EUA: guerra não é iminente mas risco cresce


Agências internacionais
Autoridades do primeiro escalão do governo norte-americano afirmaram neste domingo (13) que um confronto militar com a Coreia do Norte não é iminente, mas que a possibilidade de guerra com o país é maior do que era há uma década.
O diretor da CIA (Agência Central de Inteligência) Mike Pompeo e o tenente-general do Exército H.R. McMaster, conselheiro de segurança nacional do presidente Donald Trump, tentaram oferecer garantias de que oconflito é evitável, mesmo tentando passar a mensagem de que apoiam as palavras duras de Trump em relação a Pyongyang.
Na semana passada, o republicano afirmou que as armas americanas estavam "engatilhadas" caso o regime norte-coreano resolvesse fazer algo "imprudente".
A mensagem foi uma resposta aos recorrentes testes de mísseis pelo ditador Kim Jon-un, à ameaça de que usariam como alvo a ilha de Guam -território americano no Pacífico que abriga uma base militar do país- e ao relatório da Defesa americana segundo o qual os norte-coreanos já são capazes de construir uma bomba nuclear pequena o suficiente para caber em um míssil.
Pompeo e McMaster afirmaram que os aliados norte-americanos -uma alusão a Japão e Coreia do Sul- não poderão mais esperar enquanto a Coreia do Norte avança com seu projeto de desenvolver um míssil balístico intercontinental.
"Não estamos mais perto da guerra do que estávamos a uma semana atrás, mas estamos mais perto do que estávamos há dez anos", afirmou McMaster, acrescentando que o governo Trump está preparado para lidar com a Coreia do Norte militarmente, se necessário.
McMaster ressaltou que os EUA têm feito "esforços diplomáticos", liderados pelo secretário de Estado Rex Tillerson, além de impor sanções financeiras contra o país para tentar dissuadir o líder norte-coreano Kim Jong-un de continuar as provocações.
Questionado se as pessoas deveriam se preocupar com a escalada das tensões entre os dois países, Pompeo afirmou ainda que "não há nada iminente neste momento". Para o diretor da CIA, Kim é "racional" e responde a "circunstâncias adversas".
"Esperamos que a Coreia do Norte entenda que os EUA não terão mais a paciência estratégica que permitiu o avanço do programa de armas local", declarou Pompeo. "É simples assim." 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo