PF: corrupção e lavagem em 2º inquérito contra Gleisi


IstoÉ - Lisandra Paraguassu
A senadora e presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, foram acusados de corrupção passiva qualificada e lavagem de dinheiro no relatório final do inquérito que investigava as relações de ambos com a empreiteira Odebrecht.
Em nota, a PF afirma que "há elementos suficientes para apontar a materialidade e autoria dos crimes de corrupção passiva qualificada e lavagem de dinheiro praticados pela senadora, seu então chefe de gabinete, Leones Dall Agnol e seu marido, Paulo Bernardo da Silva".
Além do casal, foram indiciados ainda os intermediários no recebimento de recursos ilegais de campanha, Bruno Martins Gonçalves Ferreira e Oliveiros Domingos Marques Neto.
Gleisi e Paulo Bernardo foram acusados de receber recursos irregulares da empreiteira Odebrecht para pagar contas da campanha dela ao Senado, em 2014. Segundo a PF, foram identificados oito pagamentos de 500 mil reais, além de outros três pagamentos de 150 mil reais --um em 2008 e outros dois em 2010.
A PF aponta ainda a ocorrência de crime eleitoral na campanha de Gleisi ao Senado.
Além desse inquérito, Gleisi já é ré por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no Supremo Tribunal Federal em outro caso, em que é acusada de receber R$ 1 milhão de dinheiro desviado da Petrobras.


De acordo com uma fonte ouvida pela Reuters, o julgamento deste primeiro caso deve ocorrer até o final do ano e será um dos primeiros a serem concluídos pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo