Rio em chamas deixa governo e PMDB em alerta


Leandro Mazzini - Coluna Esplanada
O Rio de Janeiro pega fogo com as prisões seguidas de dois ex-governadores – Anthony Garotinho (PR) e Sérgio Cabral (PMDB) – a estadia em Curitiba de Eduardo Cunha (PMDB), ex-presidente da Câmara Federal, e o cerco contínuo dos investigadores a outros nomes do PMDB.
As consequências vão desmontar muito do cenário político-eleitoral no Estado e mexer com o tabuleiro nacional.
O PMDB, atingido em cheio nas últimas operações, começa a repensar seus quadros. Houve reunião de emergência da cúpula do Governo de Michel Temer e do comando do partido a portas fechadas.
A certeza do grupo que manda no partido é a de que a legenda terá de procurar novos nomes nacionais se quiser sobreviver a partir de 2018. Temer vai ''se aposentar'' após o fim do mandato.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo