RODRIGO MAIA NEGA QUE REFORMA DA PREVIDÊNCIA FICARÁ PARA SEGUNDO SEMESTRE

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), negou nesta terça-feira, 6, que a votação da reforma da Previdência vá ficar apenas para o segundo semestre. Questionado por jornalistas sobre como ficará o calendário de votações, diante do julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Maia afirmou que "de jeito nenhum" o tema será analisado apenas depois de agosto.
"Vamos organizar o calendário. Ela (a reforma da Previdência) é urgente. Precisa ser votada, vamos organizar da melhor forma possível. Não votar significa abrir mão de uma responsabilidade que não é apenas do Executivo", afirmou Maia.
Diante da forte turbulência política causada pela delação da JBS, líderes de partidos da base aliada e interlocutores do governo na Câmara defendem que a reforma da Previdência só comece a ser votada no plenário da Casa em agosto, após o recesso parlamentar.
A avaliação é de que, pela impopularidade da matéria, seria um risco pautá-la agora, em meio à instabilidade que vive o governo Michel Temer, após o presidente ser pessoalmente atingido pela delação.
A opinião dos líderes é mais pessimista do que a do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que defende aprovação da proposta antes do recesso. Em teleconferência na segunda com investidores, Meirelles disse esperar aprovar a reforma em junho ou julho deste ano, "no máximo em agosto". Segundo ele, a aprovação da matéria até agosto não traz problemas fiscais.
Maia rejeitou também a possibilidade da base aliada aprovar apenas mudanças pontuais da reforma, como uma alteração na idade mínima. "O Plenário é soberano para decidir, mas eu defendo que seja um texto na linha do que foi aprovado na comissão." 
Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo

Nova Farmácia Básica do Centro é entregue à população patoense