Eleições 2018: Doria avança em tática e Alckmin reage


Prefeito de São Paulo se aproxima de partidos como PMDB e DEM e provoca repercussão no grupo político ligado ao governador tucano
O Estado de S.Paulo - Pedro Venceslau e Renan Truffi
A movimentação em campo aberto do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), para “nacionalizar” seu nome com vistas à eleição presidencial de 2018 provocou uma reação do grupo político do seu padrinho, o governador Geraldo Alckmin, que vê suas articulações serem obstruídas pelo afilhado.
Doria anuncia repasse de R$ 100 mi do governo federal para assistência social
Doria se reuniu com Temer nesta segunda  Foto: AP Photo/Andre Penner
Segundo aliados de Doria, que nega qualquer possibilidade de romper com Alckmin ou mesmo enfrentá-lo em prévias, o prefeito aposta na aproximação com partidos como PMDB, DEM e PRB como forma de pressionar o PSDB de fora para dentro. O tucano recebeu a sinalização dessas três legendas de que ele poderia concorrer por elas em 2018. 
O prefeito, que teve agenda de candidato em Salvador nesta segunda-feira, 7, ao lado de ACM Neto (DEM), prefeito da capital baiana, vai intensificar ainda mais a rotina de viagens. Estão programadas nos próximos meses visitas ao Tocantins, ao Espírito Santo, a Rondônia e à Paraíba.
Correligionários e aliados de Doria dizem reservadamente que ele precisa se movimentar para manter seu nome como opção caso Alckmin não “decole”. O entorno de Doria reconhece que o prefeito, que está em seu primeiro mandato eletivo, não tem força na máquina partidária do PSDB e que boa parte da cúpula da sigla tem forte resistência ao seu nome. 
Por isso, dizem, Doria constrói pontes com outros partidos, já que seu estilo não combina com a lentidão tucana em tomar decisões. “O Doria tem todo o direito de se movimentar nacionalmente. Acredito que é mais democrático o PSDB ter mais de uma opção para 2018”, disse o deputado estadual Fernando Capez, que está alinhado com o prefeito.
Lealdade. Aliados do governador, por sua vez, pressionam o prefeito a manter a “lealdade” ao padrinho. “O Doria precisa pavimentar as ruas da cidade, porque a pavimentação para a disputa presidencial está sendo consolidada pelo governador”, disse o deputado estadual Cauê Macris, presidente da Assembleia Legislativa. “Tenho segurança de que o partido está fechado com o Geraldo”, afirmou.
Na mesma linha, o presidente do PSDB de São Paulo, Pedro Tobias, minimizou os afagos feitos nesta segunda-feira a Doria pelo presidente Michel Temer em um evento na capital, quando o peemedebista o chamou de “parceiro e companheiro”. “O Geraldo é o candidato do PSDB. Não é o Temer que vai decidir. O melhor mesmo é que o presidente apoie um nome de outro partido. A gente ficaria agradecido”, disse o dirigente.
Apesar do nome de Doria estar ganhando força nacionalmente, ele encontra forte resistência no grupo dos chamados “tucanos históricos”. “Doria conta com o desgaste do Alckmin e da classe política para ser candidato. Os dois estão cada vez mais separados”, disse o ex-governador Alberto Goldman, vice-presidente nacional do PSDB. “Ele não tem força na máquina partidária nem credibilidade dentro do PSDB”, afirmou o tucano.
O presidente licenciado do PSDB, senador Aécio Neves (MG), é outro que entrou em rota de colisão com o prefeito após Doria defender sua saída definitiva do cargo. 
Questionado sobre sua relação com o governador paulista, Doria foi categórico: “Não mudou nada. Seguimos amigos e unidos”. Para não perder terreno, Alckmin também programa uma agenda de viagens pelo País

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo