Punição de Mantega: 8 anos sem exercer cargo público



Ilimar Franco – O Globo
O Tribunal de Contas da União (TCU) vai deixar o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega sem direito de ocupar funções públicas por oito anos. Esta é a punição que consta do relatório do ministro José Múcio sobre os responsáveis pelas "pedaladas fiscais".
O relatório de Múcio também pedirá punição idêntica para o ex-secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, e o diretor de Fiscalização do Banco Central, Anthero de Moraes Meirelles. Múcio não deve acatar a totalidade das recomendações do procurador Júlio Medrado.
O Banco Central contesta, formalmente, a inclusão de Anthero Meirelles em qualquer investigação pelo TCU. Argumenta que ele não responde a qualquer investigação no âmbito do tribunal e, portanto, não tem como ser julgado.
Integrantes do tribunal acreditam que serão excluídos os presidentes do BB, Aldemir Bendine, da CEF, Jorge Hereda, e do BNDES, Luciano Coutinho, pois estes avisaram a Fazenda e cobravam o pagamento dos recursos usados pelo Executivo.
Está em análise ainda a situação do ex-presiente do BC, Alexandre Tombini. Mas devem ser excluídos,a despeito da manifestação do procurador Júlio Medrado, o ex-ministro Nelson Barbosa, e o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira.
A expectativa é que os ex-ministros Tereza Campelo (Desenvolvimento Social), Manoel Dias (Trabalho) e Gilberto Occhi (Cidades) também não sejam incluídos. Mas continua sendo avaliado os casos do ex-subsecretário do Tesouro Nacional Marcus Pereira Aucélio, do ex-coordenador-geral de Programação Financeira, Marcelo Pereira de Amorim e do então chefe do Departamento Econômico do Banco Central Tulio José Lenti Maciel

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo

Nova Farmácia Básica do Centro é entregue à população patoense