terça-feira, 1 de agosto de 2017

Planalto nega acusação a Temer; Joesley é “bandido”


Nota chama Joesley de “Meliante da Friboy” e Saud de “Capanga”
Blog Diario do Poder
Em nota divulgada pelo Palácio do Planalto na noite desta segunda-feira (31), a Presidência da República afirma que "a quadrilha comandada pelo bandido Joesley Batista fabrica em profusão versões e planilhas”, para responder à acusação de que o presidente Michel Temer teria dado aval ao pagamento de R$3 milhões em espécie ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na campanha de 2014.
Segundo a denúncia, publicada pela revista Época, esse dinheiro teria sido “descontado de um crédito” de R$15 milhões determinado pelo PT ao candidato a vice-presidente Michel Temer.
“O presidente nunca teve 'crédito' junto às empresas do meliante da Friboi”, rebate a nota da Presidência, “nem autorizou transferências a outros parlamentares.”
A denúncia apresenta como provas ou indícios uma planilha elaborada por um funcionário da J&F/JBS, na qual a operação está descrita, e a afirmação do lobista do grupo, Ricardo Saud, de que teria obtido verbalmente do próprio Temer, em seu escritório de São Paulo, a autorização para fazer o pagamento a Cunha.


“A conversa com o capanga é absolutamente ficção barata”, diz a nota da Presidência da República, que ainda afirma que o vazamento dessa nova versão “tem o claro interesse de tentar influenciar na votação da Câmara dos Deputados."

Nenhum comentário:

Postar um comentário