domingo, 18 de dezembro de 2016

Itaipu desbanca hidrelétrica chinesa maior do mundo


Hidrelétrica de Itaipu à noite
Folha de S.Paulo
A usina Itaipu Binacional desbancou a hidrelétrica chinesa Três Gargantas neste sábado (17), à 0h10, e bateu recorde mundial em geração de energia.
A liderança foi conquistada quando a usina binacional superou a marca de 98,8 milhões de megawatts-hora (MWh), recorde atual da usina chinesa. Nesta sexta, Itaipu bateu sua própria marca anual, que era de 98,6 milhões de megawatts-hora, atingida em 2013.
A expectativa é de que, na quarta-feira (21), a hidrelétrica que pertence ao Brasil e ao Paraguai supere a barreira inédita dos 100 milhões de MWh em um ano.
Em 2014, a empresa perdeu a primeira posição para a chinesa devido à seca no Brasil. Em 2015, a hidrelétrica binacional conseguiu desbancar a rival, que viu sua produção cair para 87 milhões de MWh, ante 89,2 milhões de MWh da usina do Brasil e do Paraguai.
Neste ano, a hidrelétrica binacional teve um desempenho melhor impactado pelo fluxo regular do Rio Paraná, pelo alto consumo de eletricidade no Brasil e no Paraguai, e também pela otimização do uso dos recursos naturais, segundo a empresa.
"Os sucessivos recordes são uma consequência natural dos investimentos feitos pela empresa, no decorrer do projeto, na modernização dos equipamentos e na capacitação do corpo técnico, aliado ao alto comprometimento dos empregados", avalia Jorge Samek, diretor-geral brasileiro.
Itaipu tem capacidade instalada de 14 mil MW, menor do que a de Três Gargantas, que tem 22,4 mil MW instalados.
SUPRIMENTO
A energia de 98,6 milhões de MWh produzida por Itaipu no ano até esta sexta seria suficiente para suprir o consumo de todo o Brasil por dois meses e 15 dias ou o Paraguai por quase sete anos.
Também poderia abastecer a região Sul por um ano e dois meses, o Estado de São Paulo por oito meses e 20 dias ou a cidade do Rio de Janeiro por cinco anos e cinco meses.
Atualmente, Itaipu responde por 15% de toda a energia elétrica consumida no Brasil e atende mais de 75% do mercado paraguaio de eletricidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário