Utilidades da tragédia


O presidente Michel Temer, acompanhado de ministros, governadores e autoridades, durante o velório do ministro Teori Zavascki, no bairro Praia de Belas, em Porto Alegre
Bernardo Mello Franco - Folha de S.Paulo
A política sabe ser hipócrita. Na tarde em que o avião de Teori Zavascki caiu no mar, parlamentares que tentam escapar da Lava Jato divulgaram notas consternadas e lacrimosas sobre a tragédia.
"É uma grande perda para o país", declarou o senador Romero Jucá, o "Caju" da lista da Odebrecht. "O Brasil, a sociedade e o mundo jurídico perdem um de seus maiores expoentes", reforçou o senador Renan Calheiros, titular do codinome "Justiça" nas planilhas da empreiteira.
No velório, outros investigados disputaram espaço ao redor do caixão de Teori. Ao menos cinco foram citados nas delações, com seus respectivos apelidos : Michel Temer ("MT"), Eliseu Padilha ("Primo"), Rodrigo Maia ("Botafogo"), José Serra ("Careca") e Geraldo Alckmin ("Santo").
A política sabe ser cruel. Antes de o corpo baixar à sepultura, aspirantes já se insinuavam para a vaga aberta no Supremo. Alguns nem buscaram ser discretos. Julio Marcelo de Oliveira, o procurador das pedaladas, divulgou a própria candidatura nas redes sociais. "Extremamente honrado com a lembrança de meu nome para missão tão grandiosa", escreveu.
advogado Heleno Torres se desmanchou em elogios a Temer, a quem caberá escolher o novo ministro. "Não conheço pessoa mais elegante e equilibrada", disse à repórter Thais Bilenky. Ele acrescentou que o peemedebista é o "melhor presidente" que o país poderia ter. Se não chegar ao tribunal, talvez consiga uma vaga na comunicação do Planalto.
A política sabe ser oportunista. Figurões de todos os partidos, do PT ao PSDB, torcem para que o desastre atrase a Lava Jato. Isso ocorrerá se a ministra Cármen Lúcia não homologar logo as delações premiadas.
No governo, a tragédia ainda é vista como um imprevisto útil para acelerar votações no Congresso. "A morte, por certo, vai fazer com que a gente tenha, em relação à Lava Jato, um pouco mais de tempo", sentenciou o ministro Padilha. Ele não parecia aflito com o prognóstico. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo