Miguel e João Tenório se destacam



  Não tenho pesquisas ainda de avaliação dos seis primeiros meses de gestão nos principais municípios do Estado, mas a impressão é que em Petrolina, maior colégio eleitoral do Sertão, o prefeito Miguel Coelho (PSB) está dando conta do recado. Dos novatos é, sem dúvida, o mais criativo, arrojado, capaz de gerar uma agenda positiva sem deixar ser contaminado pelos fatos negativos.
Miguel é também muito jeitoso e articulado. Conta em Brasília com dois apoios importantes para atrair recursos para o município: o pai, o senador Fernando Bezerra Coelho, líder do PSB no Senado, e o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, seu irmão. Ambos já garantiram emendas para obras e pela influência que detém abriram as portas para o patrocínio dos festejos juninos.
Petrolina montou uma mega estrutura, só comparável a de Campina Grande. Com ajuda de empresas públicas e privadas foi possível montar uma das mais atraentes grades para o evento, com a presença de artistas nacionais renomados, sem esquecer o autêntico e mais que cultural forró pé de serra. Até os mais radicais adversários do prefeito tiraram o chapéu para o São João que ele promoveu.
Tenho recebido, igualmente, boas referências ao trabalho do prefeito da pequena São Joaquim do Monte, João Tenório (PSDB), já em segundo mandato. Dizem que ele administra o município como uma empresa e que a cidade virou um canteiro de obras e de boas experiências na área social, a que todos os prefeitos deveriam, verdadeiramente, priorizar pelo seu poder de transformar vidas.
Como Miguel, João Tenório é jovem e vem de uma família tradicional, tendo seu pai governado o município. Pernambuco é um Estado que tem um baixo nível de formação de novos quadros e de renovação política. Certamente, existem outros gestores muito bem avaliados e que possam ser destacados e valorizados.
Por falar no social, recorro a Mahatma Gandhi para abrir ainda mais os olhos destes novos governantes: “Os sete pecados capitais responsáveis pelas injustiças sociais são: riqueza sem trabalho; prazeres sem escrúpulos; conhecimento sem sabedoria; comércio sem moral; política sem idealismo; religião sem sacrifício e ciência sem humanismo”. 
Por Magno Martins

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo