Maia adia votação do parecer do pacote anticorrupção

Maia afirmou que vai continuar se reunindo com líderes da Casa para estudar o texto até a próxima terça-feira, 29, e que, somente depois disso, a matéria seria levada novamente ao plenário



Diante da confusão instalada no plenário e para ganhar tempo para chegar a um consenso, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidiu adiar a votação do pacote das medidas contra a corrupção para a próxima semana.

Maia afirmou que vai continuar se reunindo com líderes da Casa para estudar o texto até a próxima terça-feira, 29, e que, somente depois disso, a matéria seria levada novamente ao plenário.

Ao anunciar a decisão, ele mandou recados ao Ministério Público Federal e disse que os deputados têm independência para aprovar ou rejeitar qualquer texto. "Ninguém pode se sentir ofendido por uma decisão onde o plenário da Câmara é soberano", disse.

Ele também afirmou que não haverá anistia à prática de caixa 2 e que isso é algo que tem sido usado para denegrir a imagem do Congresso. "Vamos acabar com essa história de anistia, não é anistia de um crime que não existe. Isso é um jogo de palavras para desmoralizar e enfraquecer o parlamento", disse.

Após ficar até de madrugada na Câmara, Maia voltou à Casa logo cedo e começou uma série de reuniões com líderes de praticamente todos os partidos. Pela manhã, deputados não descartavam a possibilidade de rejeitar completamente o texto do relator Onyx Lorenzoni (DEM-RS) e apresentar um projeto substitutivo.

No início da tarde, os parlamentares chegaram a aprovar urgência para apreciação das medidas anticorrupção. Houve bate-boca no plenário quando deputados tentaram aprovar um requerimento para que todas as votações fossem nominais, ou seja, para que ficasse registrado como cada parlamentar votou.

A grande preocupação dos parlamentares é votar um texto que seja mais favorável à classe política. Políticos investigados na Lava Jato pressionam para que o texto do projeto traga de forma explícita a anistia ao caixa 2, para não dar brecha pata ser questionada pelo Ministério Público Federal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo

Nova Farmácia Básica do Centro é entregue à população patoense