quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Jarbas vai à luta

O senador Jarbas Vasconcelos (PE) comunicou ao presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), que vai se candidatar a governador de Pernambuco, cargo que já ocupou por dois mandatos. Comporá sua chapa com o próprio tucano, que disputará a reeleição ao Senado, e Marco Maciel (DEM), que também precisa renovar o mandato de senador. A candidatura de Jarbas fortalece a coligação PSDB-DEM-PPS.

Cassação

O Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para hoje o julgamento do recurso, movido pelo PDT, que questiona a competência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de deliberar sobre a perda de mandato de governadores. Os pedetistas argumentam na ação que cabe aos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) julgarem os pedidos contra a expedição dos diplomas e que, em vez de determinar a posse de Roseana Sarney (PMDB), novas eleições deveriam ter sido convocadas.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Livro de Marco Maciel é prestigiado

A fila por uma dedicatória do senador Marco Maciel (DEM) deu volta na Arcádia do Paço Alfândega, ontem, demonstrando o prestígio do democrata. Entre os presentes, predominantemente políticos de peso da oposição, empresários e personalidades jurídicas do Estado. Dois nomes governistas foram anotados: os deputados federais Carlos Eduardo Cadoca (PSC) e José Chaves (PTB). O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), que chegou e saiu cedo, classificou como “positiva a contribuição de Maciel para o processo político que existe hoje”. É uma pessoa extremamente séria, cuidadosa e zelosa”, completou.
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso caracterizou o autor “como um homem de ideias, valores e convicção”. Depois de folhear o exemplar recém-adquirido, frisou: “Os temas regionais aparecem sob um ângulo novo, de uma economia que está integrada na dinâmica mundial. Um livro de quem está pensando no Brasil”.
Presidente nacional do Democratas, o deputado federal Rodrigo Maia (RJ) minimizou o caráter eleitoral do evento. “O pensamento do senador Marco Maciel é sempre uma referência para a política brasileira. É importante que ele possa estar lançando um livro num momento em que a política está tão em baixa, em que o que prevalece, na mídia, são as denúncias e escândalos, problemas e não ideias. Eleição é no ano que vem”, disse.FP,29/09/09.

Políticos prestigiam noite de autógrafos





Políticos prestigiam noite de autógrafos I I





Políticos prestigiam noite de autógrafos I I I





Políticos prestigiam noite de autógrafos I V




Mendonça diz que a questão central da Saúde é a situação caótica dos hospitais estaduais existentes

A crise na saúde estadual e os problemas no transporte público foram o principais temas discutidos pelo Democratas nas Ruas, neste domingo, em São Lourenço da Mata.
“A questão central é como se encontram hospitais como Restauração, Otávio de Freitas, Agamenon Magalhães e Getúlio Vargas. Sem médicos, sem remédios, fechando plantões de emergências por falta de condição de trabalho dos profissionais”, afirmou o presidente estadual do Democratas, Mendonça Filho, ressaltando que não adianta falar de hospitais novos e deixar os existentes “morrerem a mingua”.
Segundo Mendonça, o compromisso assumido pelo atual Governo foi melhorar, avançar e oferecer uma saúde digna à população pernambucana.
“O que se tem hoje é uma saúde de péssima qualidade. É só ouvir o povo que precisa desses hospitais. Visite os hospitais Regional do Agreste, o de Arcoverde, que tem problemas na UTI e você vai ver que há um clima de quase total descontrole”, afirmou Mendonça para uma platéia de cerca de 300 pessoas, que lotaram a Câmara Municipal de São Lourenço.
O Democratas nas Ruas discutiu os problemas na saúde, o transporte público e realizou um novo ato de filiações partidárias visando às eleições de 2010.
Em São Lourenço o ponto alto foi o ingresso do ex-vereador Major Santana ao Democratas, um dos 40 pré-candidatos a deputado estadual pelo partido.
“Vamos fazer a roda gigante da política girar. Aí sim, o povo de São Lourenço e de Pernambuco vai ser efetivamente apoiado”, afirmou major Santana. Em seu discurso, Mendonça reforçou o trabalho do partido e dos Governos Jarbas/Mendonça para desenvolver econômica e socialmente o Estado.
“O acesso a Matriz da Luz, uma velha reivindicação do povo de São Lourenço, saiu do papel na nossa gestão”, disse Mendonça, reafirmando que o Governo Eduardo é de “muita propaganda e pouca ação”.
Com relação ao problema de transporte público em São Lourenço, Mendonça defendeu o metrô como o caminho natural para resolver o problema. “O fato é que hoje a população de São Lourenço sofre com este limitador, pois o custo do transporte prejudica o trabalhador do município, que busca vaga em outra cidade”, afirmou, ressaltando a sua disposição e a do partido de trabalhar para transformar o metrô numa realidade.
Escrito por Jamildo

Democratas em processo de reestruturação

Reestruturar o partido apesar de perdas significativas, mas não deixar a peteca cair com a entrada de novos filiados. Pelo menos essa é uma das principais missões do presidente estadual do DEM, Mendonça Filho. O ex-governador trabalha em duas frentes hoje: fortalecer a legenda, ajudando na composição de forças para o embate eleitoral contra o governador Eduardo Campos nas próximas eleições e garantir a sua vaga na Câmara Federal. Nesta entrevista exclusiva ao Blog da Folha (o leitor confere parte dela aqui), o democrata volta a criticar a infidelidade partidária e reassume a posição de que o partido é dono dos mandatos. Sobre a perda de dois democratas na Assembleia, Sebastião Rufino e Ciro Coelho, Mendonça lembra que não foi informado oficialmente sobre a saída dos correligionários para outro partido. “Eu concordo com isso (punição aos infiéis), e como parlamentar federal apresentei emenda reforçando a tese da fidelidade”, adverte o democrata.
Durante o encontro do Democratas no Recife, o que se viu foram altas doses de autoestima e palavras de incentivo aos integrantes da sigla. Existe de fato um desânimo geral no partido?
O partido permanece como uma das principais forças de oposição em Pernambuco. Temos aí três deputados estaduais e sete estaduais. Mesmo com a possibilidade de perda de dois membros como está sendo especulado na Assembleia Legislativa (Ciro Coelho e Sebastião Rufino), permanecemos com uma bancada bastante representativa. Na Câmara do Recife elegemos três vereadores. Em relação ao PT, que elegeu o prefeito e tem cinco, mostra que o nosso tamanho no Legislativo Municipal é bastante significativo em termos proporcionais. Tivemos metade dos votos da oposição aqui na capital na última eleição e elegemos o maior número de prefeitos em 2008 dentro dos partidos que compõem os partidos de oposição. Estamos num processo de reestruturação e renovação e tendo como meta principal o processo eleitoral de 2010 e não temos dúvida que vamos sair ainda mais fortalecidos. É meta e vamos alcançar e aumentar a nossa representatividade na Câmara Federal de três para cinco deputados. Na AL vamos manter o número ou crescer se perdermos dois deputados. Precisamos renovar o mandato de Marco Maciel no Senado e compor as forças que estarão juntas na disputa do Governo do Estado e com grande chance de vitória numa aliança (PMDB-DEM e PSDB). Será a reprodução da aliança que vivemos nos idos de 2002 e 1998.
Com a saída dos deputados Ciro Coelho e Sebastião Rufino há chances de o DEM recuperar cadeiras na Assembleia?
Há. Do mesmo jeito que se tem a notícia de uma possível saída deles, temos a entrada de vários nomes novos e candidatos representativos. Qual foi a estratégia partidária?
Localizar micro regionalmente potenciais candidatos que quisessem fortalecer o seu nome e alguns até prontos para disputar um mandato de deputado estadual com reais chances de vitória. Nessa estratégia conjugando figuras tradicionais do nosso partido que permanecerão conosco juntado a caras novas e nomes novos temos plena convicção que é possível alcançar essa meta e subirmos de cinco para sete deputados caso aconteça duas defecções na bancada.
O DEM vai tentar recuperar essas vagas perdidas com a possível debandada de dois membros na AL?
Oficialmente não houve nenhuma manifestação de nenhum parlamentar nesse sentido. Não tenho pessoalmente nada contra Ciro Coelho e Sebastião Rufino. Sabe-se que o Democratas a nível nacional apresentou uma manifestação junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) requerendo a adoção do princípio da fidelidade partidária. Eu concordo com isso (punição aos infiéis) e como parlamentar federal apresentei emenda reforçando a tese da fidelidade. Não é um fato que dependa da executiva regional como disse o presidente Rodrigo Maia. E além da eventual manifestação do partido deve-se levar em conta também a existência de suplentes e a atuação do Ministério Público Eleitoral (MPE) que é o fiscal da lei.
O prazo de filiações se encerra no próximo dia 2 de outubro. O partido diz ter cerca de 40 candidatos a deputado estadual. Como anda o quadro atualmente?
Muito bem. Até o prazo final teremos algumas boas novidades, novas filiações e algumas pré-candidaturas a deputado estadual e federal pelo Democratas, o que será muito positivo. (Neste final de semana a legenda recebe três novos filiados: o ex-vereador Moisés Alves, o Éi (Sirinhaém); Mário do Resgate (Barreiros) e o ex-vereador Major Santana (São Lourenço da Mata).
O projeto Democratas nas Ruas busca fazer um raio-x dos problemas existentes nos municípios de Pernambuco. Qual o balanço que o senhor faz dessas caravanas?
Já visitamos até agora cerca de um terço dos municípios pernambucanos. Estivemos presentes em todas as regiões RMR, Mata, Agreste e Sertão. Visa aumentar o número de filiados e identificar novos nomes que possam disputar como candidatos ou pré-candidatos no futuro a deputado federal ou estadual. O que tenho percebido nessas andanças é muita ausência do governo. Muita promessa e pouca realização. Se você fizer um panorama do que se encontra no interior é que há um clima de grande frustração porque de fato se prometia um mundo bastante diferente do ponto de vista da administração estadual e essa realidade é bastante distinta do que ocorre no interior. A área de segurança é muita crítica. Em alguns lugares até pior do que no passado e a área de saúde disparadamente muito pior com gestões e situações caóticas como é o caso de Caruaru, uma das cidades mais importantes do Estado.
O fato de o senador Jarbas Vasconcelos não assumir publicamente a candidatura ao Governo enfraquece a oposição? O senador deveria se posicionar antes de 2010? Eu respeito o tempo de Jarbas. O momento certo pra ele tomar uma decisão que deverá ser no início do próximo ano. Ele é um homem experiente, consagrado e já com sua imagem consolidada em Pernambuco. Dois mandatos de prefeito, ex-governador, todos muito bem sucedidos. Com senador da República dispensa apresentação porque ele é um dos mais brilhantes, o mais competente e respeitado senador do Brasil. Jarbas terá a sua oportunidade de decidir se será candidato ou não. O que eu puder fazer como um dos que atuam na oposição farei. Estamos construindo as condições e fortalecendo a base.
Haveria um plano B?
Não queria ficar aqui desfilando alternativas e nomes. É consenso entre todos. Não só da oposição, mas de vários analistas que acompanham a política até mesmo ao lado do governo de que Jarbas é o nome mais forte da oposição. Temos vários nomes com credencial e qualificação para disputar o cargo de governador e outros cargos mais. Tem ainda dois senadores que no meu partido a definição é Marco Maciel. Um homem que tem mais de 40 anos de vida pública, honrado, sério e respeitado.FP,27/09/09

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Maciel reúne oposição em Pernambuco

O lançamento do livro Política das ideias do senador Marco Maciel (DEM), hoje, pode se transformar num encontro da oposição ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ao governador Eduardo Campos (PSB). Já confirmaram viagem ao Recife o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e os presidentes nacionais do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), e do PSDB, senador Sérgio Guerra.
O título será lançado na casa de recepções Arcádia, no Paço Alfândega, às 18h."O senador é uma figura plural, que está acima das questões partidárias", ameniza o secretário regional do DEM, Charles Ribeiro. Por isso, acrescenta, o evento seria mais do escritor do que do político, devendo contar com pessoas de segmentos diversos da socidedade, como o presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), Marcos Vinicios Vilaça. Maciel integra a ABL. Embora o argumento de Ribeiro tenha certo sentido, o caráter político ganha força com a lista de quem confirmou presença. Asseguraram a vinda os senadores democratas José Agripino (RN) e Antônio Carlos Magalhães Júnior (BA). Do estado, Jarbas Vasconcelos (PMDB) também prestigiará Maciel.
A lista de políticos pode ser bem maior. É possível que o governador de São Paulo e líder das pesquisas de intenção de votos para a presidência da República, José Serra (PSDB), participe do lançamento. "Ele sinalizou que virá e ficou de analisar a agenda", frisou Ribeiro. O mesmo devem fazer o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), e o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM). DP,27/09/09.

Democratas buscam reforço no Litoral Sul. Mendonça ataca Eduardo e bate na saúde e segurança

Dois pré-candidatos do Democratas foram lançados no litoral sul: em Sirinhaém, Moisés Alves, o Éi, e em Barreiros, Mário do Resgate.
No evento de Sirinhaém, o presidente estadual do partido, Mendonça Filho, destacou as principais obras da gestão da União Por Pernambuco para a região e largou o pau no que classificou de estagnação em que a atual gestão do Governo do Estado mergulhou o litoral sul.
“Realizamos todo o saneamento de Sirinhaém e obras que melhoraram a infra-estrutura do litoral, como o acesso a Serrambi. Nosso governo mudou a cara de Pernambuco e trouxe de volta a auto-estima ao cidadão. Mas hoje parece que as coisas não andam tão bem, basta olhar para os dois maiores compromissos do atual governo, que foram com a saúde e a segurança, ambas com sérios problemas”, disse.
O evento marcou o lançamento da pré-candidatura de Moisés Alves, o Éi, a deputado estadual.
“Nos quatro cantos de Sirinhaém vemos obras realizadas pela gestão Jarbas-Mendonça, um quadro que ficou bem diferente com o atual governo”, disse.
Em Barreiros, também no litoral sul, Mendonça e o líder da oposição na Assembléia, Augusto Coutinho, reuniram cerca de 300 pessoas no Clube dos Caiadores para o lançamento da pré-candidatura de Mário do Resgate para deputado estadual.
“O governo atual é o governo da mentira. Entre outras coisas prometeram asfaltar vários pontos da cidade e descobrimos que não existe qualquer orçamento nesse sentido”, disparou Mário, que é conhecido por ter organizado o grupo de resgate voluntário que atuou na cheia de 2000, que praticamente destruiu a cidade. “É importante colocar no mundo político pessoas bem intencionadas, e esse eu tenho certeza que é o caso de Mário do Resgate”, disse Augusto Coutinho.
Mendonça agradeceu o carinho da população do município e ressaltou o caráter inovador do Democratas nas Ruas.
“Já percorremos boa parte do Estado e sempre com o mesmo intuito: primeiro ouvir o que a população deseja e transformar esses desejos em bandeiras de campanha. Depois, identificar novas lideranças para disputar o pleito de 2010, como é o caso de Mário do Resgate”.
Escrito por Jamildo

Ciro é plano B de Lula

Na Veja

Para o presidente Lula, eleger o sucessor em 2010 é uma obsessão. Ele é dono de índices espetaculares de aprovação, colecionador de comendas mundo afora e convicto de que a história do Brasil será dividida entre os períodos a.l. e d.l. - antes de Lula e depois de Lula. A derrota nas urnas de um herdeiro político não cabe nesse currículo. Há mais de seis meses o presidente está em campanha apresentando nos palanques sua candidata, a ministra Dilma Rousseff. Até agora, porém, a fama de eficiente dela e popularidade dele não têm se transformado em intenções de voto no volume esperado.
O que parecia ser a receita correta para o continuísmo está se mostrando um fracasso na prática. Diante do quadro até agora desfavorável, Lula colocou em andamento um plano alternativo. O governo decidiu dividir as bênçãos da aprovação plebiscitária de Lula entre Dilma e um segundo nome identificado com a atual administração - o deputado Ciro Gomes, do PSB.
Disputar a eleição presidencial com dois candidatos ungidos pelo Planalto parece, à primeira vista, mais uma daquelas obras de arquitetura política muito atraentes no papel, mas que não se sustentam no mundo do concreto. A estratégia faz mais sentido quando examinada em dois tempos. Dar publicidade a esse caminho agora aumenta, pelo menos teoricamente, a perspectiva de continuidade no poder do atual grupo governante. Isso soa como música aos ouvidos dos potenciais aliados que abominam a ideia de sentir saudade das emas do Palácio da Alvorada a partir de janeiro de 2011.
Quanto maior a perspectiva de vitória maior o poder de atração de apoios. Quem se beneficiou com isso é Ciro Gomes. O deputado apareceu na última pesquisa de intenção de voto empatado na segunda colocação com Dilma Rousseff - ambos muito atrás do governador de São Paulo, José Serra. A diferença é que Ciro está em ascensão enquanto Dilma vem perdendo fôlego, principalmente depois do anúncio da candidatura da senadora Marina Silva, do PV.
Lula relutou em abraçar a candidatura Ciro Gomes. Nos últimos três meses, o presidente se empenhou em tentar convencer o deputado a transferir o domicílio eleitoral para São Paulo e disputar o governo estadual. Assim, com uma única tacada, se livraria de um adversário incômodo no plano federal e ganharia um aliado em São Paulo. As últimas pesquisas, porém, mostraram que Ciro e Dilma podem, pelo menos no primeiro turno, formar uma aliança informal pelo parentesco ideológico e, principalmente, pelo adversário comum.
Ciro é um orador inflamado, exímio construtor de frases que, a despeito da falta de lógica e amparo na realidade, têm poderoso efeito comunicador. Os julgamentos sobre o que é certo ou errado, bom ou ruim, velho ou novo, saem da boca de Ciro com a certeza de um pregador protestante. Ele faz o mundo parecer simples. Isso agrada os ouvidos de certo tipo de eleitor incapaz ou indisposto diante do desafio de destrinchar discursos mais complexos. Nesse particular, Ciro é o oposto de Dilma. A ministra é quase sempre cerebral ao ponto de enregelar as audiências com o fogo frio de seu olhar e cordilheira de números que deita sobre seus ouvidos.
Eleitoralmente, Ciro também representa um contraponto à própria Dilma, o que pode parecer um problema, mas também já foi devidamente calculado. Lula acredita que essa diferença é útil em uma campanha, pois cada um pode enfraquecer Serra em uma frente distinta. Dilma, a número 1, é novata em disputas eleitorais, enquanto Ciro, o número 2, está no ramo há 30 anos. Dilma é mineira e fez carreira no Rio Grande do Sul, enquanto Ciro é paulista e fez a vida no Nordeste. A petista lutou na clandestinidade contra a ditadura quando o socialista ainda nem pensava em fazer política."

domingo, 27 de setembro de 2009

Na festa de José Múcio, Maciel manda um recado: não teme cobranças

Eu e Serginho conversamos com o senador Marco Maciel sobre a campanha de reeleição e eles nos surpreendeu com algumas colocações bastante objetivas. Maciel é conhecido nacionalmente por não dar lead (notícia quente, bombástica). Não se sabe se já são os ares de 2010, mas o homem estava inspirado.
Uma das frases mais espitituosas foi proferida ao falar das cobranças que já começa a receber e a alcunha pejorativa de Marco Zero (numa referência à praça e a uma suposta inoperância).
“Joaquim Nabuco dizia que na terra em que a gente nasce, a gente sente o arrouxo do berço. Assim, acho algo natural e possível”.
E ironiza. “Essa do Marco Zero é uma boa lembrança. Alguns não sabem que foi a forma que encontramos de, fazendo a rodovia a partir do porto, poder financiar sua recuperação”.
Maciel sabe que será o alvo principal, mas não admitiu que será uma das batalhas mais difíceis. “Não há duas eleições iguais. Estou disposto a trabalhar e servir a Pernambuco como sempre. Minha vida é uma doação permanente”.
Sobre João Paulo e Armando Neto, os possíveis adversários, não opinou. “O quadro não foi definido. Não teve sequer convenção”, saiu pela tangente.
Maciel também disse que havia muito tempo para começar a campanha, formar uma boa chapa e chegar a um bom resultado, se possível com Jarbas na cabeça da chapa ao governo. “A campanha só em 2010”
Escrito por Jamildo Melo

Cássio Cunha Lima no PSB

Governador cassado da Paraíba, Cássio Cunha Lima (foto) deixou o PSDB e assinou a ficha de filiação ao PSB. O ex-tucano entrou em choque com o partido por apoiar a candidatura do prefeito de João Pessoa, Ricardo Coutinho (PSB), ao governo paraibano. O candidato do PSDB ao governo será o senador Cícero Lucena.

sábado, 26 de setembro de 2009

Marco Maciel lançará em Recife seu mais novo livro 'Política de idéias'

O senador Marco Maciel (DEM) reuniu em livro 42 artigos publicados nos jornais de Pernambuco e de outros estados (O Globo, Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, Correio Braziliense, etc) e fará o lançamento na próxima segunda-feira, dia 28, na Arcádia do Paço Alfândega. Maciel, embora pouca gente saiba disso, é um habitual devorador de livros, especialmente livros de história, biografias de grandes vultos da humanidade, pensadores políticos, etc. Só não e muito chegado a livros de ficção.
Por Inaldo Sampaio

FHC prestigia Maciel

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso confirmou sua presença no lançamento do livro Política das ideias, do senador Marco Maciel, na próxima segunda-feira, no Recife. Também regressará ao Estado o presidente do DEM, Rodrigo Maia (RJ), que esteve por aqui, segunda-feira, em reunião com a bancada do democrata na Assembleia. O evento será na Arcádia do Paço.

Democratas vai obstruir votações na próxima semana, afirma Caiado

O líder do Democratas, deputado Ronaldo Caiado (GO), anunciou quinta-feira(24) que a oposição irá obstruir as votações em Plenário na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, a partir da próxima terça-feira (29/9), enquanto não houver sessão do Congresso Nacional para votar requerimento que pede urgência para votação do Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) nº 62/2009.
O projeto prevê o repasse de R$1 bilhão aos cofres dos municípios para compensação na queda das receitas do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Havia sido agendada uma sessão do Congresso Nacional para a manhã de hoje, mas foi cancelada.
"O presidente do Congresso sequer abriu a sessão. E o que ocorreu? O PT e os parlamentares da base aliada ao governo trabalharam para impedí-la. Com isso, o projeto continua tramitando na comissão mista de orçamento com toda a lentidão e burocracia possível. O governo está virando as costas para os municípios. Os prefeitos estão desesperados pedindo socorro para que o governo cumpra com a promessa que havia feito, mas no fim ele cria situações para não repassar o que é devido a esses municípios. Por isso, decidimos entrar em obstrução", informou Caiado.

Os convidados secretos de Jarbas

A lista de deputados estaduais convidados para o tradicional cozido do senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), hoje, em sua casa de praia, no Janga, está cercada de mistérios. Comenta-se nos bastidores que os nomes não foram revelados para evitar que os convidados não sofram represálias por parte do Palácio das Princesas e desistam de comparecer ao evento. O nome do peemedebista tem sido ventilado como alternativa da oposição para enfrentar o governador Eduardo Campos (PSB) na disputa de 2010. Segundo informações extra-oficiais, 27 parlamentares do total de 49 deputados tinham sido convidados até ontem, mas os nomes estão trancados "a sete chaves". Na última quarta-feira, o deputado Pedro Eurico (PSDB) circulava na Assembleia Legislativa com uma lista, mas evitou mostrar à imprensa. A idéia do convite teria partido da deputada Terezinha Nunes (PSDB), durante o almoço de aniversário do senador, em agosto. Segundo informações de bastidores, a parlamentar teria comentado quealguns deputados governistas desejavam conhecer o "famoso" cozido do senador e até suspeitavam se seria ele mesmo o cozinheiro.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Nova edição do Democratas nas Ruas

De hoje a domingo, comitiva do Democratas, liderada pelo presidente estadual, Mendonça Filho, vai a Sirinhaém, Barreiros e São Lourenço. Serão realizadas filiações e lançamento de pré-candidatos.
Na liderança do processo de atração de novos nomes, Mendonça Filho diz que já percorreu “grande parte de Pernambuco” cumprindo a tarefa, cujo resultado seria uma soma de cerca de 40 nomes ingressos na chapa proporcional estadual. Os números foram dados pela líder do DEM, na Assembleia Legislativa, Miriam Lacerda.

Agripino anuncia que DEM vai obstruir votações até que sejam destinados recursos aos municípios

O líder do Democratas no Senado, José Agripino (DEM-RN), afirmou em Plenário, nesta terça-feira (24), que seu partido obstruirá todas as votações, tanto no Senado como na Câmara dos Deputados, enquanto o Congresso Nacional não votar o projeto de suplementação orçamentária aos municípios no valor de R$ 1 bilhão. O senador disse acreditar que a liderança do PSDB também irá acompanhar essa decisão.
- O meu partido obstruirá toda e qualquer votação até que nós votemos em favor dos municípios e possamos contribuir com o nosso gesto para a abertura das portas de várias prefeituras, que trancaram as portas por falta de meios para operar - afirmou o José Agripino.
Segundo o senador, a matéria não será mais votada na tarde desta quinta-feira, conforme acordado com as lideranças, mesmo as do governo e do PT nas duas Casas, por decisão dos partidos da base governista. Agripino informou que muitas prefeituras estão enfrentando dificuldades financeiras desde que os repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) foram reduzidos em razão da isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), concedida pelo governo a vários produtos, como forma de combater a crise econômica.
Se a proposta não for votada a tempo de os recursos serem liberados até o dia 30 deste mês, alertou o líder, muitos municípios não terão como pagar seus funcionários.
Agência Senado

Marina critica atuação de Lula na ONU

A senadora Marina Silva (PV-AC), criticou nesta quinta (24) a atuação do presidente Lula na abertura da Assembleia Geral da ONU. Segundo ela, foi “frustante” o discurso de Lula concentrado “apenas na crise em Honduras, e não nas mudanças climáticas e na necessidade de redução da emissão de gases de efeito estufa”. Para a possível candidata à presidência em 2010, o Brasil perdeu a oportunidade de liderar esse processo. O PV defende que o Brasil assuma metas de redução de gases de efeito estufa na Conferência sobre Mudança Climática marcada para dezembro, em Copenhague, na Dinamarca. Este pode ser o lema da candidata para as eleições do ano que vem.

Dirceu critica candidatura de Ciro

O ex-ministro José Dirceu (Casa Civil) criticou em seu blog a possível candidatura do deputado Ciro Gomes (PSB-CE) à Presidência em 2010. Segundo Dirceu, a candidatura de Ciro “terá um preço para o PSB nos palanques regionais”, que poderá perder o apoio do PT em detrimento da disputa nacional. O partido de Ciro pertence à base do presidente Lula, que terá a ministra petista Dilma Rousseff (Casa Civil) na disputa presidencial de 2010. De acordo com pesquisa CNI/Ibope, divulgada nesta semana, houve um crescimento na taxa de intenção de voto de Ciro Gomes, que passou de 12% para 14% entre junho e setembro. Dirceu minimizou o empenho positivo do deputado e disse que ele pode ter “atingido seu teto de intenção de voto”.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Sai a pesquisa do Ibope sobre intenções de voto para presidente da República

Foi divulgada a pesquisa do IBOPE/CNI sobre a intenção de voto dos brasileiros para presidente da República. Há simulações para todos os gostos. Mas no cenário eleitoral que hoje seria o mais provável, o resultado é o seguinte: José Serra – 34% Dilma Rousseff – 14% Ciro Gomes – 14% Heloísa Helena – 8% Marina Silva – 6% Brancos e nulos – 13% Não sabem – 10%.

Dilma e Heloísa Helena são os candidatos mais rejeitados

O IBOPE aferiu também o índice de rejeição dos candidatos, bem como o seu grau de conhecimento por parte do eleitorado. Eis os números: Rejeição: Dilma Rousseff – 40% Heloísa Helena – 40% Marina Silva – 37% Ciro Gomes – 33% José Serra – 30%.

Serra é o candidato a presidente mais conhecido pelo povo brasileiro

O governador de São Paulo, José Serra, é o candidato mais conhecido dentre os cinco que estão pretendendo chegar à presidência da República, segundo o IBOPE. Eis os números José Serra – é conhecido por 66% do eleitorado Ciro Gomes – 45% Dilma Rousseff - 32% Heloísa Helena – 30% Marna Silva – 18%.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Democratas nas Ruas no Recife



DEMOCRATAS não abre mão da vaga de vice. Aviso foi dado pelo presidente do partido, no encontro realizado ontem.

Não haverá meio termo com o presidente nacional do DEM, deputado federal Rodrigo Maia (RJ) na briga pelo espaço do partido na vice do PSDB na chapa presidencial. Ele também nem cogita perdoar os mandatos dos deputados desertores de sua legenda. As advertências foram feitas por ele, ontem, ao encerrar o evento promovido pelo diretório estadual do partido para estimular a nova militância no Hotel Marante Plaza, em Boa Viagem. Maia deixou claro que se sente “incomodado” com a ideia de uma possível composição puro-sangue por parte dos tucanos.

Democratas nas Ruas no Recife I I

Presidente estadual da sigla, Mendonça Filho assegurou: “Se não estivermos juntos (numa chapa coligada com partidos de oposição), pode ter certeza que vamos ter o vigor, a força para competir com competência, qualidade e naturalmente fazendo maior número possível de vagas”.
O ex-ministro Gustavo Krause realçou que o grupo do DEM “tem perspectiva real de poder, porque tem uma candidatura adversária (da ministra Dilma Roussef/PT), que é uma invenção”. “Tanto que os nomes de (presidenciáveis) Marina Silva (PV) e Ciro Gomes (PSB) já começam a desestabilizá-la”, acrescentou. Krause continuou dizendo que a eleição presidencial está, historicamente, relacionada à eleição local, podendo torná-la mais competiva. “Nós temos que ter chapa forte porque não dá para pensar no salve-se quem puder. Fazer política é retirar pedras e plantar flores”, pregou.
O líder da oposição na Assembleia Legislativa, Augusto Coutinho(DEM), voltou a dizer que o governo Eduardo, em três anos e meio de gestão, não fez uma obra estrutural no estado. "A saúde é um caos. O hospital de Paulista ainda não foi entregue, mas eles já estão fazendo propaganda".
Ex-prefeito de Caruaru e pré-candidato a deputado federal, o vereador Tony Gel não hesitou em afirmar que o DEM era garantia, pelo menos, de uma suplência. “Há muitos que, pensando em questão de chapa, vão para partidos pequenos pela ótica do coeficiente eleitoral. Mas o bom é disputar entre os melhores. Você disputa consciente, sabendo que é suplente. Num partidozinho qualquer, nem suplente a pessoa é”, analisou Gel.
Ex-Prefeito de Petrolina Guilherme Coelho, candidato a deputado federal pelo Democratas