"Provem minha corrupção e irei a pé ser preso", diz Lula


Do UOL
Um dia após ser denunciado pela Operação Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou nesta quinta-feira (15) que "construíram uma mentira como um enredo de novela". O petista disse ainda que anda de "cabeça erguida" e que iria a pé para a prisão se alguém provar que ele é corrupto.
"Conquistei o direito de andar de cabeça erguida neste país. Provem uma corrupção minha, que eu irei a pé para ser preso", disse Lula emocionado durante pronunciamento que durou mais de uma hora no auditório de um hotel na área central de São Paulo.
O ex-presidente criticou a entrevista coletiva dada ontem pela força-tarefa da Lava Jato. Na ocasião, o procurador da República Deltan Dallagnol afirmou que Lula é o "comandante máximo do esquema de corrupção" investigado pela operação.
"Eles construíram uma mentira, construíram uma inverdade, como se fosse um enredo de uma novela e está chegando o fim do prazo. Afinal de contas, já cassaram o [ex-deputado federal Eduardo] Cunha, já elegeram o [Michel] Temer pela via indireta, com o golpe, já cassaram a [ex-presidente] Dilma [Rousseff]. Agora, precisa concluir a novela. Quem é o bandido e quem é o mocinho? Vamos agora dar o fecho, acabar com a vida política do Lula", afirmou.
Procuradas pelo UOL, as assessorias de imprensa do Ministério Público Federal (MPF) e da Justiça Federal do Paraná disseram que não comentariam as declarações de Lula.
O ex-presidente foi denunciado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso que envolve um tríplex em Guarujá, no litoral de São Paulo.
A ação chegou hoje às mãos do juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância. Ele tem até a próxima segunda-feira (19) para decidir se aceita ou não a denúncia. Caso aceite, Lula se tornará réu pela segunda vez na Lava Jato.
Também foram denunciados ontem pelo MPF: a ex-primeira dama Marisa Letícia, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, o empresário da empreiteira OAS José Aldemário Filho e outras quatro pessoas.
Críticas a Lava Jato
Lula fez um pronunciamento rodeado de líderes de movimentos sociais, centrais sindicais, além de parlamentares, políticos e aliados. Sua mulher, Marisa Letícia, não participou do evento.
Ele começou sua fala com críticas à entrevista coletiva dada ontem pela força-tarefa da Lava Jato.
"Eu não vou fazer um show de pirotecnia, como fizeram ontem; não vou me comportar como ex-presidente da República; não quero me comportar como um cara perseguido, como se estivesse reivindicando algum favor", disse.
"Minha declaração é de um cidadão indignado com as coisas que aconteceram e que estão acontecendo. Neste país, tem pouca gente com a vida mais pública, mais fiscalizada do que a minha", afirmou.
Lula relembrou a sua trajetória política desde a época que era líder sindical até sua eleição e reeleição como presidente. Ele falou também sobre a história do PT e declarou que tem orgulho de ter criado "o mais importante partido de esquerda da América Latina".
Lula voltou a negar ser dono do tríplex em Guarujá e do sítio em Atibaia (SP). Segundo as investigações, os dois imóveis foram reformados por empreiteiras investigadas pela operação, com dinheiro desviado da Petrobras.
"Eu tenho a consciência tranquila [em relação às denúncias]. Mantenho o bom humor porque eu me conheço, sei de onde eu vim, sei para onde vou. Sei quem me ajudou a chegar onde cheguei. Sei quem quer que eu saia e quem quer que eu volte", falou.
Lágrimas e brincadeiras
O ex-presidente chorou em alguns momentos ao longo de seu pronunciamento. Um deles foi quando comentou sobre a denúncia feita pelo MPF. "Ontem, fui vítima. Foi um momento de indignação. Eu nunca pensei passar por isso". "Eu estava em Brasília e até pensei em ir para a China para me esconder", brincou em seguida.
Lula se emocionou também ao falar sobre as buscas que a Polícia Federal fez em sua casa, nas residências de seus filhos e na sede do Instituto Lula em março deste ano, durante a 24ª fase da Lava Jato. Na ocasião, Lula foi alvo de um mandato de condução coercitiva (quando a pessoas é levada para prestar depoimento).
Lula chorou ainda ao mencionar o nome de sua mulher, que também foi denunciada pelo MPF. “Querem me investigar, investiguem. Eu só quero que sejam verdadeiros comigo, que sejam honestos comigo, que respeitem dona Marisa”, concluiu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo

Nova Farmácia Básica do Centro é entregue à população patoense