terça-feira, 23 de maio de 2017

Temer evita aliados discutindo nomes para seu lugar


Helena Chagas - Blog Os Divergentes
Não se derruba um presidente da República sem que as forças políticas tenham se acertado antes em torno de quem vai ficar em seu lugar – quem e para fazer o quê. É justamente essa articulação, que os políticos da base governistas começam a fazer pelos cantos, mas de forma ainda incipiente, que o presidente Michel Temer quer evitar. Sabe que, quando houver um consenso mínimo em torno de um nome para ser eleito indiretamente pelo Congresso, está perdido.
A sorte de Michel, por enquanto, é que isso ainda não aconteceu. Mas até quando? O Planalto melou, por exemplo, a reunião que estava marcada para este domingo à tarde entre as cúpulas do PSDB, comandado agora por Tasso Jereissati, e do DEM, por José Agripino. Constrangeu os dois convidando-os para o encontro à noite no Alvorada. Da mesma forma, tentou carimbar como aliados outros parlamentares da base que, em outras reuniões para discutir o futuro com seus pares, poderiam passar como conspiradores.
A estratégia de Michel é segurar a possível debandada até quarta-feira, dia em que o STF julgará seu pedido de suspensão do inquérito recém-aberto no STF. Até lá, haverá pressão máxima também sobre os ministros para reunir os seis votos necessários para isso. E até lá os tucanos, os democratas e outros aliados vão manter a compostura e evitar vazamentos públicos da discussão de nomes.
Apesar dos cuidados redobrados dos aliados para não ferir Temer, é evidente que a discussão corre solta nos bastidores, e os personagens mais citados têm sido Carmem Lucia, Rodrigo Maia, Tasso Jereissati, Henrique Meirelles e Nelson Jobim, cada um com seus prós e contras.
Como quem vai votar são os parlamentares, muita gente acha que a presidente do STF tem pouca chance. Nessa linha, cresce Rodrigo Maia, mas ele pode ser abatido por estar sendo investigado na Lava Jato. Tasso tem o respeito geral, mas como tucano pode não unir o PMDB, cuja perda será grande. Meirelles é o sonho de consumo das forças que querem sinalizar a manutenção da agenda econômica. Mas até pouco tempo atrás trabalhava no grupo J&F. Resta o peemedebista e ex-integrante das cúpulas dos três poderes Nélson Jobim. Ele pode ser o cara.

Nenhum comentário:

Postar um comentário