Tripoli: maior parte do PSDB é favorável à denúncia


Câmara dos Deputados
Folha de S. Paulo - Luiza Franco

A maior parte da bancada do PSDB na Câmara dos Deputados é a favor da admissibilidade da denúncia da PGR (Procuradoria Geral da República) contra o presidente Michel Temer, disse, nesta terça-feira (11), o líder da bancada, o deputado Ricardo Tripoli (SP).
Na última segunda-feira (10), o relator da denúncia na CCJ, o deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), deu parecer favorável à denúncia contra o presidente. O parecer, agora, precisa ser aceito ou rejeitado por maioria dos presentes à sessão. A CCJ tem 66 integrantes.
O parecer começará a ser discutido nesta quarta (12) para, então, ser votado. Depois disso, segue para o plenário.
O PSDB é o principal aliado do PMDB na coalizão de Temer e tem a quarta maior bancada na Câmara, com 46 deputados.
O partido já havia liberado seus sete deputados membros da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) para votarem como quiserem na comissão, sem a obrigação de acompanhar uma decisão partidária.
Uma reunião de mais de quatro horas, nesta terça (11), acabou sem uma definição sobre como o PSDB como um todo vai se posicionar diante da denúncia no plenário – se liberará ou não a bancada.
"A maioria dos deputados são pela admissibilidade. Terminada a votação na CCJ, vamos nos sentar para ver o que é melhor, se cada um vota por sua própria responsabilidade ou se buscamos uma solução de maioria", disse Tripoli.
Foi perguntado a ele o que teria motivado a posição dos deputados.
"Cada um foi analisando por si só. Alguns assistiram CCJ, foram vendo os fatos. O relator é do PMDB e é pela admissibilidade, então fica difícil cobrar reciprocidade num momento destes", respondeu. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo