domingo, 15 de janeiro de 2017

Boca de jacaré


Bernardo Mello Franco - Folha de S.Paulo
Numa mensagem interceptada pela Polícia Federal, o doleiro Lúcio Funaro chama Geddel Vieira Lima de "boca de jacaré". É uma referência à gula que, de acordo com ele, o ex-ministro demonstrava nas negociações para liberar empréstimos da Caixa. "Esse cara acha que eu tenho uma impressora", reclama. Uma impressora de dinheiro, claro.
Na sexta-feira 13, a PF fez buscas em dois endereços de Geddel na Bahia. Os investigadores suspeitam que o ex-ministro beneficiou empresas e traficou informações sigilosas em troca de propina. Ele é acusado de integrar uma "quadrilha" com o ex-deputado Eduardo Cunha.
Geddel e Cunha são velhos integrantes do PMDB da Câmara. No segundo volume dos "Diários da Presidência", Fernando Henrique Cardoso reclama do apetite do grupo para devorar nacos da máquina federal. Ele conta que Geddel ameaçou retaliar o governo se o aliado Eliseu Padilha não fosse promovido a ministro. "Não vou nomear Eliseu Padilha nenhum, porque esta pressão está cheirando mal", anotou FHC, em abril de 1997. No mês seguinte, Padilha virou ministro dos Transportes.
Geddel, Cunha e Padilha são velhos aliados de Michel Temer. Os peemedebistas continuaram a trocar apoio por cargos nos governos petistas. Com o impeachment, passaram a mandar sem intermediários.
Depois da batida na casa de Geddel, o Planalto tentou disseminar a versão de que Temer estaria "aliviado". O presidente não teria motivos para se preocupar, já que o aliado deixou de ser ministro.
Ao menos dois fatos sugerem que o discurso tem pouca conexão com a realidade. O relatório da PF vincula Roberto Derziê, ligado a Temer, a uma operação suspeita de R$ 50 milhões na Caixa. Em dezembro, o presidente assinou sua nomeação para a cúpula do banco. Sem foro privilegiado, o falante Geddel também ficou mais próximo da fila das delações. Quem conhece o jacaré sabe o estrago que sua boca pode causar. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário