TCU ouvirá ex-ministros para entender farra do Fies


Elio Gaspari – Folha de S.Paulo
Uma auditoria do Tribunal de Contas da União informa: entre 2013 e 2014 o comissariado petista pedalou um buraco de R$ 3,1 bilhões nas dívidas do Fundo de Financiamento Estudantil, o Fies. Emprestando dinheiro a juros negativos ao final de 2015 produziu uma inadimplência de 49% numa clientela de 2,2 milhões de beneficiados.
O Fies é defendido pelo comissários petistas como uma iniciativa que amplia o acesso de estudantes de baixa renda a faculdades particulares. Ele é muito mais que isso. Trata-se de um programa de estatização do crédito para alunos de escolas particulares, muitas delas pertencentes a empresas bilionárias que aproveitaram a festa aumentando o valor das anuidades. Até 2015 um estudante podia tirar zero na redação e ainda assim o dono da faculdade inscrevia-o no financiamento da Viúva. Praticamente não era necessário fiador. Segundo o TCU, até 2020 serão necessários R$ 55 bilhões para sustentar a farra.
Dois anos depois da exposição do descalabro, o TCU quer ouvir cinco ex-ministros da Educação e do Planejamento. Dois deles –Fernando Haddad e Aloizio Mercadante– poderão explicar o que houve com o inchaço do programa num ano eleitoral. Haddad, atual prefeito de São Paulo, habilita-se ao título de Tecnocrata-Padrão do PT. Como ministro da Educação, afrouxou as regras do Fies e elas passaram de 150 mil financiamentos em 2010 para 4,4 milhões, quando seu colega Aloizio Mercadante estava na pasta. Tudo, tudo pelos estudantes de baixa renda, mas financiou também jovens com renda elevadas, quase sempre em faculdades bilionárias. Em 2013, Haddad assumiu a Prefeitura de São Paulo e passou a liderar o movimento de prefeitos para renegociar dividas pactuadas com a União. Um espeto de R$ 62 bilhões que cairia para R$ 36 bilhões. De um lado do balcão, gastou. Do outro, não quis pagar o que devia.
Haddad e Mercadante explicarão a matemática do Fies, mas o TCU poderia chamar também uma meia dúzia de grandes empresários do ensino privado para contar o lado rentável da história.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo