domingo, 31 de julho de 2016

Manobra pró-Temer desagrada ao PSDB


Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
Estadão Conteúdo – Preocupado em evitar ruídos na base aliada, principalmente com oPSDB, o presidente em exercício, Michel Temer, divulgou nesse domingo, 31, uma nota negando que tenha intenção de disputar a eleição de 2018.
Temer decidiu tomar a iniciativa depois que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ao jornal O Estado de S. Paulo que, se o impeachment de Dilma Rousseff for aprovado, o peemedebista será candidato ao Planalto em 2018, com apoio da coalizão.
A declaração de Maia provocou mal-estar no PSDB e também no PSD. Nos bastidores, integrantes dos dois partidos disseram que o presidente da Câmara avançou o sinal e lançou um “balão de ensaio”, que pode criar uma disputa desnecessária entre os partidos aliados de Temer no Congresso.
“Fico honrado com a lembrança de meu nome como possível candidato em 2018. Mas reitero, uma vez mais, que apenas me cabe cumprir o dever constitucional de completar o mandato presidencial, se o Senado Federal assim o decidir”, afirmou Temer, em uma referência à votação do impeachment da presidente afastada, que deve começar no próximo dia 29. “Não cogito disputar a reeleição.”
Na nota, de apenas seis linhas, Temer destacou que seu foco é o desenvolvimento do País, e não a possibilidade de reeleição. “Todos meus esforços, e de meu governo, estão voltados exclusivamente para garantir que o Brasil retome a rota do crescimento e seja pacificado”, escreveu ele.
O governo interino tem hoje dois potenciais candidatos à sucessão de 2018: o ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB), e o titular da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD). O problema é que, nas fileiras do PSDB, tudo indica que haverá uma briga pela indicação, já que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o senador Aécio Neves (MG), presidente do partido, também são pré-candidatos.
Nesse cenário, há rumores de que Serra pode deixar o PSDB e migrar para o PMDB de Temer – de quem está se aproximando cada vez mais -, com o objetivo de concorrer à Presidência. No PSD presidido pelo ministro das Comunicações, Gilberto Kassab, o nome cotado para a sucessão de 2018 é o de Meirelles.
“Tudo isso é factoide, pois 2018 está há anos luz de distância”, amenizou o líder do governo no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), negando qualquer desconforto com a entrevista de Maia
Na percepção do Planalto, porém, todas as articulações passam pelo desempenho da economia nos próximos meses. Nessas análises, o impeachment de Dilma é dado como “favas contadas”. Em conversas reservadas, muitos acham que Temer poderá ser candidato para evitar a “fragmentação” da base, embora o diagnóstico em público seja de que isso dividiria a coligação.
Para Maia, se Temer chegar a 50% de ótimo e bom, ele será candidato “quer queira, quer não”, podendo disputar o segundo turno com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, hoje réu por tentar obstruir a Lava Jato.
“Michel já disse que sairá da vida pública recompensado se colocar o Brasil nos trilhos. Não há hipótese de ele ser candidato”, afirmou o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. “Uma candidatura é incompatível com esse trabalho. É fora de propósito”, disse o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima. “Se o PMDB terá ou não candidato próprio em 2018 é outra coisa. Mas eu sou político, não sou cartomante.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Protestos contra Dilma em Brasília


Folha de S.Paulo - Machado da Costa
Movimentos contrários ao governo da presidente afastada, Dilma Rousseff, realizaram neste domingo (31), em Brasília, um ato para a apoiar o processo do impeachment da petista no Senado.
De acordo com o STF (Supremo Tribunal Federal), o julgamento final do processo contra Dilma deve começar no dia 29 de agosto.
Os movimentos Vem Pra Rua, Nas Ruas e Limpa Brasil organizaram o ato na capital federal.
Com palavras de ordem de apoio ao juiz Sérgio Moro e à operação Lava Jato, os organizadores também pediam a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Os movimentos evitaram citar o nome do presidente interino, Michel Temer. Entre os peemdebistas citados, estava apenas o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL).
Manifestantes, que se concentraram à frente do Congresso Nacional, afirmaram que o ato é importante para pressionar senadores que estão indecisos sobre o impeachment.

Recife: manifestação contra Dilma em Boa Viagem


Do Diario de Pernambuco – Com informações de Sávio Gabriel
Um protesto contra a presidente afastada Dilma Rousseff e a favor do impeachment dela terminou por volta das 13h deste domingo. A manifestação aconteceu em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife.
O ato do movimento Vem Pra Rua teve concentração às 10h, na altura da Padaria Boa Viagem, e seguiu até o Segundo Jardim. Um trio elétrico acompanhou os manifestantes.

Oficialmente, a pauta do grupo é o apoio à Operação Lava-Jato e à aprovação, no Congresso Nacional, das 10 Medidas Contra Corrupção elaboradas pelo Ministério Público Federal.
Outras reivindicações surgiram durante o protesto. "Pedimos a prisão de Lula, a punição de todos os políticos de qualquer partido e a devolução de tudo que foi roubado do Brasil", disse o coordenador do Vem Pra Rua Recife, Marconi Ferraz.

Os organizadores reconheceram a baixa adesão à manifestação deste domingo. "A população acredita que Dilma já foi afastada e, agora, quer ver novas perspectivas. A grande maioria ainda não tem consciência de que o impeachment não aconteceu", afirmou Ferraz.

Temer diz não cogitar disputar reeleição em 2018


Folha de S.Paulo - Valdo Cruz
Diante de informações de que aliados estariam defendendo sua candidatura à reeleição, o presidente interino, Michel Temer, divulgou nota neste domingo (31) afirmando ficar "honrado com a lembrança", mas disse que não cogita ser candidato a presidente na eleição de 2018.
Neste domingo, reportagem da Folha revelou que pelo menos três ministros próximos a Temer não descartam a possibilidade de Temer, apesar de negar hoje publicamente, vir a se candidatar à reeleição em 2018 caso tenha êxito na sua gestão na hipótese de ser confirmado o impeachment de Dilma Rousseff.
Também hoje, em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo", o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que, se o peemedebista fizer uma gestão com aprovação de 50% da população, ele deveria ser o candidato da base aliada para ficar mais um mandato à frente da Presidência da República.
Em sua nota, divulgada na manhã deste domingo, Temer diz que "não cogita disputar a reeleição" e que todos os seus esforços estão voltados para garantir a retomada do crescimento econômico.
O presidente interino sempre evitou assumir, publicamente, qualquer possibilidade de se candidatar à reeleição para evitar divisões dentro de sua base aliada, que tem potenciais candidatos a presidente em 2018, principalmente entre os tucanos.
Ele chegou, inclusive, a assumir o compromisso de que não seria candidato exatamente para garantir a aprovação da abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados. Agora, avaliam assessores, a divulgação de tal hipótese pode gerar ruídos quando se aproxima o julgamento definitivo da petista no Senado Federal.
A íntegra da nota divulgada pela Presidência da República, assinada pelo presidente Michel Temer, é esta: "Fico honrado com a lembrança de meu nome como possível candidato em 2018. Mas reitero, uma vez mais, que apenas me cabe cumprir o dever constitucional de completar o mandato presidencial, se o Senado Federal assim o decidir. Não cogito disputar a reeleição. Todos meus esforços, e de meu governo, estão voltados exclusivamente para garantir que o Brasil retome a rota do crescimento e seja pacificado". 

sábado, 30 de julho de 2016

Priscila oficializa candidatura à PCR neste sábado


Blog da Folha
A deputada estadual Priscila Krause (DEM) também lança seu nome na disputa pela Prefeitura do Recife, na manhã deste sábado (30), no plenário da Câmara de Vereadores.
Ela chegou acompanhada do vice de sua chapa, o empresário Alcides Cardoso, que foi anunciado mais cedo, e ainda do Ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), do ex-governador Roberto Magalhães, e do seu pai e também ex-governador, Gustavo Krause, que na ocasião, fez um discurso emocionando, enaltecendo a personalidade da filha.
“Priscila foi uma vereadora improvável em 2004 e será uma improvável prefeita”, afirmou o ex-governador que também homenageou Marco Maciel (DEM), que sofre de Mal de Alzheimer.
Quem também acompanha a democrata é o ex-vereador Sérgio Magalhães (PMN), que retirou candidatura para apoiar Priscila. Em discurso, ele afirmou que a pré-candidata é a única novidade desta eleição. “E este é o palanque da ficha limpa”, completou.
O deputado estadual Álvaro Porto (PSD) também destacou que a candidatura de Priscila é ficha limpa. “Você está numa campanha que não tem história de Lava Jato, Turbulência ou empresários cobrando a fatura. Sabemos a truculência do atual prefeito para barrar sua candidatura, mas esta candidatura é sólida”, disparou.

DEMOCRATAS o partido das novas ideias !!!


Convenção da deputada Priscila Krause no Recife

Roberto Magalhães confirmou presença, hoje, na convenção da deputada Priscila Krause (DEMOCRATAS) à prefeitura do Recife. A deputada e candidata do DEM à prefeitura do Recife, Priscila Krause, marcou para este sábado (30) a sua convenção, a partir das 10h, na Câmara Municipal do Recife. Ela fechou aliança com o PMN, que poderá indicar seu vice.
“A gente vai afirmar os nossos princípios e os valores que norteiam a nossa política, de trabalhar acreditando no Recife, acreditando nas pessoas que fazem a cidade, acreditando que é possível construirmos um caminho que atenda de verdade às demandas do recifense”, disse a deputada.

Fechada chapa da oposição em Brejinho


Em  Brejinho, a oposição definiu a chapa pra disputar as eleições deste ano.  O ex-prefeito Chico Dudu (PTB) disputará novamente a Prefeitura com Gilson Bento candidato a vice. Gilson  é empresário e sobrinho do Secretário de Obras da atual administração,  que deixou a base do Prefeito José Vanderlei. É filiado ao PRB.
A coligação terá PTB e PRB com convenção marcada para o dia 05 de agosto próximo. Terão apoio de nomes como Flavinho e Damião Emiliano, Neném da Foveira, Reginaldo Paca e o vereador Sandro Freitas, todos pré-candidatos nas próximas eleições.

Deva Pessoa faz convenção hoje em Tuparetama e perde PMDB ao manter Ivair na vice

Deva e Ivair na campanha de 2012
Deva e Ivair na campanha de 2012
O local da convenção será o mesmo da festa política do adversário Sávio Torres. Hoje o Prefeito Deva Pessoa (PSD) oficializa em convenção no Clube e Pousada do Vale a sua candidatura à reeleição de Tuparetama.
O atual vice Professor Ivair será mantido na chapa. O problema é que ao deixar de escolher Romero Perazzo, Deva deverá perder o apoio do PMDB, Presidido pelo irmão Sávio Pessoa. A informação é de Anchieta Santos.

O partido tinha dois candidatos fortíssimos a câmara, Neide de Galego e Orlando da Cacimbinha que não vão mais disputar as eleições.

Mãe será candidata em Lagoa do Carro e o filho em Carpina

Judite Botafogo - foto PSDB
A professora Judite Botafogo (PSDB) será candidata a prefeita de Lagoa do Carro nas eleições deste ano e seu filho, Júnior Botafogo (PSD), à prefeitura de Carpina.
Judite já foi prefeita do município e marcou sua convenção para este sábado, às18h45, no Clube Nacional da cidade.
Ela conta com o apoio de 12 partidos, a saber: PSDB, PSDC, DEM,PSL, PSC, PCdoB, SD, PV, PSD, PDT, PP e PRB. Seu adversário será o prefeito Jailson do Armazém (PSB), que concorre à reeleição.
Seu filho, Júnior, foi candidato em Carpina em 2012 e obteve boa votação. Agora, será novamente candidato e terá como um de seus adversários o próprio tio, Manoel Botafogo, ex-prefeito de Lagoa do Carro e de Carpina e deputado estadual pelo PDT.

Josete Amaral ataca Dinca e diz que entra com os dois pés na campanha de Zé de Bia e Edgley

Zé-de-BiraDepois de selado o acordo entre PSB e PRB, os pré-candidatos Zé de Bira e Edgley Freitas falaram ontem pela primeira vez à imprensa, para Anchieta Santos na Cidade FM.
Sobre as muitas variações do PSB, que foi de seis pré-candidatos até possibilidades de aliança com o Prefeito Sebastião Dias ou com Nicinha de Dinca, o pré-candidato a Prefeito Zé de Bira disse que foram possibilidades apenas, e de oficial, somente o que acontece agora com a candidatura própria.
Por seu lado Edgley Freitas declarou que o projeto do PRB seria a candidatura a Prefeito, mais o partido precisava de um chapa forte, de vereadores, o que não foi possível formar. Quem chamou a atenção foi o ex-prefeito Josete Amaral em suas declarações. Josete admitiu que foi difícil chegar a composição da chapa, mais está feliz com dois jovens  que, segundo ele, vão oxigenar a política tabirense.
“Chegou a vez de Tabira. Nunca vi tão boa vontade de um governo do estado como a administração de Paulo Câmara”.  Outra notícia foi a de que dia 12 de agosto ás 14h30 na escola Arnaldo Alves, o Secretário Estadual de Educação Fred Amâncio anunciará oficialmente o lançamento do projeto para Construção da Escola Técnica estadual de Tabira.
Questionado por ter irmãos no Governo Sebastião Dias,  Josete disse que não pode ficar preso a emprego de irmão ou parente. E seguiu: “Eu vou ajudar a escrever uma nova história de desenvolvimento para Tabira. Estou no lado para o qual que meus irmãos me levaram. Eles voltaram ao governo, eu não”.
O empenho na campanha de Zé de Bira e Edgley será o mesmo que foi apresentado para eleger Sebastião Dias (PTB), afirmou. O ex-prefeito como nunca fez antes, partiu para o ataque contra o ex-prefeito Dinca, dizendo que “um ficha suja, escondido por trás de uma candidatura laranja” não pode pousar de bonzinho depois de ter desmontando a máquina pública.
“Ele (Dinca) não pagou INSS, prevaricou, assaltou os cofres do município e deixou uma péssima herança para o atual gestor. A campanha vai ser polarizada entre Zé de Bira e Sebastião”.

E completou mandando um recado a quem tinha dúvidas sobre seu apoio a chapa socialista: “Não estou preso a amarras. Jamais serei. Sou livre e vou a luta pela vitória de Tabira com Zé de Bira e Edgley”.

Ex-secretário de Educação de Lóssio se alia a Miguel


Durante o anúncio de Luska Portela como pré-candidata a vice de Miguel Coelho em Petrolina, ontem, um novo reforço foi somado à aliança em torno da futura chapa encabeçada pelo PSB. O ex-secretário de Educação da atual gestão municipal, Coronel Heitor Leite, garantiu apoio ao deputado estadual socialista.
“Eu aceitei o convite de Miguel honrado e feliz porque me sinto em casa, pois sempre tive uma boa relação com a geração mais antiga de Cyro, Guilherme e Fernando. Agora é o momento de arregaçar as mangas. Encerrei uma fase e início uma nova com o mesmo propósito de servir”, assegurou Leite.
Miguel destacou a importância do novo aliado e ressaltou que a adesão de tantas forças políticas à sua pré-candidatura demonstra que o projeto é o mais viável para o desenvolvimento de Petrolina. “A experiência do Coronel Leite será muito importante para agregar mais ideias para nosso plano de governo, principalmente, na educação. Esse importante aliado é mais uma prova de que nosso projeto é o mais capaz de levar Petrolina a um novo tempo com união de forças e compromisso”, ressaltou o pré-candidato a prefeito.
Com a chegada do Coronel Leite, a aliança com Miguel conta com seis ex-secretários da atual gestão de Petrolina. Já tinham aderido ao projeto político Orlando Tolentino, Gleidson Castro, Brito Junior, Marlize Mainardes e Jorge Assunção.

Delegado tem aval do PR em Caruaru


O presidente estadual do PR, Sebastião Oliveira, garantiu ao delegado Erick Lessa, pré-candidato do partido a prefeito de Caruaru, o direito de legenda e homologou sua convenção para o próximo dia 4. Mas Lessa não contará com tempo de TV para a campanha. O senador Armando Monteiro retirou o apoio do PTB e do PTdoB, aliando-se à candidatura da tucana Raquel Lyra.
"Não praticamos a velha política. Cumprimos compromisso e só temos um lado. Eric será um candidato do campo da Frente Popular de Pernambuco, alinhado com o governador Paulo Câmara", disse Sebastião. Por Magno Martins

Partido da favela fundado no Rio de Janeiro

O ator Lázaro Ramos com ativista da Frente Favela Brasil no lançamento do partido
"Os negros nunca tiveram espaço nos outros partidos fora de uma caixinha", afirma Celso Athayde, o produtor cultural e fundador da ONG Cufa (Central Única das Favelas). Ele explica por que decidiu, com ativistas do movimento negro e artistas como MV Bill e Lázaro Ramos, lançar a Frente Favela Brasil, que pretende ser o 36º partido brasileiro.
Lançado nesta quinta-feira (28), em evento no Morro da Providência, no Rio de Janeiro, o partido, define Athayde, tem como público alvo "os negros e os moradores de favela" ("nem todos os moradores de favela são negros, mas a enorme maioria é", explica) que, segundo ele, nunca tiveram seus interesses representados pelas siglas já existentes.
"Nem a esquerda, nem a direita conseguiu pensar no negro", afirma ele, que foi criado na favela do Sapo, na zona oeste da capital carioca. Apesar disso, o novo projeto de partido está mais alinhado com as pautas de legendas esquerdistas como o PSOL, que apoia a criação de cota para negros em universidades e concursos públicos.
Depois de lançado, o projeto de partido ainda não tem um programa definido. "Preferimos alçar voo e depois construir o avião", brinca o produtor. Segundo ele, serão realizados seminários e reuniões nas favelas para organizar as posições da Frente.  
Algumas coisas, porém, são certas, diz ele. Projetos por cotas, contra a violência policial e de justiça social devem fazer parte da linha de frente da sigla. "Entendemos, por exemplo, que não há meritocracia sem condição de igualdade", diz Athayde.
A legenda também é crítica ao governo interino de Michel Temer (PMDB). "Não tenho uma opinião sobre a gestão [Temer] porque não considero um governo legítimo", afirma MVBill. (Folha de S.Paulo)

Empresa acusa Delcídio de tentativa de extorsão


Folha de S.Paulo - Arnaldo Turollo JR.
Citada na delação do ex-senador Delcídio do Amaral, a EMS, maior fabricante de medicamentos do país, apresentou defesa na semana passada em que acusou o ex-petista de ter tentado extorqui-la, ameaçando-a para que pagasse uma dívida de campanha dele de R$ 1 milhão.De acordo com a empresa, Delcídio usou seu prestígio como senador e sua suposta proximidade com a presidente hoje afastada, Dilma Rousseff, para fazer pressão.
A investigadores da Lava Jato Delcídio disse que, em 2014, tinha uma dívida deixada por sua campanha derrotada ao governo de Mato Grosso do Sul e que procurou o ex-ministro Edinho Silva, que fora tesoureiro da campanha de Dilma, para quitá-la. Ainda segundo Delcídio, Edinho orientou-o a pedir às empresas credoras para apresentarem notas fiscais em que figurasse como tomadora de serviço a EMS, que faria o pagamento. As credoras eram duas agências de comunicação: a FSB e a Black Ninja.
Na versão da EMS, um assessor de Delcídio, identificado como Diogo, procurou um diretor da farmacêutica no final de 2014 e pediu à empresa para quitar a dívida. Diante de uma negativa, ainda conforme a EMS, o assessor tentou intimidar o diretor: "Você sabia que Delcídio é senador e amigo pessoal da presidente da República?"
Dias após essa conversa, o diretor recebeu as notas por e-mail. A EMS sustenta que não pagou, o que teria levado ao cancelamento das notas.

Maior desafio de Lula passa a ser jurídico


Evitar condenações é fundamental para viabilizar candidatura em 2018
Blog do Kennedy
Ao virar réu na Justiça Federal de Brasília, o ex-presidente Lula passa agora a ter um desafio mais jurídico do que político. Ele responderá à acusação de ter tentado obstruir a Justiça, segundo denúncia baseada na delação do ex-senador petista Delcídio do Amaral.
Segundo Delcídio, Lula teria participado de tentativa de impedir delação de Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras. O ex-presidente nega.
Lula é o principal político brasileiro. Mesmo sob forte bombardeio, é líder nas simulações de primeiro turno a respeito da sucessão presidencial de 2018. Nos cenários de segundo turno, a forte rejeição impediria uma vitória se a eleição fosse hoje. Essa é a primeira denúncia a ser aceita contra o ex-presidente, o que tem simbólico impacto político.
Com o juiz federal Sérgio Moro, Lula partiu para um confronto aberto. Seus advogados apresentaram recurso ao Comitê de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas) questionando a parcialidade de Moro e acusando o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba de ações abusivas.
Em Brasília, Lula será julgado por outro magistrado, Ricardo Augusto Soares Leite, da 10ª Vara Federal. Uma eventual condenação em primeira instância não o enquadraria na Lei da Ficha Limpa, impedindo uma candidatura em 2018. Mas uma condenação em instância superior, nesse caso, sim, porque seria uma sentença de um órgão colegiado.
Lula dá como certo que será condenado por Moro num futuro processo. Como o TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região, sediado em Porto Alegre, confirma as sentenças de Moro, o petista seria impedido de concorrer até eventual reversão dessa condenação.
Logo, a batalha jurídica é fundamental para o futuro de Lula e do PT. Se ele vencer os processos, sairá fortalecido para concorrer em 2018. Se perder, ficará fora do jogo legalmente ou, no mínimo, enfraquecido politicamente.

Ministros de Temer proibidos de subir nos palanques


Certo de que vai permanecer no cargo após o processo de impeachment de Dilma Rousseff no fim de agosto, o presidente interino Michel Temer mandou recado para os ministros.
Proibiu os membros do primeiro escalão da Esplanada de entrarem em campanhas nos seus estados, para evitar rachas na base no Congresso e prejudicar votações de projetos importantes.
Está em perigo, assim, o projeto de Poder da família do ministro da Saúde, Ricardo Barros. A sua filha, a deputada estadual Maria Victória, é candidata a prefeita de Curitiba pelo PP. A esposa de Barros, Cida Borghetti, é vice-governadora do Paraná e marcará presença em vários palanques.  (Leandro Mazzini)

No dia em que vira réu, Lula desabafa: "Já cansei"


Ex-presidente Lula participa do Seminario Sistema Financeiro e Sociedade, organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro - Edilson Dantas / Agência O Globo

Ex-presidente não comenta denúncia, mas fala sobre investigação de sítio em Atibaia e tríplex no Guarujá
O Globo - Sérgio Roxo
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira que vai avaliar do que trata a denúncia que foi aceita pela Justiça Federal do Distrito Federal. A decisão transformou o petista réu pela primeira vez num caso relacionado à Lava-Jato.
— Eu não quero falar dos meus problemas pessoais para não transformá-los em coletivos. Mas enquanto estou aqui conversando com vocês eu fiquei sabendo que foi aceita uma denúncia contra mim de obstrução da Justiça. Eu não conheço a notícia, vamos ver o que é — disse Lula, em palestra na Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo.
Sobre as investigações que têm como foco o sítio em Atibaia e o tríplex no Guarujá, Lula afirmou que não cabe a ele provar que não é dono das propriedades. Relatório da Polícia Federal mostra que o petista e a sua mulher, Marisa Letícia, orientaram as obras da cozinha do sítio.

Réu, Lula entra na faxina da era PT como detrito


Josias de Souza
Prestes a ser confirmado pelo Senado, o impeachment de Dilma Roussef marca o fim da era petista no poder federal —uma época que acaba com exames de consciência e uma tentativa de faxina. Convertido em réu pela primeira vez num processo relacionado à Lava Jato, Lula entra nesse pedaço da história brasileira como detrito.
Suprema ironia: um dia depois de recorrer ao Comitê de Direitos Humanos da ONU contra o juiz Sérgio Moro, Lula foi enviado ao banco dos réus por outro magistrado. O doutor Ricardo Leite, de Brasília, aceitou a denúncia em que a Procuradoria da República acusa Lula, o senador cassado Delcidio Amaral e outras cinco pessoas de tentar sabotar a Lava Jato comprando o silêncio do delator Nestor Cerveró por R$ 250 mil.
Esse pedaço do escândalo ficou em Brasília graças ao empenho da defesa de Lula para desmembrar a Lava Jato, afastando-a da mesa de Moro. O petismo soltou fogos quando o ministro Teori Zavaschi, relator do caso no STF, decidiu manter na Capital esse naco do inquérito. Deu chabu. A exemplo do que já sucedeu com partes do processo enviadas para outras praças, juízes de São Paulo e do Rio parecem acometidos de uma espécie de ‘efeito Moro’. Tomam decisões draconianas uma atrás da outra.
Para que outra época comece, a faxina é fundamental. É preciso recolocar o abajur em pé, desentortar a vara do trombone e certificar-se de que o governo de Michel Temer não continuará tentando esconder peemedebistas sujos sob o tapete. Dessa limpeza depende a qualidade da democracia brasileira.
Lula amou a democracia até o capítulo que estipulava que um ex-operário também pode chegar à Presidência da República. Passou a abominar o sistema depois que o Brasil se deu conta de que numa democracia plena todos são iguais perante a lei. Tratado como detrito e já meio farto de tanta democracia, Lula agora se queixa à ONU dos alegados excessos da “República de Curitiba”.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Evandro Valadares e Ecleriston Ramos, Vitória do Povo !!!

A dupla é de verdade, a melhor opção pra reconstruir São José do Egito!!!

Juiz dá prazo de 20 dias para Lula se defender


O juiz federal Ricardo Augusto Soares Leite, que abriu ação criminal contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-senador Delcídio Amaral e outros cinco acusados pelo Ministério Público Federal por tentativa de obstruir a Operação Lava Jato, deu à defesa do petista e de todos os outros réus o prazo de vinte dias, contado a partir do momento em que seus advogados forem notificados, para responder às acusações do Ministério Público Federal.
O prazo normal é de dez dias, mas o juiz dobrou o tempo para as defesas se manifestarem porque são muitos os acusados e o processo é complexo. Após a manifestação das defesas, o caso seja remetido para o Ministério Público Federal também se manifestar e, depois encaminhar ao juiz, que decidirá, então, as próximas etapas do processo.
A Procuradoria da República no Distrito Federal acusa o ex-presidente de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato em conjunto com o banqueiro André Esteves, Delcídio e seu ex-assessor de gabinete Diogo Ferreira Rodriguez, que teriam atuado para impedir a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró – ele acabou tendo seu acordo de colaboração homologado pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal.
Também teriam participado do esquema o ex-advogado de Cerveró Edson Ribeiro, o pecuarista José Carlos Bumlai e seu filho Maurício Marques Bumlai.
O caso já havia sido denunciado pelo Procurador-Geral da República (PGR), Rodrigo Janot, em dezembro do ano passado. No entanto, em decorrência da perda de foro privilegiado do ex-senador envolvido, Delcídio Amaral, e também pelo fato de o crime ter ocorrido em Brasília, a denúncia foi deslocada à Justiça Federal do Distrito Federal. Com essa redistribuição, o Ministério Público Federal do Distrito Federal foi acionado para se manifestar sobre a ação penal e concluiu pela confirmação integral da denúncia do procurador-geral da República.
Além de confirmar os elementos apresentados, o procurador da República Ivan Cláudio Marx faz acréscimos à peça inicial, com o objetivo de ampliar a descrição dos fatos e as provas que envolvem os acusados. Os crimes apontados estão previstos nos artigos 2º, § 1º, da Lei nº 12.850/2013, art. 357 do CP e art. 355 do Código Penal.

PT entra em alerta ante eventual prisão de Lula


Blog do Camarotti
A cúpula do PT entrou em alerta com a o fato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter virado réu sob a acusação de obstruir a Operação Lava Jato. A decisão pegou de surpresa a cúpula do partido. E fez crescer o temor do grupo mais próximo do ex-presidente com a possibilidade de uma eventual prisão de Lula.
 
O que mais surpreendeu dirigentes petistas foi o fato dessa decisão não ter saído das mãos do juiz federal Sérgio Moro em Curitiba. Até então, a estratégia era fazer um enfretamento direto com Moro para politizar a questão. 

Até mesmo uma reação internacional foi arquitetada para criar um constrangimento na Lava Jato. A defesa de Lula chegou a contratar um advogado na Inglaterra para recorrer ao Comitê de Direitos Humanos da ONU contra o juiz Sergio Moro, acusando-o de violar direitos.

Mas, ao Blog, petistas afirmaram que não esperavam a decisão de hoje pelas mãos de outro magistrado. O juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília, foi quem recebeu denúncia e transformou em réus o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-senador Delcídio do Amaral e mais cinco pessoas por tentativa de obstrução da Lava Jato.

A decisão de hoje esvaziou o discurso da defesa de Lula de perseguição política do juiz Sérgio Moro. Quando o ministro Teori Zavascki, do STF, decidiu desmembrar esse fato, transferido para a Justiça Federal em Brasília, petistas comemoraram. 

“Mas com a velocidade que a decisão foi dada pelo juiz de Brasília, criou-se um clima de insegurança geral”, reconheceu ao Blog um dirigente petista.

Armando oficializa apoio a Raquel Lyra em Caruaru

Conforme este blog antecipou, o senador Armando Monteiro Neto (PTB) oficializou, hoje, o apoio do PTB à candidatura da deputada estadual Raquel Lyra (PSDB) para a Prefeitura de Caruaru. O anúncio foi feito após um entendimento do grupo do petebista quanto à sucessão no município.
Além do PTB, se juntaram ao palanque de Raquel o PTN, PTdoB e PRB, representados no ato por seus presidentes estaduais Ricardo Teobaldo, Sílvio Costa e Sílvio Costa Filho, respectivamente. Todos estiveram na reunião, juntamente com o presidente estadual do PTB, deputado José Humberto Cavalcanti
“Nosso grupo debateu internamente ao longo desse tempo e chegamos à conclusão de que a melhor opção para Caruaru era a candidatura de Raquel Lyra. Por conta do seu perfil, que alia as melhores tradições políticas com a capacidade de entender os desafios para o futuro, e pelas credenciais que ela revelou em sua trajetória política”, destacou o senador. “Além disso, esse grupo tem uma posição de independência no plano político estadual que nos deixa numa situação de muito conforto de que poderemos construir uma posição sempre pensando nos interesses de Pernambuco”, completou Armando.
A deputada Raquel Lyra agradeceu o gesto dos partidos e prometeu empenho na disputa municipal. “Em um momento tão importante da política nacional, quero agradecer esse gesto de confiança e de solidariedade, por podermos montar um palanque dessa envergadura, com lideranças políticas com a história que têm o senador Armando Monteiro e o ex-governador João Lyra Neto (PSDB). Fico muito feliz por receber esses novos apoios e tenho certeza de que vou corresponder às expectativas e à confiança de todos”, disse a parlamentar.
O ex-governador João Lyra Neto, pai da deputada, ressaltou a importância dessa aliança no atual momento da política brasileira. “Gostaria de registrar que o momento político que estamos vivendo nos mostra a necessidade de que as pessoas que têm compromisso público estejam juntas, que é o nosso caso, é da nossa tradição. O senador Armando Monteiro, assim como os representantes dos outros partidos, também tem esse sentimento. É preciso restaurar a liderança nacional de Pernambuco. Fico feliz de que estejamos juntos, e tenho certeza de que a candidatura de Raquel Lyra vai representar esse desejo. Todos aqui temos história política, e Raquel será a representante dessa nova geração que vai melhorar a vida de Caruaru”, afirmou o ex-governador.

Em Belo Jardim, prefeito João Mendonça é investigado por suposto desvio de verba federal de obra em unidade de saúde

POR  EM NOTÍCIAS
Sem alarde, o Ministério Público Federal (MPF) em Caruaru abriu um inquérito para investigar um suposto desvio de recursos públicos na execução da obra da Unidade Básica de Saúde na comunidade Vila Taboquinha, em Belo Jardim, no Agreste.
O despacho do procurador Luiz Antônio Miranda, abrindo a investigação, foi assinado em 22 de julho de 2016.
A obra é tocada pelo prefeito João Mendonça (PSB). Segundo os autos do processo, um advogado compareceu à Procuradoria da República em Caruaru apresentando a denúncia contra o prefeito.
As investigações estão em andamento, tendo o MPF requsitado documentos da Secretaria Executiva do Ministério da Saúde.
João Mendonça é primo do ministro da Educação Mendonça Filho (DEM), mas os dois são rompidos politicamente. Em 2012, uma irmã de Mendonça Filho disputou a prefeitura contra João Mendonça, mas perdeu.
O prefeito quer ser reeleito em outubro, mas adversários acusam que ele estaria inelegível, pela Lei de “Ficha Suja”. O prefeito nega, garantindo que será candidato. Eleito pelo PSD em 2012, se filiou ao PSB para disputar a reeleição em outubro.