Com escândalos ou sem, governo aumentará impostos


Integrado e apoiado por enrolados em escândalos, governo elevará impostos
Josias de Souza
Os economistas do governo são como ficcionitas que se deram bem na vida. A gestão de Michel Temer, que prometia adotar o realismo fiscal, tomou gosto pela ficção. A equipe de Henrique Meirelles dizia no ano passado que o buraco nas contas públicas de 2017 seria de inacreditáveis R$ 139 bilhões de reais. O ministro da Fazenda informa que o rombo cresceu em R$ 58 bilhões. Estamos falando agora de uma cratera de inaceitáveis R$ 197 bilhões. Para retornar da cratera inaceitável para o rombo inacreditável, o governo flerta com o aumento de impostos. Como se hábito, vão meter a mão no seu bolso.
Sempre que precisam dar lições à plateia ignorante, os economistas de Brasília recorrem à analogia doméstica. Dizem que o Orçamento da União é como o orçamento da sua casa, onde ninguém está autorizado a gastar mais do que ganha. O problema é que os ficcionistas do governo não seguem os próprios ensinamentos. No final do ano passado, por exemplo, aprovaram-se no Congresso pacotes milionários de reajustes salariais para servidores. Dizia-se que estava tudo na conta do déficit de R$ 139 bilhões. Era lorota. Para ficar na metáfora doméstica, é como se o governo guardasse café no pote de açúcar, sem se dar conta de que na frente está escrito sal.
Em troca do aumento de impostos, o brasileiro continuará recebendo do Estado uma segurança pública inexistente, um serviço de saúde fictício e uma educação ilusória. Bem ao gosto dos ficcionistas responsáveis pelo enredo. Tudo isso num momento em que a Lava Jato despeja diariamente no noticiário evidências de que o assalto aos cofres públicos tem dimensões amazônicas. Mas o pior de tudo é essa incômoda sensação de que o mesmo governo que prepara a mordida é integrado e apoiado por suspeitos de participação no assalto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo