A poderosa perdeu uma


     A Rede Globo, que assume ostensivamente uma postura pelo afastamento de Michel Temer, perdeu, ontem, a primeira das suas batalhas para cassar o presidente, no Tribunal Superior Eleitoral, que rejeitou, por 4 votos a 3, o pedido de cassação da chapa Dilma-Temer. Mas, certamente, não vai recuar do seu propósito. Vem aí, com mais destaque ainda, o processo que Temer responderá no Supremo Tribunal Federal sob a acusação de tramar a compra do silencia do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB).
Temer e seus aliados devem ter festejado o voto minerva do presidente do TSE, Gilmar Mendes. Afinal, não se trata de uma briga igual, mas desigual. Cada um com suas ferramentas. Temer, com o apoio do Congresso, do aliado Gilmar no TSE e o poder da caneta. A TV Globo, por sua vez, com a sua capacidade indiscutível de formar opinião. Até agora, quem enfrentou a poderosa se ferrou. Que o diga o ex-governador do Rio, Leonel Brizola, massacrado, quase que execrado da vida pública.
Brizola passou como um trator por cima de seus adversários na eleição de 1982 para o Governo do Estado do Rio de Janeiro, quando ele era considerado “candidato sem chances do PDT ao Palácio Guanabara”, como dizia a TV-Globo. Uma das frases famosas de Brizola: “Quando vocês tiverem dúvidas quanto a que posição tomar diante de qualquer situação, atentem… Se a Rede Globo for a favor, somos contra. Se for contra, somos a favor!”
Quando a TV Globo pendeu para Collor em 1989, manipulando o debate final do ex-caçador de marajás com Lula, foi o passaporte para a chegada do “colorido” ao poder. Mais tarde, quando assumiu a campanha pelo impeachment de Collor, sua derrocada veio a jato. Mais tarde, na primeira eleição de Lula presidente, em 2002, depois de três campanhas contra o ex-petista, o ajudou a chegar ao poder.
No impeachment de Dilma, igualmente, teve posição favorável à sua degola, mesma trincheira assumida em relação à crise da Lava-Jato, só faltando assumir, em editorial, que defende e prega a prisão de Lula. A TV Globo vinha sendo generosa com Michel Temer, a ponto de os petistas irem às ruas falar mal e agredir repórteres, pregando o “abaixo a Rede Globo”.
A poderosa já dava como favas contadas a renúncia de Temer, tão logo o presidente foi pilhado em gravação feita pelo dono do frigorifico JBS. O presidente, entretanto, usou uma rede nacional de TV e rádio para afirmar que não largaria o osso. A partir daí, as atenções da emissora se voltaram para o julgamento das contas da chapa no TSE. Mas o corajoso Gilmar Mendes melou o jogo da globoleza. Como a emissora acha que pode tudo, vai continuar dedicando o JN, todos os dias, pela cassação de Temer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo

Nova Farmácia Básica do Centro é entregue à população patoense