvaro Porto.
O encontro que culminou com o ensaio de aliança da oposição se deu no Alto do Moura, durante a entrega de 2.404 unidades habitacionais do programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal. Mas de 9.600 pessoas passaram a contar com um teto próprio e a dispor da estrutura de uma pequena cidade, com área de lazer, parque infantil, quadra de esporte, salão de festas, centro comunitário e ciclovia. Isso sem falar no fato de que todas as unidades são adaptadas para pessoas com deficiência. Os residenciais Luiz Bezerra Torres I e II custaram cerca de R$ 151 milhões.

Câmara do Recife aprova homenagem a Padre Edwaldo


Blog da Folha
O padre José Edwaldo Gomes ganhará homenagem na capital pernambucana. É que a Câmara Municipal aprovou, por unanimidade, hoje, um projeto para batizar a rua em frente à Igreja Matriz de Casa Forte, com o nome do sacerdote, falecido em julho deste ano.
O projeto, de autoria de Rodrigo Coutinho (SD), renomeou a Rua Casa Forte de Rua Padre José Edwaldo Gomes. Antes, o vereador consultou o Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, que deu parecer favorável à mudança do nome. A matéria segue, agora, para sanção do prefeito Geraldo Julio (PSB).
"O instituto considerou que não há prejuízo com a alteração do nome, visto que já existe a praça de Casa Forte e o bairro de Casa Forte. E a presença do padre Edwaldo naquela área era algo incrível, digno dessa justa homenagem. Não é uma homenagem qualquer. É muito simbólica, muito importante e o padre Edwaldo merece todas as deferências por sua bonita história de vida", destacou o vereador.

Jucá destitui Jarbas e entrega PMDB a Fernando


EXCLUSIVO
O presidente nacional do PMDB, Romero Jucá, comunicou, hoje, em plenário, que fez uma profunda mudança no partido em Pernambuco. Dez dias após punir Jarbas por ter votado a favor da investigação de Temer, destituiu Raul Henry da direção do partido em Pernambuco e entregou o seu comando ao grupo do senador Fernando Bezerra Coelho. Histórico na legenda, Jarbas terá que se abrigar em outra legenda se quiser disputar o Senado. 

Pasadena: TCU condena Gabrielli e Cerveró


Jornal do Brasil
O Tribunal de Contas da União (TCU) julgou hoje (30) irregulares as contas do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli e do ex-diretor da Área Internacional da empresa Nestor Cerveró, por irregularidades na compra da Refinaria de Pasadena, no Texas (EUA). Eles terão que pagar US$ 79,89 milhões em conjunto, mais R$ 10 milhões cada em multas e ficarão inabilitados para exercer cargo público por oito anos.
Essa é a primeira decisão de mérito do TCU sobre as irregularidades na aquisição da refinaria, e tratou apenas de débitos relacionados à assinatura da carta de intenção que foi enviada pela Petrobras à empresa Astra durante as negociações
No caso avaliado hoje pelo TCU, o Conselho de Administração da Petrobras, que era presidido por Dilma Rousseff, então ministra de Minas e Energia, não foi citado, pois reprovou o envio da carta de intenções. Mas a responsabilização do conselho ainda será decidida pelo TCU em outros processos.
Para Vital do Rego, Cerveró agiu com excesso de poder, extrapolando os limites da sua competência, pois não submeteu à diretoria-executiva da Petrobras a proposta que havia sido apresentada à Astra
Em relação a Gabrielli, o relator concluiu que o ex-presidente participou de reuniões e a acompanhou a evolução das negociações para a compra dos 50% remanescentes da refinaria, e instruiu o envio de uma proposta de compra sem o conhecimento da diretoria-executiva da Petrobras

Gilmar Mendes entra de cabeça na reforma política


Radar Online
Agosto está sendo um mês agitado para o ministro do STF Gilmar Mendes. Relembrando o começo dos anos 2000, em que era Advogado-geral da União e, portanto, próximo ao Executivo, Mendes tem se encontrado bastante com o presidente Michel Temer – dentro e fora da agenda.
No primeiro domingo deste mês, o ministro jantou no Palácio do Jaburu. O encontro não consta na agenda de Temer.
Ontem, ele marcou com o presidente da Câmara Rodrigo Maia no TSE. E é a partir daí que Mendes começou a entrar de cabeça na reforma política.
Logo na semana seguinte, no dia 16, ele se encontrou novamente com Maia em sua residência oficial para discutir a reforma. Três dias depois, no sábado, mais um almoço com o democrata com o mesmo assunto.
Já no começo da semana passada (21), o ministro participou de um fórum em São Paulo para discutir… Reforma política! Na quarta-feira (23), encontrou-se com Temer e Moreira Franco sob a mesma pauta. No começo da tarde do mesmo dia, Maia foi ao STF dar continuidade ao tema reformista.
O último encontro registrado com Temer foi no começo da tarde da quinta-feira (24). Não é preciso dizer qual foi o tema da conversa…
Atualização – A assessoria de imprensa do ministro afirma que ele trabalha intensamente pelo tema há meses. E que desde o início do ano faz reuniões com as lideranças partidárias.

Gilmar dá 10 dias para Temer explicar reserva


Gilmar Mendes é o relator de uma ação movida pelo PSOL contra a medida do governo que extinguiu a reserva. Planalto afirma que Renca 'não é um paraíso' e é alvo do garimpo ilegal.
G1 Brasília
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes deu 10 dias para o presidente Michel Temer explicar o decreto publicado nesta semana que extinguiu a Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca), área na divisa dos estados do Amapá e do Pará.
Gilmar Mendes é o relator da ação movida pelo PSOL contra o decreto.
Inicialmente, o governo havia publicado um decreto extinguindo a Renca sob a argumentação de que a reserva "não é um paraíso" e que existe garimpo ilegal na região.
O decreto, contudo, foi alvo de críticas de vários setores da sociedade.
Nesta semana, o governo, então, anunciou a edição de um novo decreto, revogando a medida anterior.
A extinção da Renca foi mantida, mas, segundo o Palácio do Planalto, as regras para exploração mineral na região ficaram mais claras.
Mas o novo decreto passou a ser alvo de diversas contestações judiciais.
A Justiça Federal em Brasília, por exemplo, determinou a suspensão imediata de "todo e qualquer ato administrativo" que busque extinguir a Renca.
Segundo técnicos do governo, a área, com cerca de 4 milhões de hectares, aproximadamente o tamanho da Dinamarca, tem potencial de extração de ouro e outros minerais, como ferro, manganês e tântalo.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Lula volta com Caravana ao Sertão de Pernambuco


Blog da Folha
Após os atos pelo Recife e Região Metropolitana, nos dias 24, 25 e 26 de agosto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) volta a Pernambuco, na próxima quinta-feira. A Caravana Lula pelo Brasil aportará no Sertão do Estado, no município de Ouricuri. Vindo do Ceará, a caminho do Piauí, o cacique petista participa do ato “Pelo Semiárido, pelos direitos e por Lula”, a partir das 15h, na Praça Voluntários da Pátria.
O ato é coordenado pela direção estadual do PT e pelo prefeito de Granito, João Bosco. Para tanto, o presidente estadual da legenda, Bruno Ribeiro, está em contato com o partido na região para mobilizar a participação dos petistas na atividade, que contará com a participação de grupos de artistas e autoridades locais.
“Todo Sertão nordestino tem uma grande admiração por Lula, pelo que ele fez durante os anos de governo em prol das pessoas mais carentes”, disse o prefeito João Bosco. “Estamos passando por cinco anos de estiagem, de seca, mas o homem do campo está conseguindo sobreviver sem passar por necessidades graças aos programas sociais que vão ajudando o produtor a adquirir a sua condição de viver”, concluiu.
Segundo o gestor, programas como Garantia-Safra, programa de cisternas implementado por meio da Codevasf, poços artesianos, a Transposição do São Francisco e o Luz para Todos, além do aumento do piso salarial dos professores, melhoraram a qualidade de vida das pessoas do campo.
A viagem do ex-presidente Lula entre agosto e setembro é a primeira etapa de um projeto que deve alcançar todas as regiões do país nos meses seguintes.
A caravana conta com a participação da Fundação Perseu Abramo, que lançou recentemente o Programa Brasil em Movimento, com o objetivo de elaborar uma estratégia para o futuro do País.
No último sábado, Lula realizou ato da caravana em Brasília Teimosa, na Zona Sul do Recife. A atividade foi a última dos três dias de passagem pela capital pernambucana. No local, ele conversou com os moradores e visitou a Associação de Pescadores do bairro.

Moro nega pedido de defesa de Lula e de Palocci


Do G1
O juiz federal Sérgio Moro – responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância – negou os pedidos das defesas do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT), do ex-ministro Antônio Palocci e de Branislav Kontic, que é ex-assessor de Palocci, para que o processo que eles respondem na Justiça Federal do Paraná fosse transferido para a Justiça de São Paulo.
Os três são réus por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) envolve a compra de um terreno para a construção da nova sede do Instituto Lula e um imóvel vizinho ao apartamento do ex-presidente, em São Bernardo do Campo.
A alegação dos advogados era de que os supostos crimes não têm relação com a Petrobras e que teriam acontecido em São Paulo. Com a decisão, o andamento da ação penal segue normalmente. Os interrogatórios dos réus começam a partir de 4 de setembro. Lula será ouvido, em Curitiba, no dia 13 de setembro.
"Portanto, a competência é da Justiça Federal, pela existência de crimes federais, com, segundo a tese da Acusação, pagamento de vantagem indevida ao então Presidente da República, e especificamente deste Juízo pela prevenção e pela conexão e continência entre os processos que têm por objeto o esquema criminoso que vitimou a Petrobrás investigado no âmbito da assim denominada Operação Lava Jato", explicou Sérgio Moro no despacho de segunda-feira (28).
Condenações na Lava Jato
Lula já foi condenado na Operação Lava Jato a 9 anos e 6 meses de recusão pelos crimes de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro pela ocultação da propriedade de uma cobertura triplex em Guarujá, no litoral paulista, recebida como propina da empreiteira OAS, em troca de favores na Petrobras. A sentença está em segunda instância para julgamento.
O ex-ministro também já foi condenado na Lava Jato. A condenação dele é 12 anos, 2 meses e 20 dias de reclusão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, por negociar propinas com a Odebrecht, que foi beneficiada em contratos com a Petrobras. Antônio Palocci está preso no Paraná.
Branislav Kontic foi absolvido por Sérgio Moro neste processo em que o ex-ministro foi condenado. Após a sentença, o MPF pediu ao juiz Sérgio Moro que aumente as penas aplicadas contra Antônio Palocci e que condene Branislav Kontic.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

PMDB voltará a se chamar MDB para 'ganhar as ruas', diz Jucá

No G1

O presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (RR), anunciou nesta quarta-feira (16) que os dirigentes da legenda decidiram rebatizar a sigla com seu nome original: MDB – 'Movimento Democrático Brasileiro'.
Na prática, o PMDB apenas perderá o "P" de sua sigla, que se refere a "partido". A troca de nome é parte de um movimento que inclui outras legendas para tentar modernizar os nomes da siglas antes das eleições de 2018.
A iniciativa é efeito do desgaste do meio político nos últimos anos por conta de revelações de esquemas de corrupção, como o investigado pela Operação Lava Jato.
A cúpula do PMDB se reuniu nesta manhã para discutir a mudança. A alteração deve ser colocada em votação na convenção nacional da legenda, em 27 de setembro.
Segundo Jucá, a mudança de nome será comunicada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta quarta-feira, mesmo antes de a proposta ser analisada em convenção.
"Quero rebater críticas de que o PMDB estaria mudando de nome para se esconder. Não é verdade. Estamos resgatando nossa memória histórica. Queremos realmente ganhar as ruas. Nós vamos ter uma nova programação, bandeiras nacionais", explicou.
O presidente da legenda disse que a cúpula do partido não discutiu outros temas, como a expulsão dos senadores Kátia Abreu (TO) e Roberto Requião (PR). Segundo Jucá, o partido ainda não tem posicionamento sobre o que será feito.
O partido estuda expulsar os senadores devido às críticas que os dois têm feito ao governo e às reformas propostas pelo governo Michel Temer, como a trabalhista e a da Previdência.

Tendência

O PMDB estudava resgatar o nome desde o fim de 2016. Até então, alguns legendas também optaram por mudar a sigla para se descolar da atual crise política e se aproximar dos eleitores.
O PTN já efetivou a troca para Podemos. O PTdoB virou Avante. O PSDC se intitula agora Democracia Cristã. O PEN quer passar a ser denominado Patriota.

Cid elegeu-se governador em 1958 após liderar uma campanha contra o Código Tributário

Coluna Fogo Cruzado 
Genro do empresário Edson Mororó, que fundou e fez crescer em Belo Jardim a fábrica de baterias Moura, o executivo Paulo Sales está com o nome posto na arena como possível candidato a governador em 2018 com apoio de parte do empresariado. Seria de fato muito bom que nossos empresários participassem mais da vida pública, como já ocorre em outros estados. Mas é importante também ter em mente que Pernambuco, historicamente, sempre elegeu políticos de classe média para gerir os seus destinos. É uma tradição que vem de longe (1946), incluindo os que foram eleitos diretamente pelo povo, indiretamente pela Assembleia Legislativa e os vices que concluíram o mandato dos titulares. Veja a lista: Barbosa Lima Sobrinho, Agamenon Magalhães, Etelvino Lins, Cordeiro de Farias, Cid Sampaio, Miguel Arraes, Paulo Guerra, Nilo Coelho, Eraldo Gueiros, Moura Cavalcanti, Marco Maciel, José Ramos, Roberto Magalhães, Gustavo Krause, Miguel Arraes (pós exílio), Carlos Wilson, Joaquim Francisco, Jarbas Vasconcelos, Mendonça Filho, Eduardo Campos, João Lyra Neto e Paulo Câmara. Nilo e João Lyra tinham vínculo com grupos empresariais, mas não chegaram ao poder por causa disto e sim por serem políticos. A exceção que confirma a regra foi Cid, que ganhou a eleição como empresário (1958) após liderar uma campanha contra o Código Tributário.

Hemobrás continua em Pernambuco


O ministro da Educação, Mendonça Filho, teve uma audiência, hoje, com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, sobre as operações da Empresa de Hemoderivados (Hemobras), localizada no município de Goiana, na Zona da Mata Norte de Pernambuco. O ministro, que estava acompanhando dos também ministros e pernambucanos Bruno Araújo (Cidades) e Fernando Bezerra Filho (Minas e Energia) e Raul Jungmann (Defesa), solicitaram a permanência da produção do Fator VIII na Hemobras, no qual foram prontamente atendidos. A reunião foi um pedido do presidente Michel Temer.
“O estado de Pernambuco e o Sistema Único de Saúde (SUS) ganham com essa notícia. Primeiro porque o estado de Pernambuco, do ponto de vista da logística, é estratégico para a distribuição dessa produção, o que pode gerar economias para o SUS e esses recursos serem investidos em outras áreas. Depois porque esse polo de tecnologia é importantíssimo para nosso futuro”, comentou Mendonça Filho. Quando foi governador, em 2006, Mendonça Filho cedeu o terreno para a implantação da Hemobras no estado.
A decisão do ministro da Saúde, Ricardo Barros, põe fim à polêmica que poderia comprometer parte do funcionamento da Hemobras em Pernambuco. Com o cronograma de obras atrasadas, o Ministério da Saúde estava estudando a possibilidade de produzir o Fator VIII – recombinante utilizado no tratamento da hemofilia A (distúrbio da coagulação do sangue) – em uma fábrica no município de Maringá, no estado do Paraná, cuja construção consumiria U$ 200 milhões. O estado de Pernambuco receberia U$ 250 milhões para a finalização de planta para fracionamento de plasma.
Após o encontro com os ministros, o Ministério da Saúde anunciou que fará negociações com os investidores detentores de tecnologia para iniciar a construção de uma fábrica de Fator VIII recombinante, no complexo de Goiana, em Pernambuco. Com a notificação do Ministério da Saúde, a empresa Shire aumentou a proposta de investimento anteriormente apresentada a Hemobrás, em Pernambuco, de US$ 30 milhões para US$ 300 milhões para construir uma fábrica de Fator VIII recombinante, no complexo de Goiana (PE).
A construção da fábrica era uma obrigação não cumprida pela Hemobrás. Em função das negociações iniciadas pelo Ministério da Saúde, a empresa Shire apresentou nova proposta, com novos investimentos privados. Em razão da crise fiscal do país, a busca do Ministério da Saúde é realizar investimentos sem novos recursos públicos para esta finalidade, arcando somente com a compra centralizada de hemoderivados.
Provocada pela proposta da Octapharma para a construção de fábrica no Brasil, a empresa Shire se manifestou interessada em realizar investimentos e manter a Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) com a Hemobrás. A conclusão de fábrica para fracionamento de plasma humano, que está inacabada no complexo de Goiana (PE) e que também requer investimento privado, será objeto de outra negociação, uma vez que não está contemplada na proposta da Shire.
A Hemobras possui 259 colaboradores em sua folha de funcionários, cujas despesas mensais giram em torno de R$ 2 milhões. Para terminar as obras, o Ministério da Saúde estima o investimento necessário de R$ 600 milhões. Até agora, a construção da fábrica, que já está em 70% da capacidade de funcionamento em operação, recebeu R$ 1 bilhão em investimentos.

Racha: muro dos tucanos sempre ocupado


O presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissatti (CE), disse ao presidente Michel Temer que os tucanos não vão ceder “nenhum milímetro” em sua posição de "independência" ao governo por causa de cargos. O partido controla quatro ministérios, mas, mesmo assim, 21 dos 47 deputados da bancada votaram a favor do prosseguimento da denúncia por corrupção passiva contra Temer, no último dia 2.
“Deixei muito claro a ele que em nenhum momento estamos defendendo o 'Fora Temer'. Não vamos mudar um milímetro nossa defesa das reformas por causa de cargos. Nossa posição é de independência”, afirmou Tasso
Na terça-feira, quem conversou com Temer, no Palácio do Planalto, foi o senador Aécio Neves (MG), presidente licenciado do PSDB. Alvo de inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF), Aécio disse que, se Temer achar melhor redistribuir os espaços na equipe, isso não alterará o voto do PSDB a favor das reformas, especialmente a da Previdência. 

Vem Pra Rua: contra os R$ 3,6 bilhões para eleição


O Vem Pra Rua vai lançar na internet o movimento ‘Tchau, queridos’, listando deputados que apoiam a criação do fundo de R$ 3,6 bilhões para custear a eleição, que não aceitaram a denúncia contra o presidente Michel Temer e que não apoiaram o impeachment da petista Dilma Rousseff.
O grupo coordena uma frente de renovação do Congresso.
Integrantes do VPR dizem que o bloco é apartidário e que têm percorrido o país para estimular novas candidaturas.

Murro e ameaças


Marisa Gibson, hoje na sua coluna DIARIO POLÍTICO
Foi uma reunião tensa, em que não faltou murro na mesa, no início da tarde, em seu gabinete, que levou ao recuo do ministro Ricardo Barros (PP) de transferir para o Paraná a futura linha de produção do fator recombinante da Hemobrás, insumo de alta densidade tecnológica e elevado valor agregado essencial no tratamento da hemofilia.
Os ministros Mendonça Filho (Educação), Bruno Araújo (Cidades) e Fernando Filho (Minas e Energia), mais o senador Armando Monteiro (PTB), único parlamentar a participar do encontro, imprensaram Barros, confidenciou a assessores um dos ministros presentes.
Mendonça Filho foi o mais veemente na defesa da Hemobrás, chegando mesmo a ameaçar com a renúncia dos cargos dos três ministros pernambucanos caso Barros não voltasse atrás.
Armando foi igualmente duro. Demonstrando pleno domínio do tema, questionou Barros porque os investimentos da Octopharma, prometidos para o Paraná, não poderiam ser direcionados à linha do recombinante de Goiana, até porque, neste caso, seriam de menor custo para o grupo suíço.
Os ministros pernambucanos foram recebidos por Barros por determinação do presidente Michel Temer, e, ao contrário do que informou a nota oficial do Ministério da Saúde, o ministro Raul Jungmann (Defesa) não participou da reunião.
Bem, a decisão que beneficia o Estado coloca em destaque a atuação dos ministros pernambucanos, valoriza o trabalho da bancada que chegou a criar uma Frente Parlamentar em defesa da Hemobrás e, claro, deixa Barros com um pé fora do Ministério da Saúde.

PT perde espaço entre os deputados mais influentes


Radar Online
Na semana passada, o PT perdeu força entre os deputados mais influentes nas redes sociais. Pelo menos é o que indica um levantamento semanal exclusivo da FSB.
Quem manteve-se na ponta é Jair Bolsonaro (PSC-RJ). O pré-candidato à Presidência da República ficou à frente de Paulo Pimenta (PT-RS) e do Delegado Fernando Francischini (SD-PR). Na comparação com a semana anterior, quem mais subiu no ranking foi Pompeo de Mattos (PDTRS), que ganhou 39 posições e ocupa agora a 13ª posição.
Entre os partidos, pela primeira vez o PT perdeu espaço no ranking, ficando com seis integrantes entre os 20 primeiros (na semana anterior, eram nove petistas). O PSC manteve quatro nomes entre os mais influentes, enquanto PDT, PR e PSB entraram na lista, com um parlamentar cada.
O índice “FSBinfluênciaCongresso” é calculado levando-se em consideração o número de seguidores, o alcance, os posts, as interações e o engajamento registrado no Facebook e no Twitter.

Gleisi: É cedo para falar de vice nordestino para Lula


Política Real
Muito se especula sobre as eleições de 2018, onde serão eleitos os 27 governadores das unidades federativas, dois terços do Senado, a totalidade da Câmara dos Deputados, representantes do legislativo estadual e presidente da República.
A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, falou ao portal Política Real sobre a estratégia do partido para o pleito no Nordeste, a possível candidatura do ex-presidente Lula, e sobre um projeto nacional de poder incluindo os mais pobres. Ela disse que é muito cedo falar de vice-presidentes na chapa de Lula vindos do Nordeste e evitou falar sobre os nomes de Flávio Dino, PCdoB, e Ricardo Coutinho, do PSB.
De acordo com a senadora, a intenção do PT é mostrar aos nordestinos que o país foi tomado por golpistas, liderados pelo atual presidente Michel Temer (PMDB), pelo deputado cassado, Eduardo Cunha (PMDB) e pelo senador Aécio Neves (PSDB).
"Juntos, eles já conseguiram aprovar o congelamento dos investimentos públicos em saúde e educação por 20 anos e acabaram com a CLT, retirando uma série de direitos dos trabalhadores. O governo de Temer é um desastre, pois aumenta salários de juízes e promotores, que são a elite do funcionalismo público, enquanto suspende reajustes e corta benefícios do Bolsa Família; distribui R$ 14 bilhões em benefícios a parlamentares para evitar sua cassação por corrupção, ao mesmo tempo em que acaba com as unidades do programa Farmácia Popular e com os investimentos no Minha Casa, Minha Vida", afirmou Gleisi.
Para a senadora, as pessoas estão com saudade de Lula, que foi o único governante que incluiu os mais pobres no orçamento brasileiro. "Em agosto, nosso ex-presidente terá a oportunidade de fazer a caravana de 20 dias pela Região Nordeste para se reencontrar com um Brasil que muitos, infelizmente, ainda insistem em ignorar", contou.
O PLEITO DE 2018 – A presidente contou que ainda é prematuro falar das eleições de 2018, porque existe muita especulação. Mas, com base nos retrocessos do Congresso Nacional, Gleisi afirma que a saída da crise se dará por meio de partidos de esquerda.
"Hoje são [os partidos de esquerda] os mais preocupados em defender uma pauta que contempla desenvolvimento social e desenvolvimento econômico. Ano que vem temos eleição e as pessoas precisam se conscientizar da importância de seus votos para o Congresso Nacional. Precisamos de deputados e senadores com propostas que sejam do interesse da população para não repetirmos o que está ocorrendo atualmente, em que a bancada de ruralistas consegue perdão de dívidas bilionárias e empresários aprovam leis que prejudicam o trabalhador", ressaltou.
A CANDIDATURA DE LULA – Gleisi contou que a candidatura de Lula irá unir vários nomes de peso em torno de um projeto político voltado aos mais pobres, buscando a retomada do crescimento e do emprego, mas falar de qualquer montagem de candidaturas seria um equívoco.
"Lula já provou que sabe governar e acredito que essa experiência adquirida em seus oito anos de mandato vai aglutinar forças importantes para derrotar o projeto entreguista de Temer, que só beneficia os mais ricos de nossa sociedade", ressaltou.
Segundo a senadora, nenhuma discussão eleitoral começou e nomes nordestinos especulados para vice-presidente – como Flávio Dino (PCdoB-MA) e Ricardo Coutinho (PSB-PB) – só serão discutidos depois que as regras para novas eleições sejam aprovadas.
"O que posso adiantar é que o PT e Lula vão buscar um vice comprometido com o projeto de nação que queremos, e que saiba respeitar o candidato eleito nas horas mais fáceis e nas mais difíceis, que seja companheiro, leal, a exemplo do que fez o saudoso e honrado José Alencar", garantiu a senadora.
GRANDES LIDERANÇAS – A senadora também falou da integração do Sul num projeto nacional de poder. A região sul do Brasil – Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul – tem o IDH elevado, é raiz do empreendedorismo, cooperativismo e agronegócio, e onde os setores econômicos mais se integram.
"A região Sul do País já produziu grandes lideranças, como os ex-presidentes Getúlio Vargas e João Goulart, fortemente marcados pela defesa de causas sociais, e o ex-governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro, Leonel Brizola. Esses três gigantes de nossa história deixaram um legado de conquistas que ainda hoje tem impacto sobre a vida dos brasileiros", lembrou a senadora.
"Os governos recentes do PT, embora liderados por um nordestino, Lula, contaram com a participação de várias figuras da região Sul, entre as quais destaco Olívio Dutra e Tarso Genro, o ex-senador Pedro Simon e o atual Roberto Requião, entre outros. Mais do que nunca, está na hora de integrarmos esse país com solidariedade e conhecimento. Queremos um Brasil soberano e que tenha como prioridades o atendimento aos mais pobres, que hoje voltaram a passar fome e a pedir esmola nos semáforos e nas portas dos supermercados. Não podemos aceitar esse retrocesso, ainda mais depois de todo o trabalho realizado por Lula e Dilma, que lutaram incansavelmente para reduzir um pouco das desigualdades sociais que afligem os brasileiros", finalizou.

André Gadelha contraria MDB e adere à Lucélio Cartaxo

A pré-candidatura de Lucélio Cartaxo (PV) ganhou adesão de mais uma importante liderança do Sertão paraibano. Na manhã desta sexta-feir...