Antes de sair, Janot pega quadrilhões do PMDB, PP e PT


Helena Chagas – Blog Os Divergentes
O Supremo Tribunal Federal já foi avisado de que, em sua contagem regressiva para deixar o posto, o PGR Rodrigo Janot não está finalizando apenas a denúncia (ou as denúncias) que pretende apresentar contra Michel Temer. Até por questão de coerência, o procurador deve apresentar também denúncias contra os integrantes dos chamados “quadrilhões”, inquéritos que correm separados para investigar o PMDB da Câmara – no qual Janot quer incluir agora o próprio Michel e os ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha -, o PMDB do Senado, o PT e o PP. Ou seja, haverá uma penca de políticos sendo processados e, possivelmente julgados, no ano eleitoral de 2018.
Este terá sido, segundo interlocutores de ambas, o principal tema da conversa, há alguns dias, da presidente do STF, Cármen Lúcia, com a sucessora de Janot, Raquel Dodge, a quem caberá administrar esses processos após 17 de setembro. A preocupação de Cármen Lúcia será julgar o mais rapidamente possível o maior número de processos antes da eleição, tornando inelegíveis os políticos condenados.
Nesse rol, estão Renan CalheirosRomero Jucá, Eunicio Oliveira, Ciro Nogueira, Geddel Viera Lima, Henrique Alves e muitos, muitos outros. O esforço de suas defesas, naturalmente, será protelar esses julgamentos. Só que a prerrogativa de foro especial no STF é uma faca de dois gumes. Uma vez condenados, eles não têm outras instâncias e colegiados a recorrer – o que pode deixa-los inelegíveis desde a primeira condenação.
O fato é que, independentemente da nova denúncia contra Temer – que pode sair até  dentro do processo do quadrilhão do PMDB se o ministro Edson Fachin aceitar sua inclusão – haverá muita emoção, e muita confusão, no pós-Janot. Vai ser difícil votar reformas com uma enxurrada de políticos sendo denunciados ao mesmo tempo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo