Pós Temer: falta de nome dá fôlego ao presidente


A falta de um nome que aglutine as forças políticas que hoje discutem o pós-Temer tem garantido a sobrevida que o peemedebista julga ter para retomar sua agenda reformista no Congresso.
Folha de S. Paulo - Julianna Sofia

Não temos um varão de Plutarco. A diagnose é acurada e causa surpresa por vir de forma tão aberta de onde menos se poderia esperar. Ao "Valor", o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral) descartou a renúncia presidencial e demonstrou zanga com as articulações em curso por eleições indiretas sob o beneplácito de aliados de primeira hora.
"É um momento em que você não tem no Senado um varão de Plutarco, uma referência que esteja acima de tudo e de todos, sobretudo do ponto de vista intelectual. Nós não temos, é uma pena. No passado tivemos", lamuriou o ministro.
O adendo que se faz à fala do conselheiro palaciano é que a ausência se dá não apenas no Senado, onde Tasso Jereissati (novo comandante do tucanato) desponta com vantagem na disputa. Da Câmara, só o que surge é a óbvia especulação em torno de Rodrigo Maia, genro de Moreira. Até a realização do pleito indireto, o deputado deverá assumir o Planalto —com a pena na mão para nomeações e liberações de verba.
Tasso e Maia oscilam nas apostas do mercado financeiro e do empresariado nacional, para quem o que importa de fato é a manutenção da política econômica e a aprovação das reformas. Até por isso, nomes fora dos muros do Congresso —Nelson Jobim, FHC ou Henrique Meirelles— enfrentam mais resistências.
O presidente da República ganha oxigênio à espera do julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE e enquanto a concertação pelas indiretas não encontra seu próprio varão.
* Uma das primeiras e poucas mulheres a assumir cargo na alta cúpula do governo, Maria Silvia Bastos, do BNDES, é a primeira a pular da pinguela. Moreira aplaudiu. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crescem os riscos de Patos ficar totalmente sem água no ano que vem.

Maranata: empresa terceirizada tem lucros exorbitantes após ser contratada pela Prefeitura Municipal de Patos

Governador afaga PMDB de Patos e presenteia Grupo Mota com direção da Maternidade. Ricardo teria exigido nome de médico para o cargo