Frase sobre provas e convicção nunca foi dita


Da Folha de São Paulo
A frase atribuída a um procurador da Operação Lava Jato –"Não temos prova, mas temos convicção"– que se espalhou pela internet e virou até argumento de defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não foi dita como tem sido divulgado.
Na coletiva de imprensa que anunciou a denúncia contra Lula, nesta quarta (14), dois procuradores afirmaram, em momentos diferentes, que "não temos prova cabal" e que havia "convicção" sobre o papel do petista no esquema de corrupção na Petrobras.
As duas afirmações, porém, não foram ditas na sequência, e nem por um único procurador.
A frase que gerou mais polêmica é do procurador da República Roberson Pozzobon, que, ao explicar a acusação de corrupção contra Lula no tríplex do Guarujá, declarou:
"Não teremos aqui provas cabais de que Lula é o efetivo proprietário, no papel, do apartamento, pois justamente o fato de ele não figurar como proprietário é uma forma de ocultação."
Ainda na entrevista, em pelo menos outros dois momentos, o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa, disse que as provas coletadas até ali davam "convicção" sobre o papel central de Lula no esquema da Petrobras.
"Provas são pedaços da realidade, que geram convicção sobre um determinado fato ou hipótese. Todas essas informações, como num quebra-cabeça, permitem formar a figura de Lula no comando do esquema criminoso identificado na Lava Jato", afirmou Dallagnol.
No final da entrevista, o procurador voltou a usar o termo.
"Dentro das evidências que nós coletamos, a nossa convicção, com base em tudo o que nós expusemos, é que Lula continuou tendo proeminência no esquema e continuou sendo líder desse esquema mesmo depois de ter saído do governo”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo